Juliano Holanda canta a quarentena em disco experimental

Juliano Holanda canta a quarentena em disco experimental

Publicado em 22/02/2021 por Revista algomais às 4:00
Novo disco do cantor e compositor pernambucano foi lançado pela Dubas. Em oito canções autorais, o artista canta sentimentos controversos provocados pelo atual momento histórico

2020. Ano de pandemia, de quarentena, de polarizações extremas, de catástrofes no Brasil e no mundo. Uma nova década começando em meio a obscuridades e incertezas. A sensação de impotência diante de um momento histórico tão adverso e a força da canção se unem no novo trabalho do cantor, compositor e musicista pernambucano Juliano Holanda. Ele acabou de lançar o disco “Por onde as casas andam em silêncio”, obra densa na qual relê o contexto atual sob forte lirismo e experimentalismo.

Em oito canções autorais, o artista narra o revés vivido pelo cidadão brasileiro, o amargor do isolamento social, o inconformismo com as controvérsias políticas, a desilusão das expectativas frustradas. Um repertório que questiona e afaga, pelo qual Holanda canta a aspereza dos dias e, ao mesmo tempo, clama por mais humanidade nas relações sociais. Músicas que lamentam, que ruminam a dor, sem perder o vislumbre da esperança e do afeto como instrumento de sobrevivência.

Com direção musical assinada pelo próprio Juliano e por sua companheira, a produtora Mery Lemos, o disco foi idealizado e produzido durante a quarentena. Seis canções foram compostas durante o isolamento, somando-se a outras duas que já figuravam no repertório do compositor, que já escreveu algo em torno de 600 canções. Nos arranjos, a voz de Holanda dialoga apenas com um instrumento – o contrabaixo -, em alusão ao início de sua trajetória musical nos anos 1990 e 2000, quando começou a tocar com artistas da cena pernambucana.

“Durante 10 anos da minha vida, eu só toquei baixo. No disco inteiro sou apenas eu, na voz e no instrumento”, detalha o artista, que viu no duo uma forma de se experimentar no fazer musical, unindo suas origens a sua costumeira e potente inventividade poética. “É um disco baseado na poesia mesmo. Letras grandes com pouca melodia, algo mais próximo da fala, parecido com a linguagem do contrabaixo mesmo”, explica Juliano.

A canção “Súmula” abre o disco revelando diferenças entre o eu-lírico e o outro; “Haja Terapia” aborda o cotidiano da quarentena em tom confessional e existencialista – “não sei em que altura da estrada a gente perdeu a poesia”, o artista se indaga na canção, para na faixa seguinte constatar – “não há queda maior que Cair Em Si”. E assim segue o repertório. A sonoridade afiada, crua, somada à sutileza e ao acolhimento da poesia, viram tentativa de transformar solidão e decepção em resiliência e renascimento.

Esse é o primeiro lançamento de Juliano Holanda desde o single “Eu, Cata-Vento”, lançado em março de 2020, que abriria caminhos para o disco “Sobre a Futilidade das Coisas”. O momento histórico, no entanto, pausou o trabalho em curso e inspirou o projeto do novo disco, que ganhou incentivo através da Lei Aldir Blanc em Pernambuco. “Este é um trabalho urgente, que pede para ser lançado agora. Nasceu pela pandemia e para a pandemia”, comenta o cantor.

“Por onde as casas andam em silêncio” é uma realização da Anilina Produções e chega a todas as plataformas digitais pelo selo Dubas. Um disco de apelo ao sensível que ainda existe na humanidade, uma provocação para manter-se alerta e são, e um alento poético para atravessar a quarentena.

>> Ouça agora “Por onde as casas andam em silêncio”, de Juliano Holanda:

https://orcd.co/porondeascasas

Disponível em Spotify, Deezer, iTunes, Amazon Music e Tidal

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »