Curta documental conta história de antiga moradora da Mata do Engenho Uchôa
Wanderley Andrade

Curta documental conta história de antiga moradora da Mata do Engenho Uchôa

Publicado em 09/07/2019 por Wanderley Andrade às 9:46

Força e poesia. Resistência e sensibilidade. Palavras que definem bem o curta-metragem, Enraizada, de Tiago Delácio. O documentário, realizado pela Partilha Filmes e Asaga Audiovisual e distribuído pela Tarrafa Produções,  acompanha Dona Olívia, uma antiga moradora da Mata do Engenho Uchôa e sua estreita relação com o lugar. Força e resistência retratados nos pés fincados que teimam em não abandonar a mata. Poesia e sensibilidade refletidos em antigos enfeites de Natal pendurados numa árvore ou nos sons da natureza que servem de trilha para o bailar de galhos e folhas.

Enraizada está na lista de selecionados para a 12ª edição do Festival de Cinema de Triunfo, que acontece entre os dias 05 e 10 de agosto. Em entrevista à Revista Algomais, o diretor Tiago Delácio conta detalhes do projeto e reflete sobre o atual cenário do audiovisual brasileiro.

 

Divulgação: Tarrafa Produções

 

Como surgiu a ideia para o curta?

A ideia surgiu de uma pesquisa sobre a mata do Engenho Uchôa. Participamos de um edital do Governo do Estado e CPRH através do qual vários realizadores fizeram filmes institucionais sobre as reservas de proteção ambiental. O Estado de Pernambuco tem várias, uma delas é ali perto do aeroporto, na Mata Uchôa, no sentido da BR-101. É uma mata extremamente degradada que vem enfrentando ao longa da sua história todo um processo de desmatamento, invasão e queimada. Existe um movimento muito forte chamado Movimento em Defesa da Mata do Engenho Uchôa, que envolve sindicatos, professores, escolas e atividades culturais. Graças a essa mobilização eles têm um trabalho de preservação e conscientização daquele espaço, uma mata urbana dentro do centro urbano, extremamente valorizada com vários interesses econômicos e sociais diante disso. Realizamos em 2016 um documentário chamado Uchôa, Mata Pulsante e nas nossas entrevistas com os moradores nos apresentaram Dona Olívia, pessoa extraordinária que tem uma vida linda. Morou na sua infância dentro da Mata Uchôa quando o lugar ainda era habitável. Contam pra gente que lá existiam fazendas, criação de gado e plantações. Quando se instituiu a reserva ambiental e todo mundo teve que sair, ela continuou habitando, agora de forma mais precária. Morou dentro da mata por mais de 30 anos e hoje ainda mantém essa relação diária com o local. Não mora mais dentro da mata, mas ainda vai pra lá todos os dias. A gente quis contar essa história sem transformar Dona Olívia num estereótipo, mas mostrar que é uma pessoa que tem uma vida diferente, simples, mas feliz, que tem a capacidade quase orgânica que sai do seu próprio corpo, essa necessidade da preservação e da relação do homem com a natureza.

 

Como foi a produção do curta? Quais os maiores desafios enfrentados na realização do projeto?

A produção do curta foi feita por amigos. Eu dirigi, Rafael Buda produziu, Tábata trabalhou como assistente de direção, Bruno Cabús fez fotografia. Uma equipe formada por amigos e que teve como grande desafio traduzir em poucos minutos a trajetória de uma pessoa que construiu sua história a partir do silêncio, da relação com a mata, com os animais e com ela mesma. Dona Olívia é um marco para nós e ficamos muito felizes em traduzir um pouco da sua história e fazer com que esse exemplo sirva de lição para a preservação dessas reservas florestais.

Qual lição a história de Dona Olívia trouxe para você?

Divulgação: Tarrafa Produções

A história de Olívia nos trouxe muitos ensinamentos, entre eles, como se portar diante da natureza no século XXI, com o urbano crescendo tanto ao nosso redor. Como se relacionar de forma proativa com o meio ambiente e mudar nossos hábitos em relação a ele. Dona Olívia nos ensinou além da questão ambiental, algo crucial atualmente que é a questão da moradia. Naquele espaço ocorreram diversas tentativas de ocupação, tanto de alta, quanto de baixa renda. A gente pensa às vezes que as ocupações são feitas apenas por pessoas de pouco poder aquisitivo, mas não, uma série de empreendimentos tentaram destruir aquela reserva. Os moradores do Movimento Mata Uchôa fizeram abaixo assinado e outras mobilizações, participaram de toda uma trajetória de luta nos últimos quarenta anos para defender esse espaço. E Olívia faz parte dessa luta.

Dona Olívia é exemplo de resistência, palavra, inclusive, necessária em tempos atuais. Qual tua visão em relação ao futuro do cinema brasileiro diante das mudanças que têm mexido com o audiovisual nos últimos meses?

Essa relação entre Dona Olívia, o curta Enraizada e o cinema atual e como estão acontecendo as políticas públicas, pra mim, traduz-se numa simples palavra: resiliência. O cinema nacional teve essa capacidade ao longo da sua história de ser resiliente. De se segurar em suas raízes quando a terra está mais seca e os dias se apresentam mais difíceis. O cinema brasileiro passa por um momento difícil, as políticas públicas ainda não se tornaram de fato políticas de estado. O atual governo não vê de fato o cinema como ferramenta de formação, uma ferramenta de divulgação da imagem do Brasil, pelo contrário, vê o cinema nacional como inimigo. Nosso audiovisual já passou por outros momentos, outras fases semelhantes a essa e ainda assim lutou, resistiu e sobreviveu. Com sua capacidade e criatividade foi resiliente para continuar seguindo. Já estamos sentindo os efeitos da política desastrosa atual com o fim do Ministério da Cultura, com a repressão à ANCINE e o fim do financiamento. Isso vai rebater não só na produção, mas também em quem está nessa ecologia audiovisual: o estudante de cinema, o produtor que trabalha na ponta, os atores, os roteiristas. Entraremos no ciclo mais difícil devido à falta de visão política do atual governo, mas o cinema resiste, ele vive e continua firme e forte igual Dona Olívia.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »