O fim da era dos consoles?
Ivo Dantas

O fim da era dos consoles?

Publicado em 20/04/2017 por Claudia Santos às 10:24
Divulgação

Essa é minha história, mas tenho certeza de que representa muitos gamers. Gostaria de dizer que meu primeiro console de games foi um Atari, mas não peguei o clássico. Por outro lado, vivi a era de ouro dos consoles que moldaram minha geração, como Master System, Super Nintendo e Nintendo 64. Sinto forte o sabor da nostalgia ao me lembrar dos cartuchos dessa geração. Tenho certeza de que quem não pegou essa era sente o mesmo que sinto em relação ao Atari.

Sempre vivi uma relação de amor com os consoles de jogos, mas nem sempre me dei bem. Fui um dos que experimentaram comprar um Dreamcast e ter o gosto amargo de ver seu investimento dar errado com a descontinuidade do sistema. Passei anos apostando em computadores como consequência da decepção até que consegui comprar um PS2. Fã de futebol que sempre fui, jogar Winning Eleven era regra há cerca de uma década.

Passada essa experiência que me colocou de volta na trilha dos consoles, parti para um Xbox 360 em meio às dúvidas sobre seus defeitos técnicos. Hoje, posso dizer que foi minha melhor experiência. Comecei a jogar online e a ter acesso a uma biblioteca de jogos que não decepcionava e conhecer um dos melhores controles já feitos. O preço do PS4 e a relação de amor com o console da Microsoft me levaram a comprar um Xbox One, e convencer vários amigos a fazerem o mesmo. Tive muitas alegrias com essa última escolha, mas venho – assim como grande parte da comunidade – desconfiado dos rumos que o sistema seguiu. Hoje, a quantidade de amigos que trocam o Xbox One pelo PS4 só cresce.

Chegamos então à pergunta que me levou a escrever essa coluna. Ainda existe espaço para consoles no nosso mercado?
Minha primeira resposta seria SIM!!! Afinal, sou apaixonado por eles. Mas a dura verdade é que os consoles estão, cada vez mais, parecidos com PC Gamers. Não é minha intenção entrar em méritos gráficos no momento. (Sim, PC sempre será mais potente), mas essa geração serviu para acabar com dois dos grandes méritos dos consoles.

Com a convergência de conteúdos, um console faz muitas coisas – Não somente rodar jogos. Não à toa, a Microsoft coloca elementos do Windows 10 no Xbox One. A Sony inaugurou uma nova tendência que promete distanciar os consoles ainda mais de seu histórico. Hoje, existem versões do PS4 e PS4 Pro. A diferença? As configurações. Na teoria, rodam os mesmos jogos, mas com frame rates e resoluções diferentes. A Microsoft já anunciou que lançará neste ano o Project Scorpio, com a mesma proposta.

Ou seja, escolher um console está virando o mesmo de escolher um PC Gamer, com configurações distintas, dependendo de quanto você pode pagar. Não bastasse isso, com a velocidade de atualização desses aparelhos, podemos acabar caindo no mesmo problema do PC e ter que trocar constantemente de equipamento para rodar todos os lançamentos.
Ainda não estou pronto para bater o martelo e dizer que a era dos consoles acabou, mas é bom nos prepararmos para isso. Não parece estar muito distante, ainda mais com a evolução das placas gráficas para notebooks.

O que resta para nós – amantes de consoles – é aproveitar ao máximo os aparelhos que possuímos e torcer para que não entremos em uma corrida por upgrades a cada três anos. Hoje, o risco dos consoles virarem novas lembranças nostálgicas me parece bem real.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »