Crítica literária: Rabo de Burro

Crítica literária: Rabo de Burro

Publicado em 02/09/2020 por Revista algomais às 4:00
O cotidiano sob olhar de Heitor de Brio

*Paulo Caldas

“Rabo de Burro”, livro de Heitor Bezerra de Brito é todo concebido nos conformes. Bem postado, obediente à assimetria, coisa de engenheiro, mostra habilidade no manejo das técnicas literárias e em vários momentos faz o uso discreto de passagens de tempo, elipse narrativas e mudança de narrador, com fidelidade ao aspecto temporal.
Com a visão arguta dos detalhistas, o autor dirige o foco de suas lentes para o lado humano, traduzido nos dramas cotidianos estratificados entre as classes sociais em permanente contraste. Assim, da observância desse fenômeno, lançou esta coleção de contos (edição do autor, capa e projeto gráfico de Zózimo Neto, revisão textual de Conceição Rodrigues e impressão da Cepe Edtora).

Ha incursões reminiscentes que ocupam o vivenciar dos protagonistas. Os personagens são tirados das ruas, com traços físicos e ranços psicológicos bem definidos, que contracenam no palco da memória telúrica de Heitor, exalando o aroma trazido nos ventos do Cariri.

Munido de lápis preto e papel branco, em “Memórias de uma partida”, espécie de bônus, um capítulo com nome de posfácio, ele desenha a imagem de uma geração circunscrita ao amanhã paroquiano, algemada entre a utopia da aventura e a pasmaceira da permanência, tela rabiscada em tom cinza nostálgico.

*Paulo Caldas é escritor

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »