Como se proteger dos crimes digitais?
Bruno Queiroz Ferreira

Como se proteger dos crimes digitais?

Publicado em 03/03/2020 por Revista algomais às 5:45

A quantidade de crimes digitais nunca foi tão grande no Brasil. Diariamente, são registrados, em média, 366 queixas dessa natureza no País, de acordo com pesquisa da SaferNet Brasil e do Ministério Público Federal. Nos últimos dois anos, houve um aumento de 110% desse tipo de crime, passando de 63.698 notificações para 133.732. Até mesmo delegados, procuradores, juízes e ministros sofreram com esse problema em 2019, quando mensagens hackeadas foram divulgadas pelo site The Intercept, caso conhecido como Vaza Jato.

Estima-se que 42,4 milhões de brasileiros já foram vítimas de algum tipo de crime digital. Os mais conhecidos são o falso sequestro relâmpago, roubo de dados de cartão de crédito e a invasão de conta do WhatsApp. Esse último, inclusive, o prejuízo não envolve apenas o titular da conta, mas os seus contatos também, que são frequentemente alvos de golpes de pedidos de ajuda financeira.

O aumento do índice de crimes digitais afeta também as empresas. Sete em cada dez negócios online do Brasil registraram crescimento do prejuízo com fraudes digitais em 2018, segundo a Serasa Experian. O mesmo estudo aponta o Brasil como o terceiro país mais afetado no mundo, ficando atrás somente dos Estados Unidos e do Reino Unido. As perdas das empresas brasileiras podem chegar a R$ 32,4 bilhões por ano, segundo estimativa da McAfee, empresa de segurança digital.

O que mais contribui para a ação criminosa é o descuido dos usuários em relação à segurança. Não existe atualmente tecnologia 100% imune aos crimes digitais. Portanto, para evitar esse problema, é preciso mudar a postura e entender que segurança não combina com flexibilidade. Dicas simples de colocar em prática podem evitar muitos problemas:

1. Senhas e atualizações – Crie senhas aleatórias sem relação com dados pessoais (data de aniversário, por exemplo), nunca use a mesma senha em várias contas e troque-as com frequência. Ative sempre a dupla verificação quando ela for oferecida. Mantenha um antivírus no computador e não deixe de fazer as atualizações indicadas pelos sistemas operacionais, como Windows, IOS e Android.

2. Phishing – Evite usar redes públicas desconhecidas de Wi-Fi, como em shoppings, cafeteria etc. Não entre com seus dados em computadores compartilhados, como em bibliotecas, por exemplo. Não abra e-mails suspeitos, nem faça download de softwares e aplicativos que não sejam oferecidos pelas lojas oficiais dos sistemas operacionais. Essas atitudes evitam o phishing (pescaria em inglês), prática comum que acessa computadores e celulares de modo anônimo para roubar dados.

3. Engenharia social – Seja mais criterioso com o que publica nas redes sociais. Não antecipe locais das suas viagens, não publique objetos comprados e nunca divulgue seu endereço e telefone. Postagens desse tipo podem dar informações úteis para golpistas que se valem da engenharia social para se passar por vendedores ou representantes das empresas que prestaram esse serviço. Não acredite também em mensagens ou telefonemas que oferecem vantagens que fogem do padrão de mercado.

*Por Bruno Queiroz Ferreira

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »