Patativa do Assaré homenageado pela Fundaj

Patativa do Assaré homenageado pela Fundaj

Publicado em 29/07/2020 por Revista algomais às 5:00
Instituição montou programação para celebrar o Dia do Escritor, agraciando a literatura popular. Voltado para adultos e crianças, o evento online será nesta quarta (29), a partir das 16h, via YouTube da Fundaj

“Um autor que não teve domínio ou controle final sobre a sua obra e que dependia de outras pessoas.” A observação feita pelo pesquisador e biógrafo de Patativa do Assaré (1909—2002), Gilmar de Carvalho, se refere ao fato de que, diante das limitações provocadas pela deficiência visual, o poeta cearense precisava de quem transcrevesse seus textos. Figura importante do Nordeste profundo, será Antônio Gonçalves da Silva — como consta em seu registro — o homenageado do Dia do Escritor, da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), que celebra a Literatura Popular. A comemoração será transmitida pela Instituição, nesta quarta-feira (29), às 16h, via YouTube.

Embora a antologia do poeta esteja permeada pelas variações linguísticas, já que mais de um redator levou ao papel as palavras do Patativa. Para a felicidade de todos seus admiradores, garantiu a publicação das obras do homenageado. “Que injusto seria um mundo órfão dos versos de Patativa do Assaré. Esse poeta tido popular, mas que levantou questões tão pertinentes e urgentes ao seu lugar e à sua gente. Tenho orgulho de recordar a contribuição do meu tio, José Arraes de Alencar, que ao ouvi-lo na Rádio Araripe, na cidade do Crato, tomou para si o dever de financiar seu primeiro livro”, refletiu o escritor e presidente da Fundaj, Antônio Campos.

Assim, o homem do circuito oral, que começou a fazer verso aos oito anos de idade, estreou no mercado editorial com Inspiração Nordestina (1956). A perda parcial da visão aos quatro anos, sequela do sarampo, não o impediu de frequentar a escola por seis meses. “Nasci com o privilégio de entender tudo que um escritor escrevesse ali. Contando a história, por mais intrincada que fosse, caia logo na minha mente e sabia o que ele tava dizendo. Era lendo, a curiosidade de saber o que era a minha terra, a minha gente, que pude obter um vocabulário com o qual posso dizer o que quero”, conta o poeta, no documentário Patativa do Assaré: ave poesia (Rosemberg Cariry, 2007).

“O Patativa pagou ao José Arraes de Alencar com a saída dos livros, que venderam muito bem. Naquele ano, ele já era muito conhecido e fez um trabalho nesse sentido. Declamava, vendia, levava para espaços públicos, para a feira do Crato, aos programas de rádio que participava. Tinha muita noção de difundir a sua obra e fez com que ela circulasse”, aponta Gilmar de Carvalho, autor da biografia Patativa do Assaré (Democrito Rocha, 2000), admirador confesso, que integra a programação às 17h. “O que escreveu [Patativa] mantém um frescor, que não é próprio do modismo, da poesia feita de qualquer maneira. Ele sabia o que estava fazendo.”

Gilmar acompanhou Patativa do Assaré de 1996 até 2002, quando o poeta faleceu. Em março, lançou o paradidático O melhor de Patativa do Assaré, em parceria com o estado do Ceará. “Fiz o livro em voluntariado. Quero que Patativa seja lido por alunos de escolas públicas. Ainda tenho o projeto de fazer um almanaque, com o Patativa para jovens, descontraído, mais engraçado e acessível. Quanto mais leio, mais tenho vontade de ler. [Ele] provoca um encantamento, uma tomada de consciência. É uma poesia extremamente enraizada nos problemas sociais, nas desigualdades e complicações da vida do homem do campo, na reforma agrária”, conclui.

Além de Gilmar de Carvalho, participa do bate-papo o diretor presidente da Universidade Patativa do Assaré, Francisco Palácio. “No envolvimento com os educadores, tive contato com o poeta Patativa. Foi quando pude perceber a importância de sua existência. De baixa estatura, ele representava muito não só para o Assaré, como um expoente para o estado [do Ceará] e para o Brasil”, comenta, ao recordar a vez em que apresentou o poeta, em 1977.

“Montamos um palco em cima de um caminhão, onde ele recitou alguns poemas de sua autoria e foi aplaudido pelos conterrâneos presentes. Foi quando passaram a sentir de perto quem era Patativa.” Palácio relembra o convívio com o poeta e comenta a presença dos versos do homenageado em provas de concursos do País. O evento contará com a apresentação e mediação da jornalista Andrea Trigueiro, que conheceu o cearense na cidade de Exu, no Sertão de Pernambuco.

Patativa para o pequenos
A Literatura Popular, do Nordeste do Brasil, nasce oral, mas se consolida desde o Século 16, através dos livretos expostos em varais de corda para a venda. Assim, surge a expressão “cordel”. Mais familiar aos que nasceram até meados do Século 20, o meio outrora popular pode encontrar resistência entre os mais novos, adeptos ainda pequenos aos meios eletrônicos. Por isso, a Fundação Joaquim Nabuco preparou um momento para difundir não só os clássicos cordelistas, como o poeta Patativa do Assaré, como ensinar a meninada a desenvolver seu próprio livreto. Abrindo o evento, às 16h, a cordelista Susana Morais assume a empreitada.

“A escrita traz a inclusão social e o desenvolvimento emocional para a criança. Através da contação de história, reúne a essência de cordel, que é ser uma literatura oral e escrita. É interessante ver fluir através da rima o sentimento e criatividade infantil. Incluir o cordel traz uma facilidade na comunicação, permite à criança criar com espírito de brincadeira”, observa Susana, que também é contadora de histórias. Autora de aproximados 80 títulos, dentre eles A passagem secreta (2016), ela destaca o fator educativo da atividade, que exige domínio de técnicas como a métrica. “A literatura de cordel está além do artesanato e folclore, é a cultura nordestina propriamente dita”, defende.

Ao longo da oficina, a cordelista visitará a obra do homenageado Patativa do Assaré. A trilha sonora fica por conta do cantor e compositor recifense Publius, cujo trabalho é atravessado pela cultura popular e grandes nomes de Pernambuco e da Paraíba. “Minha relação com a cantoria de viola é praticamente uterina. Minha avó é natural da terra de Pinto do Monteiro, o rei dos repentistas. Também foi um acaso bom da vida conhecer Tonino de Arcoverde, que me levava sempre ao Sertão, onde conheci o Coco Raízes de Arcoverde. A cantoria sempre esteve presente na minha vida e Patativa do Assaré é um dos grandes poetas populares”, relembra.

A participação do artista interage com os textos de Patativa de forma intercalada. Publius falou da expectativa em participar da programação que reconhece o valor da cultura nordeste e revelou que haverão surpresas ao longo da programação. “Posso tocar um ponteio de viola, um baião, alguma canção minha ou do cancioneiro nordestino que dialogue com a temática do poema recitado. Vai ser algo inusitado e promete muito. Assim como a linguagem do repente tem o desafio, também será um bom desafio essa história”, concluiu. Integram a programação, ainda, os poetas Altair Leal e Felipe Júnior.

Programação completa

16h às 16h10 — Abertura
Mediação: Andrea Trigueiro

16h10 às 17h10 — Oficina de Cordel para Crianças
Susana Morais, cordeslista e contadora de histórias
Publius, cantor e compositor recifense

17h10 às 18h20 — Bate papo sobre Patativa do Assaré

A importância e Patativa do Assaré para a Literatura Brasileira
Prof. Dr. Gilmar de Carvalho (UFC)
Publicitário, escritor e autor da obra Patativa do Assaré: uma biografia (2000)

Histórias de Patativa entre os educadores e o seu acervo literário
Prof. Francisco Palácio
Diretor da Universidade Patativa do Assaré

18h20 às 19h50 — Conversa sobre a Literatura Popular

Felipe Júnior
Poeta, professor e presidente da Associação Pelo Cordel em Pernambuco (Acordel)

Altair Leal
Editor, cordelista, poeta e declamador

19h50 — Encerramento

Serviço
Dia do Escritor Fundaj — Literatura Popular
Homenagem a Patativa do Assaré
Data: quarta-feira, 29 de julho
Horário: 16h às 20h
Transmissão via Youtube

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »