Tendinite é responsável por grande parte do absenteísmo nas empresas

Tendinite é responsável por grande parte do absenteísmo nas empresas

Publicado em 18/06/2019 por Revista algomais às 5:30
Universo Recife oferece tratamento fisioterapêutico gratuito em sua clínica escola

Uma das causas do afastamento de muitos trabalhadores é a conhecida tendinite. É que nos períodos de crise eles ficam impossibilitados de exercer suas funções por causa da dor, tendo que ficar em repouso do local afetado. Essa doença nada mais é do que a inflamação do tendão, que, por sua vez, é a estrutura do corpo que liga os músculos aos ossos. Essa condição é como um machucado em que o organismo inicia o processo inflamatório a fim de reparar a lesão.

De acordo com o ortopedista, Dr. Rui Eduardo, a tendinite é especialmente incidente em pessoas que trabalham com as mãos e braços, pescoço, ombros, atingindo também a coluna ou qualquer local que possua musculatura. “Adultos em idade produtiva são os mais afetados e a patologia parece atingir também operários que trabalham com movimentos repetitivos, chegando a conclusão que a Tendinite está diretamente ligada a força excessiva, a posição do membro que está realizando o movimento e, é claro, as excessivas repetições”, explica.

Mas, quando essa patologia surge, os sintomas logo são identificados como o aquecimento e a vermelhidão na região afetada; dores que podem ser de moderadas a intensas; dificuldade em movimentar a área por conta da dor e a sensação de fisgadas ou câimbras. Dependendo do caso, o tratamento pode variar de um simples repouso no tendão afetado à fisioterapia para analgesia.

Segundo o fisioterapeuta e professor da Universo, Moisés Ferreira Filho, o objetivo do tratamento fisioterapêutico da tendinite leva em consideração a fase em que se encontra o processo inflamatório. “Para iniciar o tratamento, a avaliação funcional é importante para identificar a real causa da Tendinite e orientar o paciente a realizar os movimentos de forma mais ergonômica e eficiente para não haver recidivas”, explica.

Na fase aguda, momento em que a dor, o “inchaço”, e a incapacidade de movimentar a articulação envolvida está muito marcante, o objetivo principal do tratamento é diminuir a dor e o inchaço, além de imobilizar a articulação – com uso de tipóia ou órteses específicas. Os recursos mais indicados são a eletroterapia com o uso da TENS, o LASER e o uso do frio utilizando-se compressas de gelo. Esse último tem se mostrado mais eficaz no que se refere ao inchaço.

A medida que a lesão evolui para um processo crônico é aconselhado acrescentar um programa de reeducação postural, alongamento e mobilização articular, além da TENS e do LASER. Para os resultados sejam positivos, é importante que o tratamento não seja interrompido e que o paciente só receba alta, após uma reavaliação funcional para determinar a evolução do tratamento. “O paciente que estiver com o encaminhamento em mãos, pode receber o tratamento gratuitamente na clínica escola na Universo Recife”, revela.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »