Avanços e desafios após 4 anos do BRT na Região Metropolitana do Recife

Avanços e desafios após 4 anos do BRT na Região Metropolitana do Recife

Publicado em 08/06/2018 por Revista algomais às 5:21
"Terminal", obra de autoria do arquiteto e artista plástico Luiz Rangel, expõe a disputa pelo espaço público entre o transporte coletivo e particular.

A experiência das grandes metrópoles do mundo mostra que mobilidade urbana não se revolve com mais rodovias e estacionamentos, mas com incentivo ao transporte público. Inspirado no modelo do TransMilenio, em Bogotá, e do sistema de ônibus rápido de Curitiba, nasceu o BRT (Bus Rapid Transit) do Recife nas vésperas da Copa do Mundo de 2014. Em operação há quatro anos, essa nova proposta de deslocamento coletivo de massa comemora avanços, mas enfrenta ainda alguns desafios.
Quem era acostumado ao sistema convencional de ônibus e passou a ter a opção de usar o BRT aponta a grande vantagem da mudança: a velocidade. “Passamos bem menos tempo no trajeto. O mesmo percurso em que gastava uma hora ou mais no ônibus, hoje faço em 40 minutos”, compara a universitária Nayara Duarte, moradora do município de Paulista. De acordo com pesquisa recentemente realizada pelo Instituto de Políticas de Transporte & Desenvolvimento (IPTD), o tempo médio de deslocamento foi reduzido em 28% no corredor Leste-Oeste e em 16% no Norte-Sul.

No entanto, Nayara considera que o novo sistema ainda deixa a desejar em questões que passam pelo conforto e segurança. Ela reclama do calor nas estações onde o ar condicionado está quebrado e da ocorrência de assaltos em trechos mais longos entre as paradas.

Em sintonia com a avaliação da passageira, o arquiteto César Cavalcanti, gerente de planejamento de transporte público do Instituto da Cidade Pelópidas Silveira, aponta três fragilidades do sistema que precisam ser resolvidas para a sua melhor operação: a melhoria do pavimento das vias para aguentar o peso desses veículos, um maior investimento em segurança e, principalmente, a segregação da via em toda a extensão da operação. “Esses fatores ainda precisam de resolução, mas, mesmo assim, é importante enfatizar que o sistema já consegue demonstrar para a população que é uma alternativa muito cômoda e objetiva do transporte coletivo. Os números comprovam que é um serviço com uma qualidade diferenciada da que estamos acostumados”, comentou o especialista.

Além de constatar o crescimento do número de passageiros ano a ano, a pesquisa do IPTD identificou a migração, mesmo que ainda lenta, de motoristas dos carros e motos para o BRT. Do público que viaja diariamente nesses ônibus especiais, 3% faziam o mesmo trajeto em transporte individual.

A redução dos veículos particulares e dos ônibus convencionais que transitavam nos trajetos hoje operados pelo BRT trouxe também um benefício ambiental. A pesquisa apontou que os dois corredores do sistema evitaram o lançamento de 17,7 mil toneladas de CO2 por ano. Isso representa uma diminuição de 61% das emissões, quando comparado com a poluição gerada antes do início da operação.

Pesquisa apontou como pontos a melhorar: um maior investimento em segurança e, principalmente, a segregação da via para os ônibus em toda a extensão da operação. Foto: Tom Cabral

Do total dessa redução, “33,5% seriam resultantes da supressão de viagens em carros particulares, que transportam um número significativamente inferior de pessoas por veículo do que os articulados do BRT”, apontou o estudo.
O corredor Leste-Oeste, operado pela MobiBrasil, cresceu em número de passageiros de 10,4 milhões em 2015 para 12,2 milhões em 2016. Bateu um novo recorde no ano passado, com a marca de 17,8 milhões de usuários transportados. E as estimativas para este ano são de se aproximar dos 21 milhões.

Para a vice-presidente da empresa, Andréa Chaves, a conclusão das obras na Avenida Conde da Boa Vista foi fundamental para o aumento do fluxo de passageiros no ano passado. No entanto, ela avalia que esse avanço contínuo é fruto de uma série de características do BRT que tem atraído novos usuários. “O sistema trouxe um avanço significativo no conforto dos passageiros, com a operação desses veículos diferenciados, com ar condicionados e baixo nível de ruído. Nas estações há o embarque em nível, o que reduz também o tempo no acesso aos ônibus. O tempo de viagem é menor, pois é corredor exclusivo, mas infelizmente ainda não está totalmente segregado”.

Andréa refere-se aos trechos do final da Caxangá e do Derby, nos quais os ônibus articulados dividem a via com veículos particulares, fazendo com que velocidade média caia dos 18km/h a 20 km/h para 6 km/h. “Precisamos melhorar ainda mais a velocidade comercial para que os veículos possam fazem mais viagens, e assim, beneficiar ainda mais o serviço para os passageiros”, defende Andréa. Além da conclusão das obras do corredor que é de responsabilidade do Governo do Estado, outra medida defendida pela empresa para acelerar mais as viagens é o uso de semáforos inteligentes.

Gbson Pereira, diretor institucional da Conorte, empresa que opera o corredor Norte-Sul, aponta os mesmos benefícios do sistema para os usuários e destaca ainda o pagamento antecipado das passagens, que contribui para o embarque mais rápido e para mais segurança nas estações. No trajeto desse corredor, ele afirma que a redução do tempo de viagem é em torno de 25 minutos. “Esse ganho não se verifica ainda na totalidade da capacidade do sistema porque os ônibus articulados dividem espaço com os demais veículos quando chegam ao Centro Expandido do Recife. Apesar de ser o menor trecho, é o de maior complicação no tráfego”.

Além dos desafios internos do sistema, o diretor de operações do Consórcio Grande Recife, André Melibeu, defende que a operação mais adequada do BRT depende também de investimentos urbanos na qualificação da caminhabilidade dos pedestres da RMR. “A acessibilidade das pessoas é fundamental para o nosso serviço. As calçadas e a iluminação pública bem mantidas, com segurança no entorno das estações, são importantes para que o pedestre chegue no nosso sistema”. Um dos problemas identificados na pesquisa do IPTD foi justamente a falta de manutenção das calçadas, que segundo o estudo “torna a circulação de pedestres pouco atrativa”.

Além disso, Melibeu ressalta a importância de estimular a integração do sistema com outros modais, como bicicletas. “Essas medidas contribuem para melhorar as possibilidades de deslocamento dos pedestres e aumentar a participação do sistema BRT dentro das cidades, para integrá-lo de forma mais plena”, comenta o diretor do consórcio.

OBRAS
De acordo com a Secretaria das Cidades do Governo de Pernambuco, no corredor Leste-Oeste a próxima obra a ser entregue é o TI da IV Perimetral, com previsão para ser finalizado no mês de julho. Outra obra iniciada é a carenagem do Túnel da Abolição e a construção de um pontilhão sobre o Canal do Prado para oferecer mais segurança aos veículos que saem do túnel e encontram uma bifurcação muito próxima. Essas intervenções também têm previsão de serem concluídas em julho.

A secretaria informa que o corredor Norte-Sul já tem cerca de 85% dos serviços concluídos, operando atualmente com 27 estações de BRT e quatro terminais: Igarassu, Pelópidas Silveira, PE-15 e Abreu e Lima. “É importante ressaltar que os corredores BRT, assim como as demais estruturas de transporte urbano, estarão sempre em desenvolvimento de acordo com as demandas identificadas, visando melhorar a qualidade dos serviços prestados”, afirmou em nota a Gerência de Comunicação da Secretaria das Cidades.

Na próxima edição da Algomais, a continuidade da série de reportagens Transporte e Cidadania tratará dos avanços das novas tecnologias aplicadas à mobilidade urbana.

*Por Rafael Dantas, repórter da Algomais (rafael@algomais.com)

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »