Será que dá pra aprender a gostar de cerveja? Por Rivaldo Neto
Rivaldo Neto

Será que dá pra aprender a gostar de cerveja? Por Rivaldo Neto

Publicado em 10/11/2017 por Claudia Santos às 18:07

Em um passado não muito distante, quando os bares e restaurantes tinham uma escassa variedade de cervejas, muitas pessoas começavam a se aventurar nas bebidas alcoólicas, e assim, podemos dizer, definir seu paladar pessoal.

Em sua maioria esmagadora, as cervejas eram compostas de cervejas Pilsens. Até com uma certa lógica, isso porque nosso clima tropical, e principalmente estando no Nordeste, a tendência natural era que partíssemos para algo mais leve e refrescante.

 

 

Com isso, grande parte das cervejas comercializadas nesse tempo eram claras e leves. O que acontecia era que, de certa forma, quando algumas pessoas experimentavam bebida e não gostavam, fechavam questão e diziam: Não gosto de cerveja!

Mas será que realmente devemos “bater o pé” e fechar questão em cima disso? A resposta é: Jamais! Mas por que esse questionamento agora?

Hoje com as cervejas caseiras, artesanais e a entrada de diversos rótulos importados, a bebida abriu um imenso leque de variedades em sua composição. Hoje, as cervejas variam demais de sabores! Os insumos são os mais diversos. Podemos ter uma cerveja com aroma de Churrasco, ou casca de laranja ou até bacon. Cervejas de trigo, Stouts com rapadura, e fruitsbiers com graviola e outras mais. São mais de 140 estilos. E vez por outra surgem outros.

 

E como gosto não se discute, nisso a velha frase se encaixa perfeitamente, já vi pessoas que não gostavam da Pilsen, abrirem uma IPA (que é um estilo muito mais robusto e intenso, com um alto índice de amargor) e simplesmente adorar. Pessoas que gostam de café começam a curtir cervejas Stouts. Nada mais lógico, até porque são escuras, aromáticas com um retrogosto intenso de café e grãos torrados.

Então dê uma chance a seu paladar, libere sua imaginação e mergulhe nos novos sabores deste mundo criativo que a cerveja proporciona.

 

Mundo Cevejeiro

O “mercado da cerveja artesanal de Pernambuco” foi o tema da reunião da Rede Gestão, realizada no dia 9 passado na TGI. O encontro contou com a presença Thomé Calmon, da Debron, Felipe Magalhães, da Babylon e presidente da Apecerva e Dante Peló Júnior, da Capunga.

 

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »