Marcado por saída de cineastas e adiamentos, enfim começa o Cine PE (Por Wanderley Andrade)
Cinema e conversa
Wanderley Andrade

Marcado por saída de cineastas e adiamentos, enfim começa o Cine PE (Por Wanderley Andrade)

Publicado em 28/06/2017 por Claudia Santos às 20:52

Após dois adiamentos, teve início ontem mais uma edição do Cine PE. O festival chega a sua maioridade (21ª edição) em um ano de crise financeira e de muita polêmica, provocada pelo protesto de um grupo de realizadores que retirou seus filmes por não concordar, conforme divulgado em um manifesto, com a “escolha ideológica” das produções.

A diretora do festival, Sandra Bertini, abriu o evento falando sobre sua paixão pelo cinema. Emocionada, relembrou fatos de sua infância, época em que deixava de brincar com as amigas para ficar em casa assistindo aos filmes que eram exibidos na TV.

Antes das mostras competitivas, foram exibidos quatro curtas de animação em stop motion realizados por professores e estudantes de três escolas públicas do Recife. O projeto é fruto de uma parceria entre o Cine PE e a Prefeitura do Recife. A equipe também produziu o vídeo de divulgação do festival. Destaque para o curta A Lição, que trata do desrespeito de muitos motoristas em relação às vagas de estacionamento reservadas para idosos.

O filme Los Tomates de Carmelo, do recifense Danilo Baracho, abriu a Mostra Competitiva de Curtas Pernambucanos. O ano é 1941. Na história, Carmelo (Juan Antonio Quintana), já idoso, vive sozinho na comunidade espanhola de Castilla y León. Triste, sabe que dificilmente conseguirá plantar seus tomates, pois a falta de chuvas endureceu o solo da sua pequena propriedade. Chama a atenção a bela fotografia do curta. As poucas cores transmitem muito bem toda a secura do cenário e da solidão enfrentada pelo protagonista.

Divulgação: Los Tomates de Carmelo
Divulgação: Los Tomates de Carmelo

Compondo a Mostra Competitiva de Curta Nacional, foi exibido o curta Diamante, O Bailarina, que tem como protagonista um jovem lutador de boxe que à noite larga os ringues para trabalhar como transformista em uma boate. “Voe como uma borboleta, mas ferroe como uma abelha.” A conhecida frase do pugilista norte-americano Muhammad Ali que dá início ao filme, ilustra muito bem o drama vivido por Diamante, interpretado pelo excelente ator paulista Sidney Santiago. A diversidade de papeis vividos por Diamante, ora lutador, ora travesti, dita o ritmo da história, que trata em sua essência do preconceito e da intolerância.

A primeira noite do festival chegou ao fim com o longa-metragem Real, O Plano Por Trás da História. Antes da exibição, o produtor Ricardo Fadel Rihan falou sobre o projeto. Defendeu a necessidade de uma cultura plural, em resposta à crítica de que o longa teria um viés de direita: “Precisamos de narrativas diversas, diferentes.” O discurso do produtor foi recebido com um misto de vaias e aplausos. No início do filme, muitos deixaram o cinema.

Confira a programação completa do Cine PE.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »