Feminicídios caem 50% em agosto em PE

Feminicídios caem 50% em agosto em PE

Publicado em 17/09/2019 por Revista algomais às 10:45

Agosto de 2019 teve menos homicídios em relação a agosto de 2018 e tornou-se o 21º mês consecutivo de redução dos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) em Pernambuco. Essa série descendente foi iniciada em dezembro de 2017. Somando os oito primeiros meses deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado, a retração das mortes chegou a 21,8%, caindo de 2.913 ocorrências, em 2018, para 2.276, neste ano (diferença de 636 para menos). Com 275 CVLIs, -4,2% em relação a agosto de 2018 (287), o mês passado foi, entre os agostos da série histórica, o menos violento em 5 anos. Ficou acima apenas do oitavo mês de 2014, quando houve 250 crimes contra a vida. Destacaram-se ainda, na análise do mês, a diminuição de 50% nos feminicídios.

No mês passado, houve 3 feminicídios, contra 6 em agosto de 2018. Agosto de 2019 foi, junto com fevereiro deste ano, o mês em que menos mulheres foram mortas pela condição do gênero. No acumulado do ano, a diminuição desse tipo de crime chegou a 22,9%, caindo de 48 registros, entre janeiro e agosto de 2018, para 37 neste ano. Ainda no somatório dos oito primeiros meses de 2019, a redução dos homicídios de mulheres chegou a 19,2% em relação à mesma parcela de tempo do ano anterior: caiu de 167 no ano passado para 135 este ano (diferença de -32 mortes).

Os estupros também apresentaram redução em agosto. Ao todo, foram 173 ocorrências notificadas no mês passado, contra 231 no de 2018, isto é, -25,11%. No consolidado do ano, a queda é 16,48%, caindo de 1.827, nos oito primeiros meses de 2018, para 1.526, no mesmo período de 2019.

Ainda em agosto, as polícias pernambucanas registraram menos queixas de violência doméstica contra a mulher. Ao todo, foram 3.028 denúncias registradas, no último mês, contra 3.376 notificadas em agosto de 2018, ou seja, declínio de 10,31%.

“A violência contra a mulher costuma ser silenciosa por ocorrer, na maioria das ocasiões, dentro dos lares, praticada por companheiros ou pessoas muito próximas. Cabe ao poder público promover a conscientização e colocar os serviços de proteção mais perto das mulheres. No ano passado, entregamos a nova sede da Delegacia da Mulher do Cabo e inauguramos uma nova unidade em Afogados da Ingazeira, referência para o Pajeú. Vale ressaltar o trabalho da Patrulha Maria da Penha da PMPE, vigiando e cuidando das mulheres com medida protetiva concedida pela Justiça, e das unidades do IML, descentralizadas e regionalizadas desde o ano passado. Perícias e exames, como o sexológico e o traumatológico, têm sido fundamentais para a devida identificação e punição dos agressores. Mas é preciso que a sociedade também se mobilize, ajude a coibir e denunciar. Não dá pra aceitar ou fazer vista grossa. Estatísticas mostram que, sem a intervenção das autoridades, esse tipo de agressor mantém e avança no comportamento violento até chegar ao fato mais dramático, que é o feminicídio”, explica o secretário de Defesa Social, Antonio de Pádua.

SERTÃO LIDERA RANKING DE REDUÇÃO NO MÊS E NO ACUMULADO DO ANO – Com uma retração de 28,21% nos crimes contra a vida, o Sertão manteve a liderança no ranking de redução dos homicídios, caindo de 39 ocorrências, em agosto do ano passado, para 28 neste ano. Em seguida, vêm os municípios da Região Metropolitana (exceto a Capital), com uma queda de 19,19% nos CVLIs. Ao todo, foram 80 mortes contabilizadas no último agosto, contra 99 no mesmo período do ano anterior. Na Zona da Mata, a diminuição foi de 17,86% (de 56 para 46 óbitos). Sempre destaque no recuo dessa modalidade criminosa, o Agreste foi a única região a oscilar para cima no número de mortes em agosto. Um acréscimo de 37,93%, subindo de 58 crimes, no oitavo mês de 2018, para 80 no mês passado.

No consolidado do ano, o Sertão continua mantendo o destaque na redução dos CVLIs. Ao todo, os municípios da região somaram 251 homicídios, entre os meses de janeiro e agosto de 2019, o que representa uma queda de 26,39% em relação ao mesmo período de 2018, quando foram notificados 341 casos do tipo. Em seguida, vem a Região Metropolitana (exceto a Capital), com um decréscimo de 25%. Ao todo, os municípios da área somaram 663 ocorrências, neste ano, contra 884, nos oito primeiros meses do ano passado. Apesar do aumento registrado no mês passado, o Agreste ainda mantém taxa de retração no consolidado do ano, com 585 crimes contra a vida, -21,69% em relação a 2018, com 747 vítimas. Por fim, a Zona da Mata fecha o ranking, com 21,39% óbitos a menos (de 547 para 430).

CAPITAL – Apesar de apresentar um aumento nos crimes contra a vida no mês de agosto, quando foram contabilizadas 41 ocorrências, número 17,14% maior que o mesmo período do ano passado, quando houve 35 casos, o Recife continua com retração no número de mortes no acumulado do ano. Em todo o ano, foram 348 crimes contra a vida registrados na cidade, -11,68% em relação aos 394 crimes dos oito primeiros meses de 2018.

DE DROGAS LIDERA MOTIVAÇÕES – O tráfico de drogas e demais atividades criminosas continuam sendo as principais motivações de crimes contra a vida no Estado. Dos 2.276 homicídios registrados nos primeiros oitos meses deste ano, 68,91% foram motivados por envolvimento com o tráfico de drogas, acerto de contas ou outras atividades criminais. Em seguida, vieram os conflitos na comunidade, com 387 (17%). Conflitos afetivos e familiares tiveram relação com 85 casos (3,73%). Latrocínios representaram 3,56% e outras motivações, 2,02%.

Já em agosto, das 275 ocorrências, 71,64% tiveram origem no tráfico e outras atividades criminosas. Enquanto isso, os conflitos na comunidade, com 35 casos, foram responsáveis por 12,73%. Conflitos afetivos e familiares tiveram relação com 10 casos (3,64%). Latrocínios representaram 3,27% e outras motivações, 2,18%.

(Do blog do Governo de Pernambuco)

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »
  • Clayton CDIM

    Não é meu objetivo começar aqui um debate, mas apenas apresentar o que penso, ok? Meu objetivo é apenas e unicamente acrescentar algo. Se o que você ler abaixo tiver coisas boas conforme sua opinião, fique com elas, e o que não for útil a você, ignore totalmente. A matéria acima me sensibilizou e por isso resolvi comentar apenas com o intuito de contribuir e acrescentar novas ideias e não com o objetivo de contrariar, questionar ou provar alguma coisa. Sendo assim, já aviso que não responderei a oposições de ideias ou pensamentos.

    Nenhum crime tem justificativa, apesar de ser explicável, porém não aceitável. É necessário que uma mulher, ao buscar um relacionamento, não seja impulsiva, achando que felicidade se encontra em relacionamentos. O mesmo vale para homens, inclusive para mim mesmo. É necessário ser feliz sozinho (a) para depois fazer outra pessoa feliz. Relacionamento tem que ter base não nos aspectos físicos e sexuais, apesar de serem importantes, mas sempre nos aspectos espirituais, familiares e profissionais. Todo o relacionamento que busca a felicidade pelo prazer físico está fadado ao fracasso, inquestionavelmente. É importante, também, que a mulher, assim como o homem, filtre os lugares que vão. Saber escolher amizades, a hora de ir e o lugar aonde ir, ainda é a melhor forma de evitar ao máximo frustrações futuras. Toda capacidade humana de escolher e filtrar é semelhante ao funcionamento de um firewall instalado num computador. Quem tem critérios para escolher amizades e relacionamentos, também terá para escolher lugares e horários. Mas, se a pessoa, seja homem ou mulher, não tem disciplina para sequer filtrar os tipos de mídias que seus olhos veem e seus ouvidos ouvem, menos ainda terá para filtrar coisas mais importantes e complexas. Acreditar que todo o lugar é bom e seguro, ou que deveria ser bom e seguro, ou porque estamos num país de liberdade de ir e vir, é uma crença negativa. A busca inconsciente provocada pelo subconsciente da pessoa a leva ir a lugares inseguros e em horários indevidos. Isso vale tanto para homens quanto para mulheres, pois há mulheres que também matam ou mandam matar, mas os casos são menores. É impossível, infelizmente, controlarmos tudo o que ocorre de ruim em nosso mundo, mas podemos nos afastar dessas coisas. Só há um pequeno lugar do universo todo que temos absoluto controle e este lugar é nossa mente e corpo. Toda a escolha pode gerar um consequência e não necessariamente ela será agradável ou justa, mas é possível prevê-la ou, ao menos, suspeitar que possa acontecer através de fatos observados.
    Também é possível percebermos que coisas que estimulam tais fatos, não apenas estupros, mas outros crimes como assaltos, por exemplo. Percebe-se que mulheres que andam com bolsas são mais suscetíveis a serem assaltadas que outras que não andam de bolsa. Andar com bolsa ou sem bolsa não justifica qualquer atitude do assaltante, é evidente que não. Mas a mente do criminoso não funciona como a do cidadão de bem e, por isso, precisamos ser “simples como a pomba e prudente como a serpente” (Mateus 10:16). O fato de uma jovem e bonita mulher andar de minissaia não justifica o estupro assim como o fato de andar de bolsa não justifica o assalto, mas, como eu disse, a mente doentia do criminoso não opera no mesmo patamar da mente do cidadão de bem. Quando há comemorações de aniversário nas cidades a maioria das pessoas vai lá para ser feliz e festejar, mas sempre, infelizmente, há quem sai de casa com uma faca ou uma arma na cintura, já na expectativa de que algo ruim acontecerá e, muitas vezes, acontece. Portanto, sempre foi e ainda é imprescindível e altamente necessário, a prudência para escolhermos onde, quando e com e de quem nos aproximamos ou quem permitimos que se aproxime de nós, principalmente agora nesses tempos de corona vírus.
    Felicidade e sucesso!