Livro de uma linha (por Bruno Moury Fernandes)
Bruno Moury Fernandes

Livro de uma linha (por Bruno Moury Fernandes)

Publicado em 03/11/2019 por Revista algomais às 5:52
Imagem de oxi_roxy por Pixabay

Pascal, Cioran, Lichtenberg, Schopenhauer, Karl Kraus, Oscar Wilde, Machado de Assis, Gómez Dávila, Kafka, Nelson Rodrigues, Millôr e, o maior de todos, claro, Nietzsche. Todos exemplos de grandes aforistas.
Aforismo é um gênero textual dos mais curiosos e intrigantes. Enuncia uma regra, um pensamento, um princípio ou uma advertência. É a mistura de literatura e filosofia. Através de uma mensagem verdadeira e concisa, geralmente é a expressão sucinta de um pensamento moral. Sátira, irreverência e cinismo são bem-vindos nesse gênero.
Caí na tentação de escrever aforismos. Mas rato pequeno quando pega em mel se lambuza. Neste caso, lambuzado de mediocridade. O que saiu de melhor foi: “são duas coisas que não voltam: uma é o tempo, a outra os tapaué que empresto a mãe” ou “mais vale um peito na mão do que dois no sutiã”. Essas coisas que são extraídas de uma mente madura de um aforista-tabacudo-pernambucano. Para não amolar vocês, voltemos aos grandes. Apresento, a seguir, o catálogo de aforismos para a vida. Minha seleção:

“O amor é estado no qual os homens têm mais possibilidades de ver as coisas como elas não são.” (Nietzsche)

“As convicções são cárceres.” (Nietzsche)

“Educação é aquilo que a maior parte das pessoas recebe, muitos transmitem e poucos possuem.” (Kraus)

“O fraco fica em dúvida antes de tomar uma decisão; o forte, depois.” (Kraus)

“A partir de certo ponto não há mais retorno. É este o ponto que tem de ser alcançado.” (Kafka)

“Com muita sabedoria, estudando muito, procurando compreender tudo e todos, um homem consegue, depois de mais ou menos 40 anos de vida, aprender a ficar calado.” (Millôr)

“O adulto não existe. O homem é o menino perene.” (Nelson Rodrigues)

“O olhar de uma mulher pode revelar tudo que ela esconde, se o interpretarmos ao contrário.” (Drummond)

“Desculpe-me, não reconheci você: eu mudei muito.” (Wilde)

“A tragédia da velhice não consiste em ser velho, mas em ter sido jovem.” (Wilde)

“O dinheiro é uma felicidade humana abstrata, por isso aquele que já não é capaz de apreciar a verdadeira felicidade humana, dedica-se completamente a ele.” (Schopenhauer)

Para quem anda descrente desse mundo, a leitura dos aforismos dos grandes pensadores traz o poder das palavras consigo e nos enche de fé. Sim, de fé! Minha crença mora mesmo na realidade brutal dos aforistas humanos de carne e osso. Ainda que as palavras por vezes nos impactem e firam mais do que se possa imaginar, o aforismo é sobretudo um choque de realidade humana, em livro de uma linha só. É o dizer nada politicamente correto. Na lata, na caixa dos peitos. É verdade e meia, Kraus.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »