Como Medellín reduziu a violência investindo no social

Como Medellín reduziu a violência investindo no social

Publicado em 30/08/2019 por Revista algomais às 10:17
Ex-prefeito de Medellín, Alonso Salazar, participou de evento promovido pela Algomais e mostrou como investimentos sociais reduziram a violência em comunidades atingidas pelo tráfico.

Como uma cidade que ostentava uma taxa de 380 homicídios por 100 mil habitantes consegue reduzir esse indicador para 20 mortes por 100 mil pessoas? Conhecer a experiência da icônica cidade colombiana de Medellín é ainda mais intrigante quando um dos líderes políticos desse processo conta que a principal instituição para essa mudança não foi a polícia, mas as bibliotecas. O ex-prefeito desse município, Alonso Salazar, participou da primeira reunião do Algomais Convida, evento que discutiu as estratégias do poder público para transformar o território do antigo narcotraficante Pablo Escobar num case mundial de urbanismo social.

A mudança de paradigma da gestão municipal começa com o movimento Compromisso Cidadão, de acordo com o ex-gestor municipal. O primeiro prefeito eleito desse movimento foi Sergio Fajardo, em 2004. Salazar elegeu-se em seguida, em 2008. Um dos principais legados da sua administração, segundo ele, foi a construção de 14 parques bibliotecas e 150 colégios com alto padrão arquitetônico.

O diagnóstico do grupo de acadêmicos e integrantes de movimentos sociais que se uniu com o objetivo de mudar a gestão municipal foi de que os desafios de Medellín não eram apenas socioeconômicos. “O clima era de violência generalizada. A cidade estava em ruína física, mas também moral. Havia uma falta de sentido, de história e de perspectiva de futuro. Era um território do obscurantismo que ninguém visitava. Tínhamos a intuição de que a origem do problema era socioeconômica, mas era mais. Era uma questão existencial, uma fragmentação da identidade e das famílias”, aponta Salazar.

Diante da completa falta de autoestima que predominava na cidade, após anos contemplando ataques terroristas e assassinatos em massa de policiais, a prefeitura decidiu entrar nos territórios mais vulneráveis oferecendo equipamentos educativos de altíssimo padrão arquitetônico. “Percebemos que a estética era um motor de mudança social também”, relatou o gestor. Educação, conhecimento e cultura foram os pilares do movimento que orientaram a gestão municipal.

Prédios como da Biblioteca Espanha (foto acima) encravados em territórios de alta vulnerabilidade social começaram a povoar Medellín. A princípio eram pequenos pontos no mapa da cidade que tem 2,4 milhões de habitantes. Mas os projetos foram se somando ao longo de oito anos e das gestões que o sucederam e mudaram a face e até a economia dessas comunidades. Estava aplicado, assim, no município colombiano, o conceito do urbanismo social.

“Todo urbanismo deveria ser social, mas esse conceito se refere a uma maneira de pensar os territórios marginais e o seu processo de organização. Usar mais metodologias muito inovadoras que foram criadas pelos nossos companheiros arquitetos e urbanistas, com grande participação comunitária”, conta Alonso. Um dos princípios, inclusive, do movimento Compromisso Cidadão, citados pelo ex-prefeito, é que “a participação ativa da sociedade fortalece a democracia”.

Uma estratégia usada pelo poder municipal para criar um impacto social foi de não pulverizar os investimentos arquitetônicos, mas de concentrá-los próximos. Requalificar a escola, o centro de saúde e o posto policial, instalar a biblioteca na comunidade, levar um metrô de qualidade. Uma decisão política chamada pelo ex-prefeito de “acupuntura urbana”.

“A proposta era intervir radicalmente em um setor, para não fazer as coisas dispersas, mas usar todas as estratégias num espaço. Passados quase 14 anos do começo desse trabalho, as intervenções já são muito visíveis. Isso trouxe um efeito psicológico que gerava o despertar da população que começou a acreditar e se engajar na participação cidadã”, declara.

As mudanças em Medellín chamaram a atenção de visitantes de vários países e incrementaram na renda do município uma nova atividade econômica impossível de ser pensada nos anos 90: o turismo. O setor foi apontado por Salazar como o que mais cresce na cidade nos últimos anos.

PRÊMIO
A mobilidade urbana nas zonas mais pobres, com um metrô eficiente, um vasto sistema de teleféricos nos seus morros e escadas rolantes gigantes e toda a experiência de transformação urbana de Medellín levaram a cidade a receber o título de mais inovadora do mundo. No concurso, realizado pela ONG americana Instituto Urban Land, a antiga cidade de Pablo Escobar venceu Tel Aviv e Nova Iorque.

No Recife, os Centros Comunitários de Paz (Compaz) são inspirados nessa experiência colombiana de enfrentamento da violência por intermédio da mão social. Mesmo sem ser uma política de curto prazo, nos primeiros anos de operação nos bairros Alto Santa Terezinha e Cordeiro já foram observados indicadores relevantes de redução de homicídios no entorno dessas infraestruturas, respectivamente de 25,5% e de 35,4%.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »