Ganhei no milhar
Joca Souza Leão

Ganhei no milhar

Publicado em 12/12/2017 por Revista algomais às 13:20

Em casa e pra turma da rua, sempre fui Joca. João Augusto, só no colégio. E por conta da caderneta de chamada. Daí em diante, Joca. Em toda parte. Até no exterior. Pra facilitar, já me apresentava Djoca para os ingleses, Jocá para os franceses e Roca para os de língua espanhola. Não ia pretender que me chamassem João. Este som, “ão”, só existe em português.

Na vida, topei com dois João Augusto. Um deles, meu primo Zoza. Também em homenagem ao nosso avô; materno dele, paterno meu. Nunca tive amigo nem colega João Augusto. No alistamento militar, eu era o único. João Augusto famoso, não sei de nenhum. Conhecido, só o lobista do PMDB que tá preso pela Lavajato.

Mas, acabo de descobrir um João Augusto na Bahia. Sorte minha. Explico. Mas não em duas palavras. Se você tiver um pouquinho de paciência, cara leitora, caro leitor, vai saber os porquês.

Uma moça, Chrystine, leu os meus livros. Trocamos alguns e-mails. E, na breve biografia publicada, ela ficou sabendo que Joca era João Augusto.

Antes de continuar, no entanto, devo apresentar Chrystine: baiana e advogada, trabalha num escritório de contabilidade em Salvador.

O tempo passa. E ela volta a me escrever. Conta que um cliente, aposentado, pediu-lhe para pesquisar se ainda tinha algum dinheiro para receber do governo. PIS, FGTS, Plano Verão, Plano Bresser, Plano Collor… ou uma outra picaretagem governamental qualquer. E tinha. Um bom dinheirinho confiscado, qu’ele nem desconfiava que existia. Sabe o nome dele? Bingo! João Augusto.

E, por acaso, Chrys descobriu na pesquisa um outro João Augusto. Este, com o meu sobrenome. Homônimo? Mandei meu CPF. E ela enviou o comprovante. Bingo!

Dia seguinte, fui à agência da Caixa na Rua da Hora. Fila. Uma hora e tanto. E o atendente não localizou o meu crédito. Consultou um colega. “Ah!, isso é do Plano Collor.” Digitou uma senha. Tava lá. Até os centavos. “O senhor tem que trazer os documentos do INSS.”

Na mesma pisada, caminhando, fui ao INSS da Av. Mário Melo. Fechado. Expediente até as 11. Eram 11h15. Manhã seguinte, tava eu lá. Sem fila. Jogo rápido. Atendido na recepção mesmo.

Documentos na mão, voltei à Caixa. “Tá faltando a Certidão de Aposentadoria INSS – PIS/PASEP – FGTS.” Voltei ao INSS. “Nós não emitimos mais este documento. Só no Pina.”

Fui ao Pina. Fila quilométrica. Uma pensionista me deu a dica: “Vá ao posto da Av. Norte.” Fui. Fila. Mais de uma hora. “Senha, só às 7 da manhã. Mas, pode ser pela internet.” E me deu uma “senha inicial” para acessar o sistema.

Não sei quem era mais burro. Eu ou o sistema? Após dezenas de tentativas, consegui imprimir. E voltei à Caixa. “O documento não é este, não.”

Resolvi tentar outra agência da Caixa. Ilha do Leite (Ed. Graham Bell). Por telefone, falei com a encarregada da seção. “O senhor só precisa trazer a carteira de identidade original.” Dito e feito. Com quinze minutos, saí da agência com uma “ordem de saque” para dali a três dias.

No dia marcado, fui à agência da Caixa na Rua da Hora, porque pertinho de casa. “Só pode sacar na agência que emitiu a ordem” – disse o funcionário. Acredite, caro leitor, pela primeira vez alterei o tom da voz. “O senhor sabe ler?” Ele leu. E me encaminhou ao caixa para receber. Em espécie, qu’eu não sou besta.

Quem lembra do samba-de-breque de Moreira da Silva, o Kid Morengueira?

Acertei no milhar!

Ganhei quinhentos contos, não vou mais trabalhar.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »