PIB do agronegócio deve fechar ano em queda, mas com boa perspectiva para 2018

PIB do agronegócio deve fechar ano em queda, mas com boa perspectiva para 2018

Publicado em 06/12/2017 por Revista algomais às 6:22
Marcelo Camargo/Arquivo/Agência Brasil

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio deve fechar 2017 com queda de 2% em relação ao ano passado, segundo dados apresentados ontem (5) pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Até agosto, segundo a entidade, a queda acumulada no setor era de 2,6%, mas deve apresentar uma leve melhora nos dados dos últimos meses do ano.

Apesar da retração, a participação do PIB do setor na soma de todas as riquezas do país em 2017 (PIB nacional) deverá ser de 23%.

Para 2018, a CNA prevê recuperação do PIB do agronegócio, que poderá subir de 0,5% a 1%, dependendo do cenário político, das condições macroeconômicas e do mercado agrícola internacional.

Segundo o presidente da CNA, João Martins, os resultados dependem de condições como a dissolução da incerteza política interna e a demonstração de que o agronegócio brasileiro é moderno e que tem assegurada a eficiência no âmbito da vigilância sanitária.

“A prioridade número um é começar a trabalhar para transformar esse país no maior produtor, o maior exportador de produtos lácteos. Segundo: cada dia mais interferir para que a defesa sanitária desse país esteja à altura do que o produtor precisa e espera”, avaliou.

Martins disse que a queda do PIB do agronegócio este ano era esperada por causas das consequências das operações Carne Fraca e Carne Fria, da Polícia Federal, chamadas pela CNA de “crises artificiais”.

PIB da agropecuária

Os dados do PIB do agronegócio consideram toda a cadeia do setor (produção agrícola, insumos, agroindústria e serviços). Já o PIB da agropecuária, que leva em conta apenas os resultados “dentro da porteira”, vai encerrar 2017 com alta de 11%, e, segundo a CNA, “deverá ser o setor com maior crescimento na economia ao longo deste ano”.

“Embora os preços agropecuários tenham sido pressionados, a boa safra permitiu que o resultado dentro da porteira apresentasse crescimento do indicador macroeconômico que mede a produção. O setor da pecuária, mesmo tendo se beneficiado dos preços atrativos de grãos para a alimentação animal, sofreu com baixo consumo, fruto do desemprego e queda na renda população”, avaliou a entidade no balanço apresentado nesta terça-feira.

Safras

Entre os produtos agrícolas que tiveram resultados positivos este ano, o superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, destacou o algodão, com uma safra de 939 mil hectares que permitiu que os estoques internos fossem quase dobrados, passando de 195 para 395 mil toneladas. “Foi o único produto que teve um incremento bom de produção e preço, resultado da alta demanda por esse produto e o bom desenvolvimento dos cachos na Bahia, dando um ótimo nível de qualidade da fibra.” O aumento no consumo foi de 4,5% (30 mil toneladas). Em todos os estados, a receita gerada pelo algodão foi superior ao custo operacional, segundo a CNA.

Lucchi também destacou o desempenho de outros produtos, como o café colinon, por exemplo, que conseguiu recuperar a piora do ano passado, ocasionada por um clima que não deu tréguas. Ele enfatizou que, no caso da cana-de-açúcar, que apresentou queda de 1,3% na produção e elevação de 17,7% no preço, a CNA conseguiu contornar parcialmente os efeitos da renovação dos canaviais por meio de uma linha de financiamento específica. “Isso prejudicou não só esse ano, como, provavelmente, 2018”, avaliou o superintendente.

O trigo, junto com o leite, ficou em desvantagem por “várias políticas que tiram a competitividade do produtor brasileiro”, segundo Lucchi, como o custo do valor de produção. “Quando a gente compara os valores dos defensivos agrícolas com os da Argentina, Uruguai e Paraguai, os do Brasil chegam a ser 80% superiores aos desses países”, comparou.

Emprego no campo

Os números da CNA também mostram que, de janeiro a outubro deste ano, o setor agrícola foi responsável pela criação de 93 mil vagas de emprego, a maior expansão do indicador no campo nos últimos cinco anos. Na comparação com o mesmo período de 2016, a alta foi de 84%, segundo a CNA, com base em dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

(Agência Brasil)

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »