Mostra de cinema ambiental do Recife – MARÉ movimenta equipamentos ambientais da cidade

Mostra de cinema ambiental do Recife – MARÉ movimenta equipamentos ambientais da cidade

Publicado em 21/08/2019 por Revista algomais às 5:00
Jardim Botânico do Recife, Econúcleo Jaqueira, Escola Municipal José da Costa Porto e Cais do Imperador terão reflexões em torno de questões ambientais e sociais da cidade entre os dias 25 e 31 de agosto. Mostra deverá engajar 3 mil espectadores em sete dias de exibição

Promover a reflexão crítica sobre o meio ambiente e o engajamento socioambiental no Recife através da exibição de filmes é a proposta da 4ª edição da MARÉ – Mostra Ambiental do Recife – que será realizada entre os dias 25 e 31 de agosto com sessões gratuitas no Jardim Botânico, Econúcleo Jaqueira, Escola Municipal José da Costa Porto, Cais do Imperador e Cinema São Luiz. A iniciativa é incentivada pela Prefeitura do Recife, através da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SMAS).

Serão exibidos 30 filmes, entre curtas e longa-metragens, baseados em três eixos temáticos: Ecossistemas & Biodiversidade, Cidades & Conflitos e Povos & Territórios. O produtor cultural Rafael Buda, coordenador da mostra, conta que o projeto integra filmes pernambucanos e nacionais e alerta para um debate sobre as novas tecnologias que podem contribuir para a questão ambiental no município. A websérie Cidade
Plástica, que aborda o consumo consciente do uso plástico, integra a lista de lançamentos nesta edição. Os episódios reúnem depoimentos de pessoas que trabalham para o desenvolvimento sustentável no Recife, como Erica Vidal de Negreiros, analista de desenvolvimento ambiental da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade. “Dentro do circuito nacional de festivais ambientais, Recife está no roteiro dos principais com a execução da MARÉ e consolida uma perspectiva de trabalhar a consciência ambiental utilizando os novos meios de comunicação na cidade”, ressalta Rafael Buda, coordenador da mostra.

O Jardim Botânico do Recife sedia a abertura da mostra de cinema ambiental no domingo (25), a partir das 11h, com sessão infantil dos curtas Fazenda Rosa (PE), Plantae (RJ), O Malabarista (GO), Viagem na chuva
(GO) no auditório. Às 14h, os visitantes participam de Sessão Ambiental com temática Povos & Territórios, Maré (BA), Fantasia de índio (PE), A era de Lareokotô
(PE). Na segunda-feira (26), o Cinema São Luiz recebe o lançamento nacional do documentário Chão, dirigido pela carioca Camila Freitas, sobre o cotidiano de um assentamento do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra em Goiás, às 20h. Na terça-feira (27), os estudantes da Escola Municipal José da Costa Porto, localizada na Ilha Joana Bezerra, recebem uma tela inflável para a Sessão Escola, a partir das 15h.

As sessões dos dias 28 e 29 prometem surpreender o espectador. Mais de 100 adesivos de QR Codes serão espalhados em parques, bares e restaurantes, livrarias, universidades, paradas de ônibus, metrôs, academias, livrarias, possibilitando a exibição de curtas de até 5 minutos através de dispositivos mobile, como celular e tablet. Na sexta-feira (30) será a vez do Econúcleo Jaqueira sediar a Sessão Parque, a partir das 19h, com exibição de cinco curtas ambientais, entre eles, Travessia, que retrata a história de Seu Mita e a relação com o rio Capibaribe. O encerramento da MARÉ, no dia 31, vai ocupar o Cais do Imperador, a partir das 18h30, com Sessão Ambiental baseada no tema Ecossistemas & Biodiversidade, seguido por caminhada com a EletroBike, projeto do VJ e DJ Mozart que conta com uma bike adaptada com som e projeção, em direção ao Marco Zero, com projeções de intervenções ambientais e música.

“É importante estimular a consciência ambiental por meio de exibição de filmes para refletirmos sobre temas da realidade brasileira e mundial que atingem o meio em que vivemos. Trabalhar a temática ambiental da forma mais ampla é uma ferramenta fundamental para a mudança comportamental”, destaca o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Neves Filho.

A expectativa desta edição é reunir mais de 3 mil pessoas durante os 7 dias de exibição, sendo cerca de 1 mil pessoas engajadas através dos QR Codes espalhados pela cidade. No Jardim Botânico, os filmes serão exibidos no auditório com capacidade para 50 pessoas, enquanto o Econúcleo Jaqueira dispõe de toda a estrutura sustentável para acomodar cerca de 50 visitantes. Para a Escola Municipal José da Costa Porto, o coordenador da mostra Rafael Buda levará uma tela inflável e, no Cais do Imperador, a sessão será ao ar livre, com capacidade para cerca de 100 pessoas, quando serão disponibilizadas cadeiras e as escadas servirão de arquibancada para quem for curtir os filmes. Para assistir as sessões gratuitas, voltadas para público de todas as idades, basta se dirigir ao local com antecedência (sujeito a lotação).

Sobre a MARÉ – Mostra Ambiental do Recife

A Mostra Ambiental do Recife (MARÉ) é uma ação que combina história, cultura, meio ambiente e cidadania. Sendo um festival de cinema, seu carro chefe é a exibição de filmes que dialogam com a temática ambiental e estimulam a reflexão crítica dos espectadores. O projeto tem os objetivos de articular diferentes linguagens artísticas como o cinema e artes visuais no diálogo com o meio ambiente; sensibilizar a população em geral sobre problemáticas ambientais atuais e a necessidade do engajamento social e o papel da população para superação desses conflitos; estimular jovens estudantes a refletirem e incorporarem seu olhar sobre o meio ambiente na produção audiovisual; realizar como intervenção ambiental sessões de QR Code por toda cidade do Recife, dentre outros. A programação é toda gratuita e voltada para o público de todas as idades, sendo necessário chegar ao local de exibição com antecedência (sujeito a lotação).

Confira a programação completa MARÉ 2019 :

25/08 – Jardim Botânico do Recife

10h – Atividade de Bem-estar: Yoga e Meditação

Instrutora: Ruth Melo

11h – Sessão Infantil (43min)

Fazenda Rosa (PE, 2018, 9’), de Chia Beloto

Sinopse: Sinopse: Erasto Vasconcelos, o poeta da percepção da vida, de como ela é tão bem usada em nosso planeta, faz eco dos bichos do dia e da noite, dos peixes do rio, dos pássaros, dos bichos do mangue, das árvores e suas frutas, do que se planta para comer, das personagens que nos cantam e das cantigas de roda.

Plantae (RJ, 2017, 10’), de Guilherme Gehr

Sinopse: Ao cortar uma grande árvore no interior da floresta amazônica, um madeireiro contempla uma inesperada reação da natureza. Uma reflexão sobre as consequências irreversíveis do desmatamento e da subjugação dos humanos aos demais seres da Terra.

O Malabarista (GO, 2018, 11’), de Iuri Moreno

Sinopse: Documentário em animação sobre o cotidiano dos malabaristas de rua, que colorem a rotina monótona das grandes cidades.

Viagem na chuva (GO, 2014, 13’), de Wesley Rodrigues

Sinopse: A chuva, assim como o circo, percorre um longo caminho até seu lugar de destino. Quando os dois se vão, ficam as lembranças.

13h – Atividade de Bem-estar: Expressão Corporal

Instrutora: Gervania Fraga

14h – Sessão Ambiental: Povos & Territórios (1h)

Maré (BA, 2018, doc, 22’), de Amaranta César

Sinopse: O movimento da maré: várias gerações de mulheres quilombolas entre o impulso de partir e a vontade de ficar, entre a incerteza do futuro e a força da ancestralidade.

Fantasia de índio (PE, 2017, doc, 18’), de Manuela Andrade

Sinopse: Desde criança, ouvia minha mãe falar da minha ascendência indígena. Há duas décadas atrás meu tio materno foi ao encontro dos xukurus à procura de rastros desse passado, resolvi dar continuidade a essa busca.

A era de Lareokotô (PE, 2019, doc, 20’), de Rita Carelli

Sinopse: Copa do Mundo, roça, ritual. Em meio a um dia intenso – e comum – na aldeia do povo indígena Enawenê-Nawê, no Mato Grosso, Kularenê nos conta como, ao saírem de dentro da mesma pedra, índios e brancos tomaram rumos distintos: os primeiros guiados por Wadari, seu ancestral, e os outros por Lareokotô, avô dos brancos e pai da tecnologia.

26/08 – Cinema São Luiz

18h30 – Lançamento Websérie Cidade Plástica (PE, 2019, 5min)

Preocupado com futuro do meio ambiente, Leno resolve criar um canal no YouTube para debater de forma consciente o consumo plástico no nosso cotidiano.

19h – Sessão de Curtas: Lançamentos (35 min)

Seiva (PB, 2019, fic, 7’), de Ramon Batista

Sinopse: entre a contemplação e o alerta para trazer luz a seiva essencial da vida, a água recurso finito e fundamental.

Enraizada (PE, 2019, doc, 8’), de Tiago Delácio

Sinopse: Desde os 14 anos Dona Olívia habita a Mata do Engenho Uchôa, um remanescente de Mata Atlântica de 172 hectares, dentro da cidade do Recife.

A era de Lareokotô (PE, 2019, doc, 20’), de Rita Carelli

Sinopse: Copa do Mundo, roça, ritual. Em meio a um dia intenso – e comum – na aldeia do povo indígena Enawenê-Nawê, no Mato Grosso, Kularenê nos conta como, ao saírem de dentro da mesma pedra, índios e brancos tomaram rumos distintos: os primeiros guiados por Wadari, seu ancestral, e os outros por Lareokotô, avô dos brancos e pai da tecnologia.

20h – Sessão Longa: Lançamento

Chão (RJ, 2019, doc, 110’), de Camila Freitas

Sinopse: Registrado por quatro anos, o documentário acompanha o cotidiano de um assentamento do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra em Goiás. A urgência do tema, com a iminente criminalização do movimento e suas lideranças, contrasta com o tempo distendido do filme, que magnífica os gestos da agricultura familiar em oposição às paisagens monocromáticas do agronegócio. ‘Chão’ elabora uma justa distância daqueles que filma – ao mesmo tempo colado na luta e reconhecendo-se estrangeiro a ela -, na exploração cinematográfica dos potentes modos coletivos de existência e resistência ali implicados.

27/08 – Escola Municipal José da Costa Porto (Escola que recebeu o projeto Cidade Plástica)

15h – Sessão Escola (60 min)

Websérie Cidade Plástica (PE, 2019, 5´)

Preocupado com futuro do meio ambiente, Leno resolve criar um canal no YouTube para debater de forma consciente o consumo plástico no nosso cotidiano.

Cor de pele (PE, 2018, doc, 15’30’’), de Lívia Perini

Sinopse: Cor de Pele é um sensível documentário sobre a vida do menino albino Kauan, de 11 anos. Na bela cidade de Olinda, Kauan relata como é o dia a dia de sua átipica família, no qual tem cinco irmãos: dois albinos e três negros. Ele conta como lida com as dificuldades de ter a pele e visão sensíveis, sendo uma criança super ativa numa cidade que o sol brilha todos os dias do ano. Kauan é um menino cativante e engraçado, que luta para se encaixar na cultura local e provar que cor de pele não quer dizer nada. O doc é narrado por ele, e destaca a forma espontânea que ele conta sua vida e histórias.

A menina banda (PE, 2018, fic, 25’), de Breno César

Sinopse: uma menina vira atração na pequena cidade onde mora porque dela se podem ouvir sons.

Uchôa, a Mata Pulsante (PE, 2019, doc, 17’), de Tiago Delácio

Sinopse: O filme revela as características ambientais, econômicas e sociais do Refúgio de Vida Silvestre (RVS) Mata do Uchôa. A partir da mobilização social para preservar essa reserva, o filme acompanha a história de 40 anos de resistência do Movimento em Defesa da Mata Uchôa contra as pressões imobiliárias, as constantes ameaças e as degradações ambientais.

28 e 29/08 – Redes Sociais

Sessão: QR Code: Cidades & Conflitos (11 filmes de até 5m)

1. A cena e a cana (PE, 2014, animação, cor, digital, 2’22’’), resultado da oficina de animação stop-motion da 4ª Mostra Canavial de Cinema, ministrada por Bruno Cabús e Paulo Leonardo

2. Andarilho (doc, PE, 2015, cor, HD, 5’08), de Jacaré Vídeo

3. Bike Gelo Baiano (doc, PE, 2015, cor, HD, 2’18), de Jacaré Vídeo

4. Ciclo Ativo (doc, PE, 2016, cor, HD, 6’), de Jacaré Vídeo

5. Dia de fúria (PE, 2015, documentário, cor, HD, 3’), de Jacaré Vídeo

6. Linear (SP, 2014, animação, cor, digital, 6’), de Amir Admoni

7. No caminho do bem (PE, 2015, documentário, cor, digital, 3’24’’), de Jacaré Vídeo

8. O fim dos carros (doc, PE, 2015, cor, HD, 3’40’’), de Jacaré Vídeo

9. O paradoxo da espera do ônibus (fic, RJ, 2007, cor, digital, 3’), de Christian Caselli

10. Poesia Animada (fic, PE, 2014, cor, HD,3’13’’), resultado da oficina de stop-motion da 1ª Mostra Cinema na Mata, ministrada por Quiá Rodrigues e Gabi Saegesser

11. Vrruummm!! (fic, SP, 2003, cor, 5’), de Paula Dager

30/08 – Econúcleo Jaqueira

17h – Atividade de Bem-estar: Yoga e Meditação

Instrutora: Ruth Melo

18h – Atividade de Bem-estar: Expressão Corporal

Instrutora: Gervania Fraga

19h – Sessão Parque (45min)

Websérie Cidade Plástica (PE, 2019, 5’)

Preocupado com futuro do meio ambiente, Leno resolve criar um canal no YouTube para debater de forma consciente o consumo plástico no nosso cotidiano.

Travessia (doc, PE, 2015, cor, HD, 3’15’’), de Jacaré Vídeo

Sinopse: Seu Mita faz diariamente a travessia de barco, do bairro da Torre para a Jaqueira (Recife), e fala sobre a sua relação com o rio e a importância desse serviço, uma tradição familiar quase centenária, hoje cada vez mais rara na cidade

Uchôa,a Mata Pulsante (PE, 2019, doc, 17’), de Tiago Delácio

Sinopse: O filme revela as características ambientais, econômicas e sociais do Refúgio de Vida Silvestre (RVS) Mata do Uchôa. A partir da mobilização social para preservar essa reserva, o filme acompanha a história de 40 anos de resistência do Movimento em Defesa da Mata Uchôa contra as pressões imobiliárias, as constantes ameaças e as degradações ambientais.

Fazenda Rosa (PE, 2018, 9’), de Chia Beloto

Sinopse: Sinopse: Erasto Vasconcelos, o poeta da percepção da vida, de como ela é tão bem usada em nosso planeta, faz eco dos bichos do dia e da noite, dos peixes do rio, dos pássaros, dos bichos do mangue, das árvores e suas frutas, do que se planta para comer, das personagens que nos cantam e das cantigas de roda.

O Malabarista (GO, 2018, 11’), de Iuri Moreno

Sinopse: Documentário em animação sobre o cotidiano dos malabaristas de rua, que colorem a rotina monótona das grandes cidades.

31/08 – Cais do Imperador

18h30 – Sessão Ambiental: Ecossistemas & Biodiversidade (81min)

Websérie Cidade Plástica (PE, 2019, 5’)

Preocupado com futuro do meio ambiente, Leno resolve criar um canal no YouTube para debater de forma consciente o consumo plástico no nosso cotidiano.

Plantae (RJ, 2017, 10’), de Guilherme Gehr

Sinopse: Ao cortar uma grande árvore no interior da floresta amazônica, um madeireiro contempla uma inesperada reação da natureza. Uma reflexão sobre as consequências irreversíveis do desmatamento e da subjugação dos humanos aos demais seres da Terra.

Maré (BA, 2018, doc, 22’), de Amaranta César

Sinopse: O movimento da maré: várias gerações de mulheres quilombolas entre o impulso de partir e a vontade de ficar, entre a incerteza do futuro e a força da ancestralidade.

Entremáres (PE, 2018, 20’) de Anna Andrade

Sinopse: O documentário Entremarés aborda o cotidiano e o trabalho de mulheres que sobrevivem da atividade de pesca na comunidade da Ilha de Deus, situada no bairro da Imbiribeira, em Recife (PE).

A menina banda (PE, 2018, fic, 25’), de Breno César

Sinopse:uma menina vira atração na pequena cidade onde mora porque dela se podem ouvir sons.

20h – Caminhada com a EletroBike

Projeto do VJ e DJ Mozart que conta com uma bike adaptada com som e projeção. Sairá do Cais do Imperador em direção ao Marco Zero projetando intervenções ambientais com música.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »