Volta às aulas exige cuidados oftalmológicos

Volta às aulas exige cuidados oftalmológicos

Publicado em 15/02/2021 por Revista algomais às 5:00

Aulas à distância por videochamada, presenciais ou híbridas, alternando os formatos. Com a pandemia da COVID-19 e o consequente distanciamento social, estudantes e escolas tiveram – e ainda estão tendo – que se adaptar a novas formas de ensino. O que não muda é a importância do check-up oftalmológico, especialmente nesta volta às aulas, diferente dos anos anteriores. O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) estima que até 10% dos brasileiros de 7 a 10 anos precisam usar óculos. De acordo com o Ministério da Saúde, 30% das crianças em idade escolar no Brasil apresentam problemas de visão, que, quando não diagnosticados, afetam o aprendizado e podem até ser causa de evasão escolar. Esses dados demonstram a necessidade do check-up oftalmológico antes da volta às aulas.

“A importância da consulta oftalmológica é que seja realmente averiguado se a criança apresenta algum tipo de grau, para que ela não retome a escola com alguma deficiência que possa acarretar no baixo desempenho escolar dela. Então antes mesmo dela apresentar os sintomas, é importante analisar se durante esse período de pandemia ela adquiriu algum tipo de grau”, foi o que destacou a oftalmologista do Oftalmax Hospital de Olhos, empresa do Grupo Opty, Anamaria Coutinho.

Até mesmo antes da pandemia, sempre foi recomendado realizar a consulta oftalmológica de rotina, pois é essencial para qualquer pessoa. É através da consulta que é possível diagnosticar e tratar precocemente problemas ou distúrbios da visão que possam vir afetar diretamente o desempenho escolar, se tratando de crianças e adolescentes. Confira, abaixo, algumas orientações da oftalmologista do Oftalmax Hospital de Olhos, empresa do Grupo Opty.

A consulta oftalmológica é uma medida preventiva importante, mas alguns sintomas podem indicar a presença de alterações na visão. Quais são eles?

Dra. Anamaria Coutinho: A consulta oftalmológica deve ser feita anualmente, pois os olhos das crianças sofrem alterações anatômicas, ele ainda está crescendo. Em um ano pode não existir a necessidade de usar grau algum, e no outro já apresentar algum quadro, por isso recomendamos um retorno anual, mesmo que o exame anterior tenha sido normal. Os sintomas mais comuns são a baixa visão, tanto para longe como para perto, dores de cabeça e sensibilidade à luz. Além disso, existem casos em que é apenas apresentado o desinteresse por algumas atividades, e até mesmo o baixo desempenho escolar, podendo esses serem os únicos sinais de acometimento visual.

Muitas crianças, assim como jovens e adultos, têm passado vasto tempo em frente às telas e dentro de casa durante esses meses de pandemia. Agora, no curto ou médio prazo, devem voltar gradualmente às aulas presenciais. É possível que sintam desconforto nesse retorno, depois de passarem tanto tempo exigindo muito mais da visão de perto? Como minimizar essa transição?

Dra. Anamaria Coutinho: Sim. A primeira orientação é não usar os eletrônicos muito de perto, o ideal é usar com uma distância de ao menos 35 cm. O uso correto seria de no máximo 2h às 3h de eletrônicos por dia, mas como sabemos que no período atual, com as aulas remotas, isso muda o tempo de uso, por isso é ideal que seja feito uma pausa de ao menos 20 minutos, a cada 2h, para causar menor desconforto.

Estudos apontam aumento de miopia em crianças que passam muito tempo em frente às telas. Com base nos atendimentos no consultório é possível dizer que a pandemia pode ter agravado essa condição?

Dra. Anamaria Coutinho: Esse aumento da incidência de miopia já é perceptível há alguns anos e é possível notar também o aumento rápido e progressivo do grau entre as crianças. Acredita-se que esses fatores sejam decorrentes do estilo de vida com uso excessivo da visão de perto e pode ter sido potencializado durante o período da pandemia. Atendi vários casos de crianças com miopia e que não se queixavam aos pais porque não estavam dentro de uma sala de aula, por exemplo, vendo um quadro. Elas estavam no computador, e a miopia não dá dificuldade para perto, então elas não se queixavam, pois não estavam testando tanto a visão de longe. É muito importante o exame depois desse ano tão atípico, e antes de retornar às aulas.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »