Amaury Cantilino: “A pandemia deixará muitas pessoas vulneráveis a problemas de saúde mental.”

Amaury Cantilino: “A pandemia deixará muitas pessoas vulneráveis a problemas de saúde mental.”

Publicado em 15/09/2020 por Revista algomais às 5:15
Neste mês da campanha Setembro Amarelo, psiquiatra analisa como evitar o suicídio no contexto de crise da Covid-19.

Neste ano, a campanha do Setembro Amarelo pela prevenção do suicídio tem na pandemia um componente importante a ser levando em consideração. Segundo Amaury Cantilino, professor de psiquiatria do Centro de Ciências Médicas da UFPE, nesta situação de isolamento, estresse e dificuldades econômicas, deve-se ter atenção especial às pessoas com transtornos psiquiátricos pré-existentes, com o crescimento do alcoolismo na população, a exaustão dos profissionais de saúde e com as sequelas traumáticas de quem ficou internado muito tempo em UTI. Cantilino, que é doutor em neuropsiquiatria e ciências do comportamento, faz um alerta para os governos se prepararem para um crescimento dos casos de transtornos mentais e comportamentos suicidas. Mas, esperançoso, o especialista orienta que a melhor forma de prevenir o suicídio é cada um identificar aquilo que valoriza e assumir atitudes que levem a esses valores. E, neste momento, em que o sentimento de impotência é muito presente diante da ameaça da Covid-19, o psiquiatra lembra que uma vida significativa não depende daquilo que desejamos, mas daquilo que fazemos. “A ideia é aceitar aquilo que está fora do nosso controle e praticar ações, dentro das nossas possibilidades”.

Tempos de pandemia podem aumentar o risco de suicídio? O que dizem as estatísticas dos estudos científicos?
Um artigo recente de Gunnell e colaboradores saiu num dos mais respeitados periódicos da psiquiatria, o JAMA Psychiatry. Os autores afirmam que o suicídio provavelmente tem se tornado uma preocupação mais urgente à medida que a pandemia vem se espalhando e tem efeitos de longo prazo na população em geral, na economia e nos grupos vulneráveis. Há algumas evidências de que as mortes por suicídio aumentaram nos EUA durante a pandemia de influenza de 1918-1919 e entre pessoas mais velhas em Hong Kong durante a epidemia de síndrome respiratória aguda (SARS) de 2003. O contexto atual está em evolução. Uma resposta interdisciplinar abrangente que reconheça como a pandemia pode aumentar o risco e aplique o conhecimento sobre abordagens eficazes de prevenção do suicídio é fundamental. Gunnell e colaboradores também ressaltam que os prováveis efeitos adversos da pandemia em pessoas com doença psiquiátrica e na saúde mental da população como um todo podem ser exacerbados pelo medo, autoisolamento e distanciamento físico. Aqueles com transtornos psiquiátricos podem ter piora dos sintomas e outros podem desenvolver novos problemas de saúde mental, especialmente depressão, ansiedade e estresse pós-traumático – todos associados a um risco aumentado de suicídio. Esses problemas estão afetando sobretudo aqueles com altos níveis de exposição à Covid-19, como profissionais de saúde da linha de frente e aqueles que desenvolvem a doença. De acordo com um estudo recente do Well Being Trust, os altos níveis de estresse, isolamento e desemprego devidos à pandemia Covid-19 podem causar até 75 mil “mortes por desespero” relacionadas a drogas, álcool e suicídio. As consequências para os serviços de saúde mental já estão sendo sentidas, por exemplo, no aumento da carga de trabalho de psiquiatras e necessidade de encontrar novas formas de trabalhar, como o uso da telemedicina.

Qual o perfil das pessoas que apresentam maior risco de suicídio?
Quanto ao risco de suicídio, o fator de maior preocupação é a existência anterior de um transtorno psiquiátrico, seja depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia, dentre outros. Mas também podem ser consideradas categorias vulneráveis os idosos (maior de 80 anos), adolescentes e indivíduos de áreas carentes. Os efeitos podem ser piores em locais com poucos recursos, onde a adversidade econômica é agravada pela falta de suporte em saúde mental.

Os trabalhadores da saúde têm experimentado uma sobrecarga emocional em razão de vários motivos, incluindo questões organizacionais, redução de recursos humanos e turnos de trabalho implacáveis. Além disso, deve-se mencionar o medo de se infectarem e de transmitirem a parentes. Sofrem com o luto pela perda de pacientes e colegas. Muitos se separaram de suas famílias. Pessoas que vivem em ambientes de grande violência interpessoal e/ou doméstica estão, neste momento, ainda mais expostas e indefesas.

De que forma o isolamento social, que é necessário neste momento, pode contribuir para o comportamento suicida?
O isolamento social e a solidão contribuem para o risco de suicídio e tendem a aumentar durante a pandemia. Especial atenção deve ser dada aos indivíduos enlutados. Fornecer apoio comunitário para aqueles que vivem sozinhos e encorajar famílias e amigos a se fazerem presentes é fundamental. Sabemos que os vínculos sociais e a convivência com pessoas queridas são impulsionadores de uma vida satisfatória. Outras preocupações incluem os efeitos sociais das restrições de reuniões religiosas. Sabe-se que as igrejas são fonte de amparo social e espiritual em
momentos de sofrimento emocional.

Leia a entrevista completa na Edição 174.2 da Revista Algomais:  http://assine.algomais.com/

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »