Marechal de Costas (por Paulo Caldas)

Marechal de Costas (por Paulo Caldas)

Publicado em 05/09/2017 por Revista algomais às 2:47
Divulgação

Ocultar é preciso. Ancorado na máxima da técnica literária “não revele; mostre”, entre outros tantos recursos que levam ao bem escrever, José Luiz Passos, pernambucano, professor de Literatura Brasileira e Portuguesa na Universidade da Califórnia, em Los Angeles, que já concebera o elogiado Sonâmbulo Amador – vencedor do prêmio Bienal do Livro de Brasília e o cobiçado Portugal Telecom de literatura, além do Romance com Pessoas, sobre a dimensão moral dos personagens de Machado de Assis, trouxe à luz, no ano passado, Marechal de Costas (Alfaguara).

No universo das palavras, no qual gravita com absoluta autoridade, José Luiz Passos revela com sutil descrição o perfil do protagonista Marechal Floriano Peixoto, a partir do trecho que escreve: “ele fecha os olhos e respirando a página, em seguida põe o livro sobre a cama”, aqui o gestual do protagonista na cena permite ao leitor intuir que Floriano também amava os livros.

No mesmo trecho, o autor destaca a movimentação do personagem na cena diante de um cenário natural focado como se fosse por uma câmera com ângulo aberto e aos poucos fecha, com vagar, a lente nos detalhes certificadores presentes no cenário interno. Aí, faz a uso da destreza ao somar a luz do mundo exterior refletir a do lampião posto sobre a mesa “a luz arroxeada que se mistura o brilho do lampião em cima da mesinha cabeceira onde estão sua escova de pelos para farda, no estojo de lata, com a tesoura e navalha, a lupa e um abridor de cartas, uma caneta tinteiro, um feixe de lápis atados com a fita vermelha. Floriano embrulha cada um desses objetos numa peça de roupa e coloca uma por uma dentro da maleta aberta em cima da cama”, mostra um jovem metódico e disciplinado.

Além do protagonista, construído literalmente com fidelidade, dois personagens merecem citação: um tal Napoleão que faz às vezes de tutor do menino Floriano cujo perfil autoritário, afeito a citações de eminências evocadas no campo da filosofia, como uma espécie de sargentão intelectualizado, e a menina Josina.

O envolvimento de Floriano com sua meia irmã, Josina, começa com ela ainda criança. Aos sete anos de idade chamava Floriano de Floreão (flor dente-de-leão), com brincadeiras, incursões ao pé de castanhola, escondidos dos olhos do tio e tutor, Vieira Peixoto ou lendo as páginas do mesmo livro. Com ela casaria, não obstante a diferença de idade teriam filhos, chegariam à velhice. Em dado momento, longe dela, tratando da saúde, lhe escreve: “Sinhá… O que tenho passado na sua ausência, já de oito dias, só eu sei e é Deus que assim manda… tem tido umas saudades, uma tristeza tão grande por aqui, só, isolado, sem poder trocar palavras, que e ainda vivo por misericórdia de Deus. Saudades da mulher e dos filhos. José, Flor e a caboclinha Anunciada. A benção aos meus filhos. Adeus, minha mulher. Sou sempre seu marido inválido. Floriano”.

Do afeto aos rancores – O conteúdo do livro perpassa duas fases marcantes da nossa história, tendo como fio condutor a narrativa de uma cozinheira supostamente aparentada de Floriano que, nos dias de hoje, 2013, testemunha o impeachment da então presidente Dilma Rousseff. O Marechal de Costas é um belo livro, essencial para se ler e guardar.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »