Campanha alerta tatuadores sobre riscos de lesões nas mãos

Campanha alerta tatuadores sobre riscos de lesões nas mãos

Publicado em 15/08/2019 por Revista algomais às 8:23
Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão explica os problemas por movimentos repetitivos

A SBCM (Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão) acaba de lançar a campanha “Não deixe a dor te marcar”, que conscientiza tatuadores sobre os riscos que a atividade traz à saúde das mãos, como o desenvolvimento de LER (Lesão por Esforço Repetitivo) e perfurações por agulhas.

A ação é feita em parceria com a Tattoo You, primeiro estúdio profissional de tatuagens de São Paulo, criado em 1979. Nela, dicas de prevenção serão compartilhadas nas redes sociais da SBCM e da Tattoo You, ao longo de quatro semanas. A campanha será encerrada com palestra para os tatuadores, ministrada por especialistas da Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão.

“As lesões por esforço repetitivo são muito comuns em pessoas que têm as mãos como principal instrumento de trabalho – como é o caso dos tatuadores –, e as causas vão desde a utilização excessiva do sistema que movimenta o esqueleto humano e da falta de tempo para recuperação, aos esforços que exigem muita força na sua execução, até vibração e estresse”, explica o presidente da SBCM, Dr. Marcelo Rosa de Rezende.

A LER envolve um grupo de problemas como tendinite, tenossinovite, bursite, síndrome do túnel do carpo, dedo em gatilho, compressões nervosas, entre outras ocorrências que afetam, principalmente, músculos, nervos e tendões dos membros superiores, além de sobrecarrega no sistema musculoesquelético.

Os principais sintomas da LER são dor extrema nos membros superiores e nos dedos, dificuldade para movimentá-los, formigamento, alteração da temperatura e da sensibilidade, redução na amplitude do movimento e inflamação.

PREVENÇÃO

Os problemas relacionados à LER podem prejudicar a produtividade, a participação no mercado de trabalho e comprometer financeiramente o profissional. Essas lesões são responsáveis pela maior parte dos afastamentos do trabalho e representam custos com pagamentos de indenizações, tratamentos e processos de reintegração à ocupação.

Ao longo de sua história, a tatuagem foi desde um símbolo de distinção das pessoas que se submetiam a este processo, até a marginalização social. Hoje, ela está cada vez mais inserida, em um hábito disseminado em todas as classes sociais.

O tatuador está gradualmente sendo reconhecido como um profissional que exerce uma atividade que, além da criatividade, exige um trabalho físico desgastante, associado ao estresse de ter como plataforma de trabalho o corpo humano. Isso requer um cuidado especial em relação ao seu instrumento de trabalho, no caso, todo o membro superior, sendo fundamental a sua utilização de forma racional, para que não venha a sofrer os efeitos danosos causados no ato de tatuar.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão e a Tattoo You darão início à uma campanha que visa prevenir as doenças causadas pelo exercício da profissão de tatuador, através de orientações de especialistas médicos e reabilitadores.

A eficiência e longevidade dos tatuadores só será possível através da prevenção.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »