Crítica| I Am Mother (Netflix)
Wanderley Andrade

Crítica| I Am Mother (Netflix)

Publicado em 13/06/2019 por Wanderley Andrade às 10:55

Ao seguir fielmente a proposta de encher o catálogo com produções originais, a Netflix corre o risco, muitas vezes, de lançar algumas bombas ao nível de The Cloverfield Paradox e Ridiculous 6. Erra, mas também acerta, basta ver o burburinho provocado pelo filme Bird Box  e, mais recente, o sucesso da produção mexicana ganhadora do Oscar de melhor filme estrangeiro, Roma, dirigida por Alfonso Cuarón. E parece que o serviço de streaming acertou mais uma: a ficção científica I Am Mother, que entrou no catálogo na sexta (7), já alcançou excelente pontuação no Rotten Tomatoes, site agregador de críticas de cinema e televisão. Está hoje com uma aprovação de 90%, de um total de 51 avaliações.

 

Créditos: Netflix Brasil

 

Em I Am Mother acompanhamos a história de um robô chamado Mãe que vive em um bunker com uma humana gerada em laboratório tratada por ela simplesmente por Filha. A humanidade fora praticamente extinta e Mãe tem como missão repovoar a Terra. Para isso armazena em seu laboratório milhares de embriões. Até que surge uma improvável visitante e os planos da mãe robótica começam a ser questionados e ameaçados.

Nada no longa soa gratuito: desde a trilha sonora, utilizada na dose certa, sem exagero, até os momentos de silêncio.

Créditos: Netflix Brasil

A bela fotografia de Steve Annis aliada aos bons efeitos especiais completam a atmosfera sombria e futurista do filme. O cineasta  australiano Grant Sputore debuta na direção e esbanja personalidade e muita segurança para um primeiro trabalho.

I Am Mother tem elenco pequeno, mas muito talentoso. A atriz australiana Rose Byrne, conhecida por sua atuação nos filmes Vizinhos e Missão Madrinha de Casamento, dá voz à Mãe. Hilary Swank, ganhadora do Oscar de melhor atriz por Menina de Ouro, interpreta a estranha visitante. Por fim, a jovem atriz e cantora (isso mesmo!) dinamarquesa Clara Rugaard-Larsen encarna a Filha.

I Am Mother foi exibido este ano no Festival de Sundence e arrancou muitos elogios da crítica norte-americana. Em 2016, o roteiro do filme ganhou destaque na famosa The Blacklist, publicação anual que reúne os melhores roteiros escritos, mas que, até o ano de divulgação da lista, não foram produzidos.

 

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »