Cresce a incidência de puberdade precoce

Cresce a incidência de puberdade precoce

Publicado em 12/04/2018 por Revista algomais às 4:51
Visual Hunt

Acne, aumento da oleosidade na pele, surgimento de pelos na região pubiana e das axilas. Sinais que são facilmente associados à adolescência, mas que têm se manifestado de maneira incidente em crianças. Puberdade precoce é quando o paciente começa a apresentar sinais de puberdade antes da idade que seria considerada a esperada de acordo com parâmetros médicos. Este é um dos assuntos que será discutido durante o 1º Up to Date de Pediatria de Pernambuco, promovido pela Sociedade de Pediatria de Pernambuco (Sopepe), neste sábado (14), no Hotel Manibu, em Boa Viagem.

Para os meninos, são sintomas da doença a evolução dos testículos e alteração da voz antes dos nove anos. Já para as garotas, que são as mais acometidas pela doença, os indícios são aparecimento de mama e menarca antes dos oito anos. A prevalência de puberdade precoce estimada no mundo é em torno de 2%, variando de acordo com a população estudada, chegando até a 48% em meninas afro-americanas. No Brasil, uma pesquisa realizada entre 2000 e 2005 revelou que cerca de 50% dos casos acontecem entre os seis e sete anos e 25% acontecem dos dois aos seis anos de idade. Antes dos dois anos, o problema é identificado em 18% dos casos.

As principais consequências da disfunção são as alterações psicológicas, pois a criança ainda não é madura o suficiente para lidar com tais mudanças no corpo; ter baixa estatura quando chegar à fase adulta, postergação do diagnóstico de alguma outra doença que o paciente tenha, risco de sofrer bullying e também abusos sexuais. A patologia pode ser idiopática, ou seja, não apresentar causas específicas, mas, para os médicos, a alimentação pode ser um dos fatores de desencadeamento da doença.

A médica especialista em endocrinologia pediátrica, Taciana Schuler, explica que a os disruptores endócrinos também podem ter contribuição para o aparecimento da doença. “Além da obesidade, algumas substâncias chamadas disruptores endócrinos podem afetar a produção hormonal e, hoje em dia, acredita-se que seja uma das causas de puberdade”.

Ela ainda salienta que existem dois tipos de puberdade precoce, a central, que é a mais comum, e a periférica. A primeira se caracteriza pela produção de hormônios estimulada pelo cérebro. Já a segunda pode derivar do aparecimento de doenças sistêmicas, como o hipotireoidismo ou cisto ovariano.

“Para a puberdade precoce central, o tratamento recomendado pelos pediatras normalmente inclui medicamentos que possam bloquear o estímulo à produção de hormônios. No caso de ser o tipo periférica, exames serão feitos para detectar a causa, ou seja, qual doença sistêmica está desencadeando esse desequilíbrio hormonal. O tratamento da segunda situação vai depender da causa do quadro em cada paciente. Pode ser via oral, um procedimento cirúrgico, entre outros tratamentos”, explica a Taciana Schuler.

SERVIÇO

1º UP TO DATE DE PEDIATRIA DE PERNAMBUCO – 14/4, das 8h30 às 17h, no Hotel Manibu – Av. Conselheiro Aguiar, 919, Boa Viagem. Inscrições: R$ 100 (associados da SBP, estudantes e residentes)/ R$ 150 (não associados). Mais informações: secretaria@sopepe.com.br ou 3231-4413.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »