O que esperar da Transnordestina em 2020?
Rafael Dantas

O que esperar da Transnordestina em 2020?

Publicado em 13/01/2020 por Revista algomais às 5:30

A conclusão das obras da Transnordestina era prevista inicialmente para 2010. Ao completar 10 anos do prazo, a circulação dos trens ainda está longe de ser uma realidade. Havia ainda um fantasma para a economia pernambucana de que a ferrovia iria apenas para o trecho do Ceará. As previsões para destravar o andamento da construção, no entanto, tem boas perspectivas em 2020 na avaliação do Secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Bruno Schwambach.

“A Transnordestina é um dos nossos focos. Diria que a gente empatou o jogo novamente. É um projeto que a concessionária tem a obrigação de fazer os ramais para Pecém e para Suape. Ela não cumpriu os prazos que tinha prometido e fez uma proposta para fazer primeiro a perna de Pecém, para só depois de 5 anos fazer o trecho até Suape. Mas o ministério de Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas não aceitou”, afirmou Bruno Schwambach.

Para os próximos meses, o secretário afirma que há três prováveis caminhos. “Primeiro, pode ser que o TCU solicite uma nova licitação. Há uma outra possibilidade da concessionária conseguir a aprovação de um novo cronograma junto ao TCU e ao Ministério. E tem ainda uma alternativa no meio do caminho que pode ser interessante, da empresa atual fazer um trecho e outro empreendedor cumprir o outro. É um assunto de muita complexidade que poderia ser resumida dessa forma. É um jogo com três opções, em que estamos empatados novamente”.

Questionado se essa possibilidade de dividir os trechos com diferentes empresas era real, Schwambach afirmou que existem inclusive players interessados. “O melhor cenário é que haja uma solução negociada, pois se for uma briga irá judicializar, o que não é interessante. Pela primeira vez o Governo Federal está tomando uma posição muito dura e correta contra a concessionária. Isso está assustando. O ministro está muito empenhado em dar uma solução e esse é um dos motivos que nos faz acreditar no avanço da Transnordestina. Esperamos que dessa confusão saia uma alternativa negociada que seja boa. E eu diria que nenhuma dessas soluções assusta”, avaliou.

Gráfico publicado pela Câmara Federal no final de 2018

.
O secretário relatou que o dever de casa do Estado tem sido feito. Ele informou que 48% do traçado de Pernambucano foi realizado, enquanto apenas 18% no Ceará. “Para terminar o nosso trecho também é muito mais barato do que terminar o trecho de Pecém. E estou muito animado que em qualquer das soluções estaremos participando para resolver”. Em 2019, a concessionária anunciou o aporte de R$ 257 milhões para retomada das obras. O investimento é bem inferior ao necessário para conclusão, na ordem de R$ 6,3 bilhões. As últimas previsões sobre a conclusão da ferrovia foram para o ano de 2027.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »