Tereza: Rainha de Cabinda, escrava em Pernambuco
Leonardo Dantas Silva

Tereza: Rainha de Cabinda, escrava em Pernambuco

Publicado em 04/09/2019 por Revista algomais às 5:00

No município de Ipojuca, na Mata Sul de Pernambuco, viveu uma escrava, de nome Tereza, que antes do seu cativeiro fora “Rainha de Cabinda”, como atestavam os anéis de cobre dourados que trazia nos braços e nas pernas.

A colonização de Ipojuca tem início em cerca de 1560, com a implantação da agroindústria do açúcar nas terras férteis do massapê do seu território.

Para mão de obra necessária ao plantio e produção foram, de início, escravizados os índios caetés, logo depois substituídos por africanos trazidos da Costa da África.

Por ocasião da invasão holandesa, em 1630, existiam em Ipojuca 67 engenhos, 20 dos quais de fogo morto; destes, cinco foram confiscados pela Companhia das Índias Ocidentais.

Dentre os engenhos em atividade, “o Sibiró de Baixo ficava localizado na margem direita do Rio Sibiró, a uma boa milha ao sudoeste do engenho Sibiró de Cima (de Riba) ou Sibiró do Bom Jesus (Sirinhaém), pertencente a Manoel de Navalhas”.
Suas terras tinham duas milhas de extensão, com uma várzea razoável, mas a maior parte consistia de pastos. Sua moenda era movida à água, podendo produzir, anualmente, 3.000 a 4.000 arrobas de açúcar e pagava de imposto 80 arrobas de açúcar branco, encaixado, levado para o passo do engenho”. (Relatório de Schott, 1636).

Fato curioso é que em dezembro de 1816 o viajante francês Louis-François de Tollenare conheceu nesse engenho uma rainha africana chamada Tereza, na condição de escrava do engenho Sibiró, segundo registra no seu livro: Notas Dominicais (Recife, 1978).

Trava-se de uma bela mulher, de 27 a 28 anos, muito alegre e faladeira. Tereza fora rainha em Cabinda, na região de Loango, também situada na África Centro-Ocidental. Flagrada em adultério, acabou sendo considerada à escravidão em sua terra.
Escreveu Tollenare: “Quando chegou ao Brasil trazia nos braços e nas pernas anelões de cobre dourados; as suas companheiras testemunhavam-se muito respeito. Era imperiosa e recusava-se a trabalhar”

“Nós europeus, supomos logo que os grandes revezes da fortuna despertam considerações; mas, Tereza foi violentamente fustigada; submeteu-se a sua sorte e, de má rainha que fora, tornou-se uma excelente escrava. Há dois anos, uma das negras que trabalham na moenda adoeceu; Tereza foi designada para substituí-la; pouca afeita àquele trabalho, teve a infelicidade de deixar que uma das mãos fosse presa nos cilindros, quis desvencilhar-se com outra mão, que também foi agarrada; ambas ficaram esmagadas, sendo necessário a amputação dos dois braços. Vi a pobre Tereza neste lamentável estado”.

E o viajante Louis-François de Tollenare termina por se compadecer do destino de Tereza, esta rainha africana transformada em escrava em terras da Zona da Mata de Pernambuco, registrando esse pungente depoimento:

Os ternos sentimentos que a precipitaram do fastígio das grandezas, não na abandonaram no seu humilde cativeiro. Tereza coroada pelo amor, invoca aqui este Deus para sua consolação; há três meses deu à luz um filho, cujo pai ignora quem seja. Prendi ao colar de sua majestade uma agulheta de ouro que nos fez bons amigos, ou, para me expressar mais respeitosamente, colocou-me tão na sua mercê, que só dependeu de mim fazer ao Rei de Cabinda o ultraje do qual Jocondo se consolou”.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »