Mulheres conectadas formam uma rede poderosa
Beatriz Braga

Mulheres conectadas formam uma rede poderosa

Publicado em 07/11/2017 por Revista algomais às 15:09

Algumas espécies de árvores possuem sistemas de raízes interligadas. O que quer dizer que sozinhos, os troncos provavelmente sucumbiriam ao vento. No momento em que as raízes se conectam umas às outras, abaixo da terra, formam uma cadeia estável e forte. Na série de sucesso Stranger Things (Netflix), a protagonista é uma garota com poderes especiais que faz parte de um grupo de meninos. A segunda temporada recém-lançada traz uma outra menina ao grupinho e a garota principal enxerga a novata como uma rival. A primeira maltrata a “adversária” apenas por ser uma garota.

Eleven é uma criança poderosa, “bad-ass”, mas, quando se trata da sua relação com o sexo oposto, a série a reduziu ao clichê de mulheres sendo cruéis com mulheres. Alguém avisa, por favor, aos diretores e roteiristas que o mundo cansou dessa visão “Meninas Malvadas” que foi criada sobre nós.

A nova onda de feminismo veio para lembrar que mulheres conectadas formam uma rede poderosa, tal como as árvores, que nos fortalecerá diante do status quo. É isso que acontece, agora, em Hollywood. Séries, produtores e atores caindo porque o silêncio está sendo rompido.

Uma rede de histórias sobre assédios, na maior de parte de mulheres como vítimas, está ameaçando o conforto do homem poderoso que tudo pode no mundo que lhe pertence.

Eu lembro da primeira vez que entendi o que era poder. Aos doze anos, fui ao veterinário pegar meu cachorro. Me sentei para esperá-lo sair do banho e lia uma revista sobre cães e gatos, quando o segurança do local se aproximou e apalpou minha coxa. Tentou subir com a mão, mas me levantei e, morta de medo, saí correndo dali.

Não é necessário ser um ator ou produtor de sucesso para ser poderoso. Basta ser homem em um mundo no qual a virtude feminina é o silêncio e o recato. E que os rapazes, desde cedo, aprendem que ter um pênis significa controle e propriedade.

Os homens que nos assediam ao longo da vida têm a certeza da impunidade. Não têm medo, vergonha ou receio, pois estão seguros na lógica da sociedade machista.

O que está acontecendo em Hollywood mostra que o mercado e o mundo estão começando a valorizar um outro tipo de voz.

A sociedade ainda é cruel com a vítima. Ainda a julga, coloca a culpa no seu vestido, no seu comportamento, na sua embriaguez. No entanto, acredito, uma rede de fios invisíveis está conectando, cada vez mais, as verdadeiras donas das histórias.

Aprendi a metáfora das árvores no livro “A mãe de todas as perguntas” de Rebecca Solnit. Ela diz que nossos relatos são como as raízes. Quando conversamos e dividimos nossas vivências, vamos nos entrelaçando tal como os troncos arbóreos interligados debaixo da superfície. Quando falarmos, pedirmos socorro, denunciarmos e compartilharmos, também estaremos redefinindo a nossa sociedade.

É mais fácil liderar um grupo desunido, que se odeia e é cruel com seus membros. Uma manada entrelaçada, barulhenta e unida é, por sua vez, invencível.

 

 

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »