Crítica| 1917
Wanderley Andrade

Crítica| 1917

Publicado em 11/01/2020 por Wanderley Andrade às 8:00

Alguns filmes de guerra entraram para a história do cinema mundial, fincando o pé definitivamente entre os melhores longas de todos os tempos. Como esquecer de A Ponte do Rio Kwai, Apocalypse Now ou A Lista de Schindler? Pois bem, mais uma produção do gênero certamente passará a marcar presença nessas listas: o intenso 1917 de Sam Mendes, diretor ganhador do Oscar por Beleza Americana.

A trama acompanha dois soldados britânicos, Schofield (George MacKay) e Blake (Dean-Charles Chapman), na amarga missão de cruzar o território inimigo, arriscando a vida para entregar uma mensagem que poderá evitar a morte de milhares de homens, inclusive, do irmão de Blake. O filme oferece uma profunda imersão às entranhas da Primeira Guerra Mundial, reproduzindo da forma mais realista e crua possível a repugnante face de um front de batalha. É quase possível sentir o cheiro acre das carcaças de animais abatidos no combate e dos corpos de soldados pendurados nas cercas de arame farpado.

 

Divulgação: Universal Pictures Brasil

 

Logo no primeiro ato o roteiro desanda para diálogos por demais expositivos, com personagens lembrando, quase que a cada frase, dos perigos que a dupla irá enfrentar. Mas a partir do segundo ato a história ganha força após uma surpreendente reviravolta que impulsionará a trama.

Em relação ao elenco, George MacKay ganhou certa notoriedade ao atuar, em 2016, no elogiado Capitão Fantástico. Já Dean-Charles Chapman é mais conhecido por seu trabalho na série Game of Thrones. Alguns nomes de peso surgem durante a jornada para fazer uma pontinha, como os atores britânicos Colin Firth e Benedict Cumberbatch.
1917 ganhou recentemente dois prêmios no Globo de Ouro, melhor filme de drama e melhor diretor. A boa recepção da crítica, aliada ao reconhecimento nas premiações, dá ao longa grandes chances de figurar entre os indicados ao Oscar 2020. Não apenas na disputa ao prêmio de melhor filme, mas também nas categorias técnicas, a começar pelo competente trabalho de cinematografia. A trama é costurada com um longo (falso) plano-sequência, escolha que dá mais realismo à história. A sequência do ataque noturno, com Schofield fugindo em meio às ruínas de antigos edifícios iluminados pelas explosões é impressionante. Ponto para o diretor de fotografia Roger Deakins, que tem no currículo longas como Blade Runner 2049, Onde os Fracos Não Têm Vez e Um Sonho de Liberdade.

 

Divulgação: Universal Pictures Brasil

 

Indicada ao Globo de Ouro, a trilha sonora, composta por Thomas Newman, soa desnecessária em algumas cenas. É inegável que nas sequências de ação ela se mostra eficiente ao potencializar a tensão. Mas falha ao se fazer presente nos momentos de calmaria, os quais parecem clamar por silêncio em oposição à música que insiste em golpear os tímpanos do espectador. Newman é colaborador de longas datas de Sam Mendes. Trabalhou com o diretor em filmes como Beleza Americana e 007 – Operação Skyfall.

Sam Mendes provou ser possível dar novo gás a um gênero que vinha fraco das pernas. Muitos até consideraram uma grande zebra o prêmio no Globo de Ouro, levando em conta concorrentes do porte de Scorsese e Tarantino. Resta saber se o Oscar tomará o mesmo caminho.

Estreia: 23 de janeiro.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »