“Queremos dobrar o comércio entre os EUA e o Brasil nos próximos 5 anos”
Iperid

“Queremos dobrar o comércio entre os EUA e o Brasil nos próximos 5 anos”

Publicado em 18/12/2020 por Revista algomais às 5:23
Jessica Simon fala sobre as suas perspectivas de trabalho como cônsul geral dos Estados Unidos no Recife.

A nova cônsul geral dos Estados Unidos no Recife, Jessica Simon, conta na coluna do Iperid quais os seus planos para o trabalho na região e aponta algumas perspectivas de parcerias entre o seu País e a região Nordeste. Nascida em Oregon, ela é formada no bacharelado em Psicologia e possui mestrado em Relações Internacionais. Na carreira diplomática já atuou no Consulado Geral dos EUA no Rio de Janeiro, trabalhou em Washington como Diretora Assistente de Comunicação no Escritório do Representante Especial para o Afeganistão e Paquistão. Ela também trabalhou nas Embaixadas dos Estados Unidos em Tel Aviv, em Israel, e Cabul, no Afeganistão.

Quais as suas perspectivas para a condução do Consulado Geral dos Estados Unidos no Recife? Há alguma área que pretende priorizar, como a diplomacia econômica ou cultural?

O Consulado Geral dos Estados Unidos no Recife foi fundado há mais de 200 anos. É o primeiro consulado americano no Brasil e um exemplo do duradouro e forte relacionamento entre Brasil e os Estados Unidos. Por isso é tão especial estar no Nordeste como cônsul-geral e ter a oportunidade de trabalhar junto com instituições locais para avançar interesses mútuos que beneficiem brasileiros e americanos. Uma dessas áreas é a diplomacia econômica, pois queremos intensificar nosso comércio bilateral para criar oportunidade de bons negócios para todos, além de gerar mais empregos aqui na região.

Dentre outras prioridades, quero destacar também nosso apoio para projetos, feito através de edital, em setores diversos, como empreendedorismo e STEAM (sigla em inglês para Ciências, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática), do incentivo do ensino de inglês e capacitação de professores, concretizado a partir de parcerias com governos estaduais e com especialistas americanos e do centro binacional no Recife, a ABA.  Como pode-se notar com esse exemplo, não podemos alcançar resultados sem grandes parcerias, e tenho ficado realmente impressionada com o comprometimento e liderança de nossos parceiros locais.

Nos próximos anos, vou trabalhar para estreitar parcerias já existentes, descobrir potencialidades emergentes na região e ampliar o diálogo com todos os membros do Consorcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste.

Você já conhecia a região? Quais os principais temas que pretende atuar entre as questões de cooperação internacional aqui em Pernambuco?

Esta é a segunda vez que moro e trabalho no Brasil como diplomata americana. Já atuei no Consulado Geral dos EUA no Rio de Janeiro e meu marido e filhos são brasileiros. Já conhecia algumas praias do Nordeste como turista – e já achava a região linda!  E agora estou tendo uma nova perspectiva sobre os oito estados que fazem parte de nosso distrito consular: Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas, Sergipe, Piauí e Maranhão. Em todos esses estados vamos buscar cooperações nas áreas de energia renovável, tecnologia (proteção das redes do 5G, por exemplo), portos e infraestrutura (principalmente água e saneamento).

Quero continuar a aprender mais sobre os interesses que os Estados Unidos e o Nordeste têm em comum para poder trabalhar ainda mais juntos.  Desde minha chegada, viajei para João Pessoa, na Paraíba, e para Natal, no Rio Grande do Norte – em companhia do embaixador Todd Chapman, que também participou de reuniões no Recife.  Já fiz encontros online com governadores e representantes de instituições da região. E participei de eventos virtuais, como o CEO Forum, promovido pela Amcham-Recife; o Diálogos de Comércio Exterior, da Apex; e o 12 Fórum Nacional Eólico, a convite do Centro de Estratégias de Recursos Naturais e Energia (Cerne). Em todos esses eventos tratamos sobre questões de relevância para a cooperação entre nossos países.

Estamos também trabalhando em parceria com os estados de Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste. Um exemplo de nossas cooperações são as bolsas de estudos para curso de Inglês que recentemente oferecemos para governadores de cada estado: cada um poderá nomear um grupo de funcionários afro-brasileiros ou indígenas do governo para apoiar a profissionalização de suas habilidades em inglês.

E espero que em breve possamos a promover mais um U.S. Business Forum, evento quadrimestral organizado pelo escritório Comercial (FCS, Foreign Commercial Service) e que reúne mais de 40 empresas norte-americanas que operam na região, o que possibilita o constante debate sobre os principais desafios e oportunidades no Nordeste.

Brasil e Estados Unidos estreitaram as relações nos últimos anos. Em 2020, vivemos um período difícil de travessia da pandemia. Como você observa a relação entre Brasil e Estados Unidos nesse novo contexto de muitas dificuldades sanitárias e econômicas?

Cheguei em um momento de desafios para todo o mundo, em que precisamos nos unir para combater a pandemia da Covid-19. Combater a Covid é um desafio compartilhado, e os EUA tem apoiado o Brasil desde o início da pandemia.

Entre essas iniciativas de apoio, está a doação feita à Pernambuco. Contamos com a parceria do SAMU e do Centro Comunitário da Paz (Compaz) para que profissionais da saúde recebessem equipamentos de proteção individual (25 mil máscaras, 14 mil luvas e 12 mil aventais); e para apoiar famílias afetadas economicamente pela pandemia. Foram distribuídas 2.310 cestas de alimentos e 5.700 kits de higiene em 32 comunidades de 15 bairros do Recife. As duas doações somam um total de 98.500 dólares (aproximadamente 550 mil reais). E outras ações semelhantes foram feitas em todo o país.

Mesmo que este ano tenha sido desafiador, nós ainda identificamos nossos objetivos na área comercial: queremos dobrar o comércio entre os EUA e o Brasil nos próximos cinco anos. Os desafios atuais não mudam o fato de que os Estados Unidos e Brasil têm muitas oportunidades ainda inexploradas para aumentar o comércio bilateral, e de que os EUA são o principal destino das exportações brasileiras de bens manufaturados de valor agregado. Estamos aqui para dar continuidade dessa relação e criar novas oportunidades.

 

Com a vitória de Joe Biden na presidência dos EUA, o que deve mudar na condução da historicamente diplomacia internacional americana? Algo muda em relação ao Brasil?

Os Estados Unidos e o Brasil compartilham uma parceria vibrante que se estende por dois séculos de interesses mútuos e valores compartilhados. Este relacionamento continuará sólido e forte.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »