Em parceria da Fundaj e APL, José Mário recorda Joaquim Cardozo de A a Z

Em parceria da Fundaj e APL, José Mário recorda Joaquim Cardozo de A a Z

Publicado em 07/10/2020 por Revista algomais às 6:01
Terceira palestra do Celebrações da Memória homenageia o engenheiro-poeta em live nesta quarta (7), às 17h

No ano em que nascia o jornalista José Mário Rodrigues, o engenheiro e poeta Joaquim Cardozo (1897—1978) lançava, por iniciativa de João Cabral de Melo Neto, seu primeiro livro: ‘Poemas’ (1947). Título que o sertanejo de Flores, no Pajeú, teve a honra de receber dedicado, direto das mãos de Cardozo, anos depois. Agora é o jornalista quem lhe devolve a dedicatória em mais uma edição do Celebrações da Memória, nesta quarta-feira (7), às 17h, via YouTube. A parceria entre a Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) e a Academia Pernambucana de Letras (APL) revisita a história de personalidades de Pernambuco.

Detentor da cadeira nº 30, da APL, José Mário dividirá a apresentação em dois momentos, alternando entre aspectos biográficos do autor de O Coronel de Macambira (1963) e a sua poesia contada e cantada. “Musiquei dois poemas dele, mas só quem assistir verá”, adianta, ao falar da apresentação especial de Cantadeiras e Poema do Amor Sem Exagero. Autor do livro de poemas O voo da eterna brevidade (2014), ele promete revelar pequenos causos que acompanhou sobre o homenageado, como a resposta a uma pergunta extra-oficial que lhe fez durante entrevista.

Natural do Recife, Joaquim Cardozo se tornou um dos maiores nomes no Século XX por transitar entre a poesia, a dramaturgia e o universo rígido das ciências exatas. Ainda assim, soube com naturalidade estabelecer uma relação entre ambos espaços. Ocupou a cadeira nº 39 da APL, foi professor universitário, desenhista, ilustrador, caricaturista, crítico de arte e editor de revistas de arte e arquitetura. Além da poesia, atuou como tradutor, escreveu contos e peças teatrais, como De uma noite de festa (1971), Os anjos e os demônios de Deus (1973), O capataz de Salema (1975), Antônio Conselheiro (1975) e Marechal, boi de carro (1975).

“Ele poderia ser dito como um gênio, pois além de ser um grande poeta era o engenheiro calculistas preferido de Oscar Niemeyer”, aponta o jornalista. De fato, o arquiteto modernista tinha grande apreço por Cardozo e concordava que ele era “o brasileiro mais culto que existia”. Assim, o poeta pernambucano foi também o engenheiro responsável pela cálculos de inúmeros projetos de Niemeyer, dentre eles os palácios do Planalto, Alvorada e Itamaraty. “Há quem afirme que a maioria dos projetos bem sucedidos só foram possíveis graças à sua genialidade. Também por dera, o homem falava 15 línguas. Inclusive, chinês.”

Rodrigues recorda que foi apresentado ao engenheiro, na década de 1970, pelo amigo jornalista José Condé. Na época, coordenava um dos suplementos literários dos jornais do Estado e acabou tendo a sorte de entrevistar o poeta em três ocasiões. Os textos podem ser encontrados na edição especial de Joaquim Cardozo – Poesia Completa e Prosa (Nova Aguilar e Massangana, 2007), volume único lançado em parceria com a Fundaj. “Joaquim era um poeta pós-22, pós-modernismo. Além de um matemático, era um poeta de muita doçura. Sua poesia era marcada pela delicadeza de quem vai de A a Z”, finaliza.

Serviço
Celebrações da Memória
Palestra: Joaquim Cardozo, por José Mário Rodrigues
Data: 7 de outubro
Horário: 17h
Transmissão no YouTube da Fundaj

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »