Instituto Ricardo Brennand, o sonho completou 15 anos
Leonardo Dantas Silva

Instituto Ricardo Brennand, o sonho completou 15 anos

Publicado em 13/11/2017 por Revista algomais às 5:00

O Instituto Ricardo Brennand, entregue ao público em 12 de setembro de 2002 pelo industrial Ricardo Brennand, inscreve-se hoje como um dos mais importantes museus da América do Sul, registrando nos últimos 15 anos uma frequência de 2.546.930 visitantes. O conjunto encontra-se implantado em uma área de 77.680 m², encravada em terras do engenho São João da Várzea, que no século 17 fora propriedade de João Fernandes Vieira, um dos principais líderes da Restauração Pernambucana de 1654.

Ostenta em sua entrada uma aleia de 1.400 metros de palmeiras imperiais, finalizada por uma imponente portada em cantaria, originária de um castelo francês, ladeada por dois monumentais leões esculpidos em pedra, procedentes do Palácio Monroe (Rio de Janeiro).

Nos seus jardins o visitante encontrará, além de uma grande escultura do colombiano Fernando Botero (A Mulher no cavalo), uma réplica em mármore de Carrara da estátua do David de Michelangelo (1504), cujo original encontra-se na cidade italiana de Florença, com 7,15 metros de altura, sete toneladas, apoiada numa base do mesmo material.

O Instituto Ricardo Brennand é formado por um conjunto de prédios reunindo Castelo de São João, Pinacoteca, Biblioteca, Galeria, Capela e Restaurante.

No primeiro edifício vamos encontrar uma das mais importantes coleções particulares de armas brancas, formando um conjunto de cerca de 3.500 peças de diversas procedências. Lanças, facas, alabardas, espadas, adagas, canivetes, estiletes e 50 armaduras (duas delas para criança e uma para cachorro) completas, com destaque para os raríssimos conjuntos em tamanho natural cavalo-cavaleiro-com-armadura, no estilo italiano do século 16, estão a despertar a atenção de leigos e estudiosos, juntamente com curiosidades outras dos Séculos 15 ao 21.

A Pinacoteca encontra-se inserida, juntamente com sua torre em três pavimentos, em um edifício de 4.884 m² e conta com equipamentos de alta tecnologia para preservação de umidade, temperatura e luminosidade. O instituto dispõe atualmente do maior acervo já reunido em um só local de obras atribuídas ao pintor Frans Post (1612-1680); o primeiro artista europeu a registrar a paisagem das três Américas no Século 17, que trabalhou em Pernambuco entre 1637 a 1644 integrando a comitiva do Conde João Maurício de Nassau-Siegen (1604-1679).

Ainda no prédio da Pinacoteca encontram-se importantes quadros formadores da Coleção do Oitocentos, reunindo a produção de 57 pintores e viajantes do século 19, em sua maioria chegados ao Brasil após a Abertura dos Portos (1808).
Inaugurada no ano 2011, a Galeria é o terceiro módulo do instituto que ocupa uma área total estimada em 1.607 m², destinada a realização de grandes eventos, exposições itinerantes e exposição de quadros de vários autores conservadas na Reserva Técnica.

A Biblioteca José Antônio Gonsalves de Mello, localizada na torre do prédio da Pinacoteca, possui pouco mais de 51 mil itens catalogados, com especial enfoque para a história colonial brasileira, destacando-se o período Brasil-Holandês (1630-1654) e coleções outras do instituto.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »