Carboidratos são aliados ou inimigos das dietas? - Algomais
Carboidratos são aliados ou inimigos das dietas?

Carboidratos são aliados ou inimigos das dietas?

Publicado em 13/07/2018 por Revista algomais às 10:15
Nutricionista e professora de nutrição Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE) explicam sobre os benefícios e cuidados de estratégias "low carb". l Foto: Pixabay

Dietas com baixo teor de carboidratos, conhecidas como low carb, em inglês, ganharam popularidade por acelerar o emagrecimento e proporcionar vários benefícios à saúde, como prevenção de doenças cardiovasculares. Segundo a nutricionista Joyce Moraes, coordenadora e professora de pós-graduação em nutrição clínica e funcional do Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE), tais efeitos positivos se dão porque, a partir do momento que há grande redução de carboidratos na dieta, começamos a produzir corpos cetônicos.

“Acontece que essas substâncias podem ter efeitos benéficos no nosso organismo. Por exemplo, reduzir bastante o teor de carboidrato para produção de corpos cetônicos pode ser uma estratégia interessante para tratamento da epilepsia”, detalha. Então, a estratégia low carb é a redução do carboidrato, porque já sabemos que alto índice de carboidrato está ligado a várias doenças cardiovasculares. Já a inclusão de lipídeos, como azeite e abacate, que são as chamadas “gorduras boas”, são ótimos, ao contrário do que se pensava antes.

“Nós comemos muito carboidrato ao longo do dia. Até porque os alimentos fontes de carboidratos, como arroz, farinha, balas e biscoitos são mais baratos do que carnes e ovos. Mas, a partir do momento que reduzo esses carboidratos, tenho melhores níveis hormonais”, explica Joyce. Também segundo professora de nutrição do IDE, quanto mais carboidrato você come, maior será seu pico de insulina (de açúcar) no sangue, que resulta em vários efeitos deletérios, como acumulo de tecido adiposo. Por isso, os carboidratos têm que ser ingeridos em baixa proporção.

Então, a estratégia low carb é a redução do carboidrato, “porque já sabemos, que alto índice da substância tem ligação com várias patologias e não só a questão da perda de peso”, conta a nutricionista. Inclusive, de acordo com a profissional, estudos recentes mostram que alto teor de carboidrato na dieta provoca mais doença cardiovascular do que alto teor de gorduras. “Reduzindo os carboidratos, é possível melhorar níveis hormonais. “Ou seja, hoje, a estratégia é indicada para emagrecimento, balancear os níveis hormonais e prevenir doenças cardiovasculares”, avalia a nutricionista.

Alerta na redução drástica de carboidratos 

Por outro lado, a redução drástica de carboidratos, que vai gerar alta produção de corpos cetônicos, pode fazer com que a pessoa entre num quadro chamado de acidose metabólica, podendo desencadear até parada cardiorrespiratória. “Outros efeitos ruins são cansaço, fadiga, perda de massa magra, dores de cabeça, mal estar e mal humor”. Logo, é tão importante a avaliação e acompanhamento de um nutricionista, que vai fazer avaliação de peso, idade, exames e para poder prescrever a “dose de carboidratos” individualizada e dieta adequada para cada um. 

Outro alerta é para quem acha que fazer low carb é só comer pouco carboidrato. “Tem gente que come pouco carboidrato, mas o problema é a qualidade dele, que pode ser de alta carga glicêmica, ou seja, mesmo em pequenas quantidades vai ter efeito negativo. Não adianta comer pouco e o alimento ser de baixo teor nutritivo, artificial e industrializado. Muito me preocupa também quem acaba cortando frutas e verduras do cardápio, que são importantes fontes de nutrientes. Temos que ter noção que cada alimento tem seu valor e comportamento diferente no nosso organismo”, esclarece a professora de nutrição.

Além disso, outras pessoas também que acreditam que fazer a dieta low carb é a solução, quando o problema é outro. “E não adianta reduzir tudo, ainda mais se o alimento for de alto teor nutritivo. É reduzir, principalmente, os carboidratos de alto índice glicêmico e industrializados. Assim, reforço a importância de procurar profissional de nutrição habilitado para orientar a gente”, conclui a coordenadora e professora do núcleo de pós-graduação nutrição do Instituto de Desenvolvimento Educacional Joyce Moraes. Informações sobre especializações na área de saúde: www.idecursos.com.br

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »