“Viva Caymmi” celebra os 105 anos do compositor no Teatro RioMar

“Viva Caymmi” celebra os 105 anos do compositor no Teatro RioMar

Publicado em 12/09/2019 por Revista algomais às 7:47
Danilo Caymmi e Orquestra Bravo apresentam, em espetáculo dramático-musical, músicas e histórias do mestre Dorival, dia 28 de setembro

Em 2018, nos dez anos sem Dorival Caymmi, seu filho caçula, Danilo, o diretor musical Flávio Mendes e o ator Nilson Raman resolveram homenageá-lo. O espetáculo dramático-musical “Viva Caymmi” celebrou a vida e a música de um dos mais importantes cantores e compositores da história da MPB – a estreia foi no Festival de Inverno de Garanhuns. Após rodar várias capitais, inclusive o Recife, o show volta a Pernambuco, porém numa versão especial e inédita. Em homenagem aos 105 anos de nascimento do baiano, o espetáculo chega ao Teatro RioMar Recife, dia 28 de setembro, com Danilo acompanhado pela Bravo Cordas, sexteto formado por quatro violinos e dois violoncelos, da Produtora Bravo.

“Viva Caymmi” costura as belas e inesquecíveis canções de Dorival com histórias da sua vida e carreira. Mais que levar as músicas, é levada à cena a personalidade única desse brasileiro, ícone da cultura do País. “Um gênio da raça”, como dizia Tom Jobim. Os ingressos, a partir de R$ 40, já estão à venda (serviço abaixo).

“As pessoas conhecem as músicas de Caymmi, pois são muitos sucessos, influenciando e sendo referência para várias gerações de artistas. Mas conhecem pouco as suas histórias, como as coisas aconteceram. Como foi começar em Salvador, chegar ao Rio de Janeiro, as amizades e parcerias que criou durante sua vida. O marido, o pai, o amigo, o músico, o artista multifacetado, sua forma única de olhar a vida e as pessoas, sua permanente fonte de inspiração”, afirma Danilo, que toca violão e flauta durante o show.

O espetáculo transcende as barreiras de um show e usa as ferramentas do teatro na sua narrativa, e traz informações sobre o Brasil, a Bahia e música. Muita música. Segue a mesma linha de “contador de histórias”, de “storytelling”, especialidade do ator Nilson Raman, que nos últimos 20 anos, foi idealizador e mestre de cerimônias dos espetáculos de Bibi Ferreira, já tendo contado as histórias de Piaf, Amália, Gardel e Sinatra ao lado da grande diva. A pesquisa de texto e a direção musical são do músico Flávio Mendes, parceiro de muitos anos tanto de Danilo como de Nilson. Com Danilo, são mais de 11 anos como arranjador e músico; com Raman, foi o maestro e diretor musical, nos últimos 14 anos, dos espetáculos de Bibi Ferreira.

O repertório do show, com 24 canções em 19 números, passeia pelas inesquecíveis “Maracangalha”, “O Mar”, “Oração da Mãe Menininha”, “Saudade da Bahia”, “Prece ao Vento”, “O que é que a Baiana Tem”.

O HOMENAGEADO – “Falar de Dorival Caymmi é sempre um enorme desafio. Este baiano de tempero apaixonado, voz grave, gestos acolhedores e olhos dançarinos, cantor, compositor, poeta, pintor, entre outras tantas atividades, legou ao Brasil e aos admiradores da nossa musicalidade um rico e inesgotável tesouro. Abrir as caixas, arcas, malas, pastas, cadernos, diários, discos, livros, filmes que guardam a riqueza da sua criação artística é um compromisso e uma tarefa que gerações de brasileiros se propõem a fazer. Somos cantores, cantoras, maestros, instrumentistas, produtores, escritores, cineastas, pesquisadores que, antes de preservar a criação de Caymmi, lançam-na para a experiência de partilha da sensibilidade no presente. Se buscarmos nos arquivos institucionais e nos acervos afetivos que a memória individual e coleva guarda, descobriremos que o seu cancioneiro não é dos mais extensos, cerca de 120 músicas, compostas ao longo de 70 anos de carreira. A importância da sua obra não está, definitivamente, na quantidade de canções, e sim na qualidade, originalidade e importância que elas adquiriram para distintas gerações de ouvintes e admiradores, e para artistas que tem em Caymmi uma referência fundamental.” – Julio Diniz, professor da PUC-RJ.

DANILO – Danilo é reconhecido pela crítica especializada como um dos grandes representantes da música popular brasileira da atualidade. Começou a estudar flauta aos 15 anos, época em que também aprendeu a tocar violão com o irmão Dori. Cantor, compositor, flautista e arranjador, integrou a Banda de Tom Jobim em turnês nacionais e internacionais, participando da maioria dos arranjos. Compôs trilhas sonoras para novelas e seriados da televisão brasileira e participou de inúmeras gravações com grandes nomes da música. Barítono de uma família de vozes marcantes capaz de igualar-se ao baixo do pai Dorival Caymmi quando emposta a voz ou ao registro da mãe Stella Maris quando aveludada, Danilo é hoje um dos mais requisitados cantores da MPB. Desde 1968, vem imprimindo seu nome na história, inicialmente como compositor e flautista, numa coleção de clássicos que traz “Andana” e “Casaco Marrom”.

Trabalhando com Tom Jobim, começou a cantar as músicas, “A Felicidade” e “Samba do Avião”, recebendo críticas positivas no mundo inteiro, o que o estimulou ao trabalho solo. Paralelamente, começou a compor músicas para a televisão, como: “O Que É o Amor”, grande sucesso interpretado por Selma Reis na minissérie “Riacho Doce”, da TV Globo. Gravou o disco “Nada a Perder”, sucesso da novela “Pátria Minha”. Gravou ainda os discos “Sol Moreno”, “Mistura Brasileira”, “Eu Você Nós Dois”, “Trilhas”, “Don Don” e o recente “Danilo Caymmi canta Tom Jobim”. Danilo tem conquistado plateias também no exterior, tendo realizado espetáculos na Finlândia, Suécia, Rússia, Alemanha, Portugal, Argentina e Estados Unidos. Foi vencedor do Grammy Latino em 2014 com o CD “Para Caymmi de Nana, Dori e Danilo”.

NILSON RAMAN – Ator, agente, produtor e, especialmente, tour manager, dono da Raman Entretenimentos. Um homem dos palcos e dos bastidores. Com quase 40 anos de carreira, são muitas as produções de teatro, música e balé de que esteve à frente. Participou de espetáculos com Paulo Autran, Marilia Pêra, Ana Botafogo e Nathalia Timberg. Na música, esteve em projetos com Maria Bethânia, foi empresário da cantora Simone e é o responsável pela carreira internacional de Paulinho da Viola. Foi sócio da produtora Montenegro e Raman, que atuou durante mais de 26 anos no mercado, sempre entre os maiores escritórios de produção e agenciamento do País. Empresário da atriz Bibi Ferreira por quase três décadas, sempre foi seu mestre de cerimônias, estando ao lado da artista nos palcos nos últimos 20 anos. É dele a idealização e criação dos espetáculos da atriz nesse período, muitos em parceria com o maestro Flávio Mendes, assim como o agenciamento da carreira da grande diva. Nesses anos, promoveu turnês nacionais e apresentações internacionais, como em Paris, Buenos Aires, Nova Iorque e Lisboa. Empresário do cantor Danilo Caymmi e parceiro nas produções da soprano Carmen Monarcha, Raman desenvolve um projeto de intercâmbio entre Brasil e Portugal, além de projetos dedicados à exportação da música brasileira e o fortalecimento do mercado internacional. Está sempre presente nos mais importantes encontros internacionais de produtores e feiras de negócios da música.

FLÁVIO MENDES – Diretor musical, assina arranjos e regências de espetáculos de Bibi Ferreira, Danilo Caymmi, Zezé Mota , Tânia Alves, Marília Pêra, Leny Andrade, entre outros. Como produtor musical e arranjador de CDs, esteve à frente de trabalhos com Danilo Caymmi, Alice Caymmi, Bibi Ferreira, Monique Kessous, Cauby Peixoto, Selma Reis, Lucho Gaca, Tânia Alves. Fez direção musical e trilha de peças como “Frisson”, “A Presença de Guedes”, “Only You”, “Nada Será Como Antes”.

Ficha Técnica:
Idealização e Direção Artística: Nilson Raman

Direção Musical e Arranjos: Flávio Mendes

Roteiro: Danilo Caymmi, Flávio Mendes, Nilson Raman

Elenco: Danilo Caymmi e Orquestra Bravo
Mestre de Cerimônias: Nilson Raman

Realização: Raman Entretenimentos em parceria com Art Rec Produções

SERVIÇO

Viva Caymmi

Dia 28 de setembro (sábado), às 21h

Teatro RioMar: Av. República do Líbano, 251, 4º piso – RioMar Shopping

www.teatroriomarrecife.com.br

Duração: 100 minutos

Recomendação: 14 anos

Ingressos:

Plateia Baixa Central: R$ 120 e R$ 60 (meia)

Plateia Alta e Plateia Baixa Lateral: R$ 100 e R$ 50 (meia)

Balcão: R$ 80 e R$ 40 (meia)

+ Canais de vendas oficiais: bilheteria do Teatro RioMar Recife (terça a sábado, das 12h às 21h, domingos e feriados, das 14h às 20h) e www.uhuu.com.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »