Jovens pernambucanos na Forbes
Rafael Dantas

Jovens pernambucanos na Forbes

Publicado em 17/03/2020 por Revista algomais às 6:30

O que fazer antes dos 30? A história dos pernambucanos Simony, Renan e Philippe sinaliza o perfil de profissional que o Século 21 espera para quem está começando a carreira. Empreendedores por natureza e conectados com as necessidades do mundo, os três conquistaram lugar na disputada lista da Forbes Under 30, em diferentes edições. A publicação destaca jovens com futuro promissor em diversos segmentos. Simony nem concluiu ainda o curso superior e já tem uma ferramenta digital aplicada em todo o transporte público de Fortaleza (CE). Tímido na adolescência, Renan viveu uma transformação de vida e já tem uma trajetória cheia de viradas de sucesso em empresas e startups. Philippe, além da Forbes, foi indicado ainda na seleção dos mais inovadores da América Latina do MIT (Massachusetts Institute of Technology) e comanda um dos centros de inovação mais promissores da capital pernambucana. Longe de já terem chegado no topo, eles veem esses reconhecimentos como incentivo para os próximos passos.

Natural do bairro de Dois Unidos, na periferia da Zona Norte do Recife, Simony César criou uma solução para um problema que ela vivenciou de perto desde cedo: o assédio às mulheres no transporte público. Simony é filha de uma ex-cobradora de ônibus. Na sua família várias pessoas trabalham nos coletivos do Recife. Quando ela mesma trabalhou numa empresa do setor, por um breve tempo, viu como as denúncias abertas pelas passageiras eram ignoradas.
.

Simony desenvolveu uma tecnologia para combater o assédio às mulheres nos ônibus que foi adotada em Fortaleza.

.
Na universidade, a indignação com o silêncio diante da violência contra as mulheres nos ônibus se transformou em pesquisa e em um serviço, que atende pelo nome de Nina. Ela conseguiu uma publicação científica no Congresso Cybercultura, o que validou cientificamente sua ideia inicial. Após os primeiros passos na academia, o projeto foi aprovado em um edital de empreendedorismo social da RedBull. “Eu queria entender como a violência de gênero na mobilidade urbana é um fator impeditivo para acesso e manutenção das mulheres no curso superior. Uma amiga sugeriu criarmos um produto viável. Fizemos um app para que as mulheres denunciassem o assédio no campus. Depois dessa experiência, percebemos que precisávamos criar uma tecnologia que viesse integrada em aplicativos e não desenvolver um app”, explica Simony.

O projeto foi escolhido pela Toyota Mobility Fondation para receber apoio financeiro e institucional. Com a tecnologia desenvolvida, foi a capital cearense o local escolhido para aplicar a solução. E o Nina foi embarcado no aplicativo Meu Ônibus Fortaleza. Ao apertar um botão no app, as passageiras abrem um alerta e a empresa é obrigada a emitir as imagens do horário da ocorrência do assédio para a Polícia Civil em até 72h. Simony lembra que o serviço não é só de tecnologia. “Temos duas frentes, a tecnologia e a consultoria para mobilidade e gênero. Costuramos toda a política pública para depois integrar a solução tecnológica”. Com as notificações, há um mapa de informações que passam a ser acessadas pela Prefeitura de Fortaleza para combater a violência contra as mulheres.

Essa solução, que nasceu na academia e já está em uso na vida real, chamou a atenção da Forbes. E no dia 31 de dezembro a versão digital da lista começou a circular com o nome da pernambucana. “Isso nunca tinha sido um sonho para mim, nem imaginava a repercussão que veio após a divulgação”, surpreende-se Simony. A jovem pretende levar a Nina para outros estados e até países. A startup planeja também criar um selo de cidades seguras para mulheres.

Mas, em dezembro de 2019, ela não foi a única representante do Estado na Forbes Under 30. O empreendedor Renan Hannouche, que aos 29 anos já tem uma série de startups na sua caminhada, também alçou outro patamar profissional após a revista. Até a adolescência, ele era conhecido na escola como um estudante nerd e extremamente tímido, além de vítima de bulliyng. Numa mudança de colégio para poder disputar melhor uma vaga na universidade, ele teve uma virada de comportamento a partir de uma conversa com o pai. “Ele me disse: vamos colocar você num colégio maior, que tende a ser mais importante para você passar no vestibular. Nesse novo colégio ninguém sabe do seu passado, dos seus erros e apelidos. Você tem uma folha em branco para construir o Renan que você quer ser”.
.

Renan Hannouche criou várias startups antes de ser indicado para a Forbes Under 30 e atualmente é um dos coordenadores do Gravidade Zero.

.
Aprovado em engenharia da computação, ele virou a chave para a área de tecnologia e, mais que isso, desenvolveu um talento para a inovação. Da universidade ao reconhecimento da Forbes, ele atuou em vários lugares. Criou um negócio para construção de sites de pequenas empresas que estavam fora do ambiente digital ou com presença online precária. Depois dessa primeira experiência, trabalhou na Embratel e foi cofundador de várias startups: Social Atmosphere, Let’s, Stape Music, Saly e Justin. “Não fui reconhecido pela Forbes por causa de um desses projetos, mas pelo pot-pourri. Acho que é a nossa história que nos faz ser reconhecidos pela revista”.

A mais recente empreitada de Renan é o Gravidade Zero, um laboratório de inovação e impacto social instalado no Cabo de Santo Agostinho. O novo projeto, que Renan lidera ao lado de Dante Freitas, será instalado no Cone Multimodal. Trata-se de um espaço de incubação de startups e coworking de empreendedores e investidores tanto para resolver problemas das empresas instaladas no Cone, como da sociedade. “O Gravidade Zero é um programa não convencional de múltiplas facetas, de disrupção e inovação. Também é um prédio estrategicamente voltado para impactar o Estado, mas queremos que seja sede de geração de negócios de impacto social de Pernambuco para o mundo”, afirmou Renan.

O terceiro pernambucano que foi recentemente reconhecido pelo empreendedorismo é Philippe Magno, atual head da Foz, Centro de Inovação em Saúde e Educação da Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS) e do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip). Antes, ele passou também pela startup Handsfree, que permitia aos deficientes físicos controlar equipamentos remotamente apenas com o movimento da cabeça. Uma trajetória que o levou à lista da Forbes Under 30 no início de 2019. Já em 2020, ele foi eleito pelo MIT como um dos jovens empreendedores mais inovadores da América Latina.

“A Forbes foi um marco na minha carreira. Estar na maior revista de negócios do mundo, que traz uma lista muito seletiva, foi um excelente reconhecimento do trabalho, que hoje se consolida na Foz. Já em relação ao MIT, o sentimento é outro, é incentivo para continuar neste caminho. O Brasil é muito hostil para os empreendedores”, adverte Philippe. Formado em marketing, ele sempre atuou na área de negócios. Na sua trajetória, acabou entrando de cabeça na área executiva no campo da saúde e educação.

À frente da Foz, o empreendedor afirma que sua missão é melhorar a saúde e a educação do País. Em 2020, o centro de inovação irá abrir um edital para novas seis startups para um programa de desenvolvimento de 12 meses e abrirá também um coworking. “No Brasil falta inovação por ausência de investimento em educação, pesquisa e desenvolvimento. Nosso trabalho na Foz é para contribuir para mudar esse cenário, com mentorias e assessoria para desenvolvimento de negócios das startups”, afirma Philippe.
.

Philippe, que está à frente da Foz, o centro de inovação da FPS e do Imip, foi eleito pelo MIT como um dos jovens mais inovadores da América Latina.

.
De acordo com a pesquisa Juventude Conectada – realizada pelo Ibope Inteligência, Fundação Telefônica Vivo e Rede Conectada – algumas características marcam os jovens profissionais brasileiros. O estudo, que ouviu 400 entrevistados com idades entre 15 e 29 anos, apontou que a coragem, a busca por inovação, o aprendizado a partir de erros, a capacidade de adaptação e de visão de futuro como características dessa nova geração.

Mais que um emprego ou um bom salário, um dos principais objetivos desses novos profissionais é de trabalhar numa atividade que tenha um propósito.

Leia mais sobre os projetos de Simony César (mais.pe/nina), Renan Hannouche (mais.pe/gravidadezero) e Philippe Magno (mais.pe/foz) no site da Algomais. Preparamos posts sobre cada um dos empreendedores.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »