Aprendizado contínuo para se manter no mercado

Aprendizado contínuo para se manter no mercado

Publicado em 25/11/2019 por Revista algomais às 10:57
Marcos se formou em segurança da informação, agora estuda análise de dados e estatísticas, além de almejar uma pós-graduação em ciência de dados. (Foto: Tom Cabral)

Por Rafael Dantas*

Tudo o que é sólido desmancha no ar. A ilustração do filósofo alemão Karl Marx para explicar as transformações da sociedade de sua época segue atual e pode ser aplicada às inúmeras mudanças que presenciamos na educação e no mercado de trabalho. O antigo modo de formação das pessoas para a vida profissional está sendo atropelado por outras formas de aprendizagem. As tradicionais relações de trabalho que conhecemos se dissolveram por meio da tecnologia e de mudanças legais. Profissões antes veneradas e cristalizadas de status abrem caminhos para novas atividades em ascensão, principalmente ligadas à computação e à economia criativa.

Para compreender os desafios desse cenário em constante instabilidade que afeta o mundo inteiro, ouvimos especialistas e estudantes no Workshop Algomais Educação 2019 realizado na Cesar School durante o Rec’n’Play.
“Não tenho uma bola de cristal para falar como será o futuro das profissões, mas temos algumas pistas de um movimento que o mundo vem mostrando. Com o avanço das tecnologias todas as profissões serão impactadas e nós devemos nos preparar para isso”, advertiu o diretor-executivo da Cesar School Felipe Furtado. Ele conduziu o debate, promovido pela Revista Algomais, com mais de 100 estudantes de escolas públicas e privadas pernambucanas.

Adaptabilidade, flexibilidade e saber se comunicar são algumas das habilidades necessárias para qualquer profissional, segundo publicação da Hays, empresa líder mundial em recrutamento. “É preciso ser capaz de se adaptar a vários cenários. É necessário estudar muito, entender de várias coisas ao mesmo tempo (não apenas da sua área específica de conhecimento) e, principalmente, desenvolver competências socioemocionais para se reinventar nos novos contextos”, orientou Felipe.

Parar de aprender não está nos planos do pernambucano Pedro Macedo, 26 anos, que se encaixa bem nesse perfil do profissional do futuro. Ele teve um início de carreira cheio de viradas. Sound designer e produtor musical, começou a trabalhar em shows no Recife, passou por produtoras em São Paulo e, atualmente, montou um estúdio no seu apartamento no bairro de Perdizes, na capital paulista, e presta serviços para clientes diversos. Seu trabalho está presente no cinema, nas publicidades e na gravação de álbuns musicais. O mais novo campo está nas mídias interativas, em que ele presta serviço para um app feito para a plataforma do Google Assistente. Pedro trabalha no aperfeiçoamento do áudio das conversações dos usuários de aplicativos com robôs, como a Siri, a assistente inteligente da Apple.

Além de fazer vários cursos, o produtos musical Pedro abriu mão de um emprego fixo e montou um estúdio em casa para trabalhar para “diversos patrões”

Pesquisador de música desde a adolescência, o pernambucano fez um curso tecnólogo de produção fonográfica. Depois disso, trabalhou alguns anos na Fundarpe, onde aprendeu a fazer a produção de palco e shows, além da montagem de som. Há dois anos sua formação profissional deu um novo passo em São Paulo, onde foi fazer um curso de áudio e acústica. Estão nos planos do profissional seguir para a França e estudar programação para artes e mídias interativas. “Pesquiso muito sobre os cursos e as manifestações que estão sendo feitas no mundo. Fiz algumas formações online, mas planejo voltar a estudar uma formação mais longa que pode ajudar a agregar muito na minha produção de áudio para arte sonora”, planeja Pedro.

De acordo com o diretor da Cesar School, há 20 ou 30 anos as pessoas recebiam uma educação tradicional que servia para o resto da vida. Mas hoje a geração que está nascendo precisará, assim como Pedro, aprender continuamente durante a vida.
O trabalho home office para vários “patrões” – que estão distribuídos pelo País e até no exterior – é outra tendência das carreiras profissionais que também é uma realidade na rotina de Pedro. Além de prestar serviços em casa, ele também viaja bastante. Pedro fechou a agenda do último mês com uma turnê no interior de São Paulo em shows, a produção de um filme em Maceió e um job em uma gravadora na capital paulista.

Para onde ele vai, leva ainda um “mini estúdio”, que é uma unidade móvel para atender aos clientes remotos. “É difícil gerir o tempo com várias coisas acontecendo. Abri mão de um emprego certo para trabalhar com uma rede de clientes. Mas hoje posso morar em qualquer lugar do mundo e tenho trabalho”, diz, entusiasmado com a adaptação aos novos mercados que se abriram.
As mudanças na carreira de Pedro estão em sintonia com uma tendência de autonomia que já é uma realidade no mundo inteiro. “Temos uma relação de trabalho que aponta para a autonomia do indivíduo, que está colocada não apenas na sua própria atividade de trabalho, mas na formalização do contrato de trabalho”, aponta Bruno Montarroyos, que é mestre em ciência política com foco em relações internacionais e especialista em políticas educacionais e inovação. “O aumento do home office ou do teletrabalho e o fato do profissional controlar o seu próprio horário são algumas tendências que encurtam a distância entre o empregado e o empregador. Uma situação em que o próprio trabalhador faz a gestão do seu tempo e monitora os seus resultados”, apontou Montarroyos.

Montarroyos: “O aumento do home office ou do teletrabalho é uma das tendências nas quais o próprio trabalhador faz a gestão do seu tempo e monitora os seus resultados”.

Bruno, por exemplo, é líder da Divisão de Gestão de Atendimento Técnico de Serviços no Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados), mas se divide em uma série de atividades. Ele é Google innovator certificado para a educação (educador inovador), atua como mentor em eventos de hackatons e como voluntário em startups weekends. Teve que batalhar desde muito cedo e fez várias atividades. Uma trajetória que o ensinou bastante e contribuiu para suas múltiplas atividades profissionais.
“Hoje consigo ver o quanto isso foi bom. Quanto mais experiências múltiplas melhor. Sempre buscando uma vivência nova, com pessoas diferentes e aprendendo junto”. Em um mundo em constante mutação, onde as empresas têm valorizado cada vez mais a diversidade de olhares nas suas equipes, o especialista acredita que conhecimento compartilhado e trabalho colaborativo, além de aumentar a competitividade dos profissionais, podem tornar a vida das pessoas cada vez melhor.

AUTOMAÇÃO
Com as mudanças tecnológicas, enquanto algumas profissões devem desaparecer ou ser altamente impactadas, outras estarão em alta. De acordo com a OCDE (Organização para Cooperação de Desenvolvimento Econômico) quase dois terços das crianças matriculadas no ensino fundamental atualmente trabalharão em carreiras que sequer existem. No Brasil, o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços estima que até 2055, cerca de 60% das atividades de trabalho serão substituídas pela automação.

Para Bruno Montarroyos, a ciência de dados, a inteligência artificial e a biotecnologia são algumas áreas que seguirão com intensa necessidade de atividade humana por um bom tempo. Tendências que precisam ser observadas pelos estudantes que estão entrando no mercado de trabalho.

Quem decidiu abraçar uma dessas carreiras em ascensão foi o jovem Marcos Barboza, 20 anos. De família humilde do município de Moreno, ele sempre estudou na rede pública e se formou no curso tecnólogo em segurança da informação, numa época em que sequer tinha um notebook em casa. “Estudei o tempo todo com o computador da faculdade”, conta. Agora tem se dedicado a estudar análise de dados e estatísticas para aumentar seu campo de atuação, na promissora área de ciência de dados, em que ele pretende fazer uma pós-graduação.

Seu despertar para esse segmento aconteceu quando estudava na Escola Técnica Maximiano Accioly Campos (Etemac), em Jaboatão, e teve a oportunidade de fazer uma formação técnica em redes. “Sou fascinado pelo pensamento estratégico que está por trás da segurança da informação, que é de estar um passo à frente das pessoas que tentam quebrar as barreiras tecnológicas. Para o futuro, penso em investir na área de ciências de dados, que tem um mercado bem amplo aqui no Recife”, avalia, em referência ao Porto Digital. “Temos um polo tecnológico grande que abre oportunidades para pessoas qualificadas”.

Se a área é promissora, também é exigente em formação continuada. “É essencial não parar de estudar, principalmente no campo da tecnologia, que surge uma novidade a cada 10 segundos. Quem para de buscar conhecimentos fica para trás no mercado”. Enquanto a sonhada pós-graduação não chega, ele investe seu tempo em plataformas de ensino a distância, como a Udemy e a Alura.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »