Aos senhores Vereadores do Recife

Aos senhores Vereadores do Recife

Publicado em 11/11/2020 por Revista algomais às 5:00
Redação da estudante Maria Bacallá a partir do tema do projeto O Recife que Precisamos, promovido pela Algomais, Iperid, Rede Gestão e Observatório do Recife

Eu me chamo Maria Bacallá, tenho 16 anos e curso o 3° ano do Ensino Médio no Colégio Equipe (rede particular). Apresento-me para deixar claro o meu lugar de fala e venho, através deste documento, exercer a cidadania, levantando questionamentos e fomentando o debate.

Como é de conhecimento geral, as eleições municipais se aproximam e esse momento traz as perguntas: “O que os jovens esperam para o Recife? Os jovens se mostram engajados? Ou apenas passam a votar quando atingem a maioridade, devido ao caráter obrigatório desse ato?”. Os dados divulgados pelo TSE apontam que o eleitorado situado na faixa etária 16-17 anos corresponde apenas a 0,7% do total dos votantes brasileiros, valor muito inferior quando comparado ao 1,61%, registrado em 2016. Poderia-se argumentar que tal redução se deve à pandemia do Novo Coronavírus. Apesar do provável impacto, esse decrescimento é uma tendência a qual é ilustrada pela imagem abaixo:

Esse infográfico é o reflexo do distanciamento dos adolescentes em relação à política. Muitos sentem que Política é um conceito abstrato, não conhecem os vereadores da própria cidade e, até mesmo, ignoram a sua função. Esse fenômeno conduz à falta de engajamento e à alienação e, por conseguinte, à descrença e à inércia (isso pode ser comprovado pela queda de 44%, no período 2010-2018, no número de filiados a partidos políticos, na faixa de 16 a 24 anos, segundo o TSE). Sem participação ativa nos rumos da própria cidade, o afastamento da esfera macro (estado e União) também é agravado.

Em relação à minha experiência, nesses três anos de Ensino Médio, não me recordo de ter discutido, em sala de aula ou com um colega, qualquer Projeto de Lei em pauta na Câmara dos Vereadores. Essa é a realidade de adolescentes que têm acesso a um ensino de altíssimo nível e que possuem as ferramentas para dispor de informações. Agora, mudemos o foco para alunos do Ensino Público, os quais costumam frequentar colégios de qualidade deficitária, nas periferias, e apresentam condições adversas de várias ordens. Poucos terão os instrumentos para compreender o significado do jogo político e a função que cada um desempenha nele. Assim, constata-se que a educação de qualidade (desde os anos iniciais) é fundamental, mas não é suficiente. Logo, aprendizagem precisa ser acompanhada pelo desenvolvimento do espírito crítico.

Dessa forma, é essencial que o vínculo entre os vereadores e os jovens seja estreitado. Visitas escolares (das redes particular e pública) à Câmara Municipal deveriam ser mais frequentes. O Projeto “Visite a Câmara” (criado em 2009, pela Resolução 241), implantado na cidade de São Carlos, deu oportunidade a alunos de aprenderem o papel do Poder Legislativo na própria instituição citadina. Além disso, a mobilização de vereadores em visitar escolas (não só em momentos de campanha eleitoral), de forma a promover debates os quais contemplem suas propostas efetivas, reforça a conexão com o jovem, desperta o seu sentimento de agente ativo na vida política e auxilia na compreensão sobre as competências do vereador.

Ademais, o interesse de jovens pelos rumos políticos da cidade passa pela ocupação dos espaços públicos. A conversa de vereadores com os recifenses, nas ruas, fica muito restrita ao período eleitoral. Inúmeras praças do Recife também permanecem continuamente desocupadas, sem a presença de atividades que desenvolvam a criticidade dos jovens. Projetos como o “História ao Ar Livre”, desenvolvido pelos professores Rodrigo Bione, Luiz Paulo Ferraz e Júlia Ribeiro, caminham na contramão dessa tendência ao promover encontros gratuitos em diferentes pontos da cidade. Sem auxílio econômico do Poder Público, tais reuniões já debateram tópicos a exemplo da “Revolução Pernambucana de 1817” e “Violência contra a mulher”. Além de ampliar o leque de conhecimentos históricos, o ouvinte se torna consciente de seus próprios direitos e nota que o seu voto e suas ações produzem impacto. Desse modo, é evidente a aproximação do cidadão da vida política, posto que ele percebe a necessidade de mobilização.
O movimento de aproximação juvenil da conjuntura pública leva a outros benefícios: líderes comunitários surgem, elencando reivindicações de seu grupo e encaminhando a vereadores. Esses recebem mais cobranças, os serviços melhoram e os níveis de corrupção caem, devido à fiscalização direta da sociedade civil.

Diante de tudo o que foi explanado, eu volto à pergunta “O que os jovens esperam para o Recife?”. Certamente, uma cidade mais inclusiva, com espaços públicos valorizados e educação pública de qualidade. Mas é, principalmente, o Recife que, na verdade, espera uma maior atuação dos jovens e isso não vai acontecer se ficarmos de braços cruzados. Espero que essa curta reflexão sirva para que os senhores também pensem em alternativas cujo objetivo seja estimular o engajamento político.

*Maria Bacallá é estudante do 3º ano do Ensino Médio do Colégio Equipe

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »