Alimentação pobre em nutrientes pode causar problemas à visão

Alimentação pobre em nutrientes pode causar problemas à visão

Publicado em 04/03/2020 por Revista algomais às 5:35

Alimentos como cenoura, laranja ou salmão não são indicados apenas a quem pretende manter uma boa forma, mas também fazem bem aos olhos. Muita gente não faz ideia, mas um cardápio saudável influencia também na saúde da visão. Recentemente um adolescente britânico, de 17 anos, sofreu uma perda irreparável na visão por causa de sua alimentação restritiva, à base de pão branco e batatas fritas, que provocou desnutrição aguda. O caso foi comentado na revista Annals of Internal Medicine.

Os exames clínicos demonstraram que ele apresentava déficits sérios de vitaminas e danos no nervo óptico provocado pela ausência de nutrientes encontrados em uma alimentação regrada. Se mantivesse uma dieta saudável, com opções ricas em vitaminas, certamente esse adolescente inglês poderia continuar enxergando normalmente até hoje. Essa é uma prova de que uma dieta balanceada é fundamental para evitar problemas na visão.

Segundo a oftalmologista e retinóloga do IOR (Instituto de Olhos do Recife), Luciana Valença, algumas vitaminas devem ser priorizadas nas refeições para que o organismo tenha um bom funcionamento e a saúde dos olhos seja preservada. “Devemos consumir produtos ricos em ômega 3, luteína e betacaroteno. Os peixes, por exemplo, proporcionam ômega-3 e ômega-6, além de minerais e vitaminas A, B6, B12, C, D, E. As espécies que fazem bem à saúde ocular e protegem a retina são o salmão, atum, truta, anchovas e cavala”, orienta a médica.

Evitar alimentos gordurosos e ricos em açúcar é a recomendação da oftalmologista Luciana Valença para se prevenir de doenças.

.

Fabiana Gonçalves, oftalmologista do Hospital Santa Luzia, destaca outros alimentos que ajudam na saúde dos olhos. “Os principais são aqueles ricos em antioxidantes (vitamina A, C e E), em luteína e ômega-3. A vitamina A e o betacaroteno estão presentes na cenoura, abóbora, mamão, batata doce; a vitamina E pode ser encontrada em castanhas e nozes; já a vitamina C, em frutas cítricas, como a laranja”, elucidou.

Você pode estar se perguntando como os alimentos atuam para o benefício da visão. A oftalmologista Fabiana explica: “As vitaminas A, C e E são consideradas antioxidantes, combatem os radicais livres, sendo importantes para bom funcionamento da transmissão da visão”, detalhou. “Alguns estudos também demonstram benefício desses nutrientes para retardar a formação de catarata. A vitamina A, em especial, é componente de uma proteína chamada rodopsina, que é importante na absorção da luz pela retina, auxiliando principalmente na visão noturna”, aprofundou a médica.

Deve-se ficar longe dos pratos gordurosos e ricos em açúcar, verdadeiros inimigos da visão. “Além de fazerem mal à saúde, prejudicam diretamente os olhos. É necessário evitar comer esse tipo de alimento e não se deve exagerar na ingestão de carne vermelha”, advertiu Luciana Valença.

Uma alimentação desregrada também contribui para o surgimento ou para o avanço de algumas patologias na visão. “Há estudos que comprovam que muitos pacientes com degeneração macular relacionada à idade (DMRI) apresentam níveis de vitamina D e E abaixo do recomendado”, revela Luciana. Essa doença é caracterizada por uma lesão no fundo do olho, e segundo Fábio Casanova, oftalmologista do Memorial Oftalmo, também é mais frequente e mais precoce em pessoas com muita exposição ao sol e que apresentam pré-disposição genética. “A soma desses três fatores predispõe ao surgimento da DMRI, e ela é a principal causa de baixa de visão acima de 60 anos, muitas vezes irreversível”, esclarece o especialista, salientando que a prevenção é feita usando óculos escuros e com uma boa ingestão de vitaminas ao longo da vida”, concluiu.

A catarata é outra doença que também pode ser combatida ou retardada com o consumo de vitaminas e óculos escuros. Ela é caracterizada pela perda de transparência do cristalino, lente natural cuja função é propiciar o foco da visão em diferentes distâncias. “Na minha tese de doutorado, estudei a proteção da vitamina C com a progressão da catarata. Observei que pacientes com uma concentração maior desse nutriente no humor aquoso (líquido transparente que banha as estruturas do olho e tem a função de nutri-lo) apresentavam uma catarata mais leve, mais tardia ou simplesmente não tinham a doença”, justificou. “Comparando pacientes da mesma faixa etária, dependendo da alimentação, eles apresentavam uma catarata mais leve. E comparando cataratas iguais, aqueles pacientes que tinham uma concentração maior de vitaminas C, apresentavam a doença naquela mesma intensidade, só que mais tardiamente”, esclareceu o especialista.

JUNKIE FOOD
Os adeptos da junkie food, aqueles alimentos com alto teor calórico, mas com níveis reduzidos de nutrientes, precisam ficar atentos também aos problemas na visão, alerta a médica Fabiana Gonçalves. “O problema da junkie food está nos excessos, pois podem causar alterações nas taxas de colesterol, triglicerídeos e glicose, que, por sua vez, podem gerar dislipidemias (aumento do colesterol e triglicerídeos) e diabetes”, destacou. “A diabetes pode gerar alterações na retina, chamada de retinopatia diabética, e as dislipidemias são fatores de risco para obstruções nos vasos da retina, chamada de oclusões vasculares retinianas”, explicou. “Além disso, esses alimentos costumam ter altos níveis de sal e sódio, que são fatores de risco para hipertensão arterial, o qual também é um predisponente para oclusão vascular”, enumerou a especialista.

Mas, como diz o ditado popular: tudo o que é demais é sobra. Fábio Casanova, reitera a importância das vitaminas, mas defende uma moderação. “Como tudo na vida, os excessos também podem trazer complicações em hipovitaminoses e hipervitaminoses. Então o excesso de vitamina C pode causar, por exemplo, o acúmulo de cálculo nos rins. Já a deficiência dessa vitamina causa o escorbuto”, pondera.

Por isso que, além de se consultar com um oftalmologista, pessoas acometidas por essas patologias na visão também devem receber orientações de um especialista para adotar uma dieta. “Independentemente do estágio da doença, é indispensável rever o cardápio com o auxílio de um nutricionista e endocrinologista para controlar a glicemia, o colesterol e triglicerídeos”, alerta Luciana Valença.

*Por Yuri Euzébio, da Revista Algomais (redacao@algomais.com)

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »