Mais crianças no espaço público faz bem para a saúde delas e da cidade

Mais crianças no espaço público faz bem para a saúde delas e da cidade

Publicado em 24/09/2018 por Revista algomais às 13:44
Vanessa Bahé leva o filho Edu de bicicleta para a escola. Foto: Tom Cabral

Uma pesquisa encomendada pela marca OMO investigou a rotina de 12 mil famílias em 10 países. O resultado? Cinquenta e seis por cento das crianças passam uma hora ou menos brincando ao ar livre. Esse tempo é menor do que o período dado a presidiários para os banhos de sol em cadeias de segurança máxima.
Além de acarretar problemas no desenvolvimento das crianças, mantê-las muito tempo em ambientes fechados faz com que percam a relação com a cidade. Perde-se também o sentimento de pertencimento com o local onde vive. Não raro, especialmente os filhos da classe média, mal conhecem o bairro onde moram. Numa crônica publicada na Algomais, Joca Souza Leão destacou o espanto do primeiro encontro de seu neto, Pedro, com o Centro do Recife. “Como os meninos de classe média da sua idade, 10 anos, Pedro só conhecia os caminhos da escola, do clube, um ou outro parque, a praia de Boa Viagem, shoppings, aeroporto e saídas da cidade para o interior e litoral. De carro. E de bicicleta, com o pai, João, em algumas incursões pelas precárias ciclovias domingueiras”, contou o cronista.

Tempo das crianças brincando ao ar livre é menor do que o período dado a presidiários para os banhos de sol.

A falta de segurança urbana é um dos principais motivos que leva os pais a resguardarem seus filhos entre quatro paredes. O engenheiro Leonardo Maranhão, por exemplo, diz que costumava fazer passeios com o filho, mas abandonou a atividade há um tempo: “eu poderia correr em um parque com ele. Mas a insegurança não deixa. Ele tem que ficar gradeado”. Já a administradora de empresas Silvana Queiroz queixa-se da falta de áreas verdes na cidade. “Acho muito importante o contato com a natureza, porém não é fácil numa cidade como o Recife, com poucas praças e até mesmo porque a parte de areia da praia ficou muito restrita. Os pais realmente têm que ser criativos para estimular esta interação ou buscar alternativas”, lamenta.

Para terem segurança ao atravessar as avenidas no bairro de Setúbal, Thomaz e Bernardo fazem cartazes que são mostrados aos motoristas, quando vão caminhando para o colégio na companhia de seus pais Silvana e Inácio. Foto: Tom Cabral

Mas urbanistas defendem que esses problemas devem ser enfrentados pela população. A arquiteta e urbanista Clarissa Duarte, professora e pesquisadora da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) adverte que quanto mais gente na rua, mais segura ela se torna. Ela destaca o quão necessário é o esforço de todos para mobilizar e causar a mudança de hábito nas crianças. E um ponto de partida é deixar o automóvel na garagem: “se cada um de nós não tiver um pouco de coragem para ‘reconfigurar’ sua zona de conforto e passar a utilizar menos o transporte particular individual, as crianças jamais terão a oportunidade de perceber uma cidade diferente, mais coletiva, mais saudável e divertida”, defende a urbanista que leva seus filhos desde pequenos a pé ou de bike para a escola.

Mas, ela mesma admite como foi difícil deixar o mais velho, Vicente, de 9 anos, ir para o colégio, sozinho e a pé, num trajeto de um quilômetro. “Ele me disse: Mãe! Não é você mesma quem diz que podemos ser assaltados em qualquer lugar? Mesmo dentro do carro ou entrando no portão de casa? Eu tô ligado!”, relembra a urbanista. “Como o pai já havia concordado, só me restou encorajá-lo e testar a nova experiência urbana, que nada mais era do que a confirmação de que os milhares de dias indo a pé ou de bicicleta, com a nossa companhia, o preencheram de autoconfiança e do desejo de caminhar pela sua cidade”.

A jornalista Vanessa Bahé é outra mãe que costuma levar o filho Eduardo para a escola de bicicleta, desde o início de 2017. Aos poucos também tem dado mais autonomia para ele nas ruas. “Ele sente na pele a falta de cuidado com o pedestre e ciclista no nosso trânsito. Este ano passei a levá-lo na bicicleta dele, pois está crescendo. Vou ao lado dele na via e, como não temos uma ciclovia na cidade, usamos uma faixa de carro mesmo. Sinto que muita gente respeita quando vê que estou acompanhando uma criança, mas, vez ou outra, alguém buzina para ultrapassar a todo custo”, relata. Apesar dos percalços, Vanessa e o filho continuam usando o modal e acreditam na mudança: “quanto mais pessoas usarem a bicicleta, mais consciência terão. Isso é um processo de construção. Torço para que essa relação carro, transporte público e bicicleta seja saudável e todos se respeitem”.

MENOS CARROS
Assim como Vanessa, muitos ativistas e urbanistas torcem para que aumente o número de pessoas que levam seus filhos a utilizar as ruas e que esse movimento estimule políticas para assegurar espaços públicos seguros e de qualidade. Uma experiência com bons resultados foi a Ciclofaixa de Turismo e Lazer, projeto da Prefeitura da Cidade do Recife que oferece nos fins de semana e feriados 36,5 km de faixa exclusivas para as bicicletas. A iniciativa, segundo a PCR, conquistou a adesão de uma média de 17 mil pessoas por dia, muitas delas pessoas de classe média que, pela primeira vez, pedalaram na cidade com seus filhos.

Na verdade, a dependência dos veículos motorizados, um costume desenvolvido nos centros urbanos dos séculos 20 e 21, diminui a utilização das ruas, dando espaço para as quilométricas filas de carros vistas diariamente no trânsito da cidade. A Nova Agenda Urbana, desenvolvida na Terceira Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável – Habitat III partiu com a ideia de promover a mobilidade urbana sustentável ligada às temáticas de idade e gênero, atreladas ao desenvolvimento territorial.

Para Clarissa, a chamada mobilidade ativa estimula a humanização das ruas. “Além de ser mais saudável para todos, caminhar ou pedalar oferece a oportunidade de observar, conviver e trocar experiências com pessoas diferentes de si e é uma das principais chaves para a conquista de uma cidade mais justa e sustentável”, observa a urbanista.

“Se apenas vivemos limitados aos espaços de nossas casas, condomínios, escolas, clubes e shoppings, não temos a chance de conhecer outras realidades, pessoas de classes sociais diferentes, com necessidades e gostos distintos dos nossos. A rua é o espaço da troca por excelência, e estar na rua (fora de um carro!) nos ensina a ser mais respeitosos e cuidadosos com o próximo e com o meio ambiente urbano”. E foi justamente o que observou Pedro, neto de Joca ao chegar no Centro do Recife, como conta o cronista: “ ‘Papai, é muita gente!’ A exclamação de Pedro revelou a sua natural e compreensível perplexidade. ‘Muita gente.’ E muita gente diferente da que ele estava acostumado a ver nos shoppings”, escreveu Joca.

Clarissa defende ser necessário pensar nas próximas gerações com autonomia, ou seja, pensar nas crianças como participantes ativas da mobilidade urbana. “Promover condições seguras e confortáveis para pedestres e ciclistas tem efeito direto na reapropriação das ruas e praças pelas pessoas e, dentre elas, as crianças. Educar a nova geração para enxergar as ruas e a mobilidade ativa como vantagens e privilégios é uma das políticas mais inteligentes para se conquistar a sustentabilidade urbana”, defende Clarissa Duarte.

CONQUISTANDO A RUA
Em Setúbal, Zona Sul do Recife, começam a surgir os primeiros movimentos para discutir ações e promover eventos relativos à convivência do bairro e, principalmente, tirar as crianças de dentro de suas casas e apartamentos. Etiane Lisboa, moradora do bairro, conta que sempre teve incômodo com o comportamento das pessoas em relação ao uso do automóvel. “Elas usam o carro como uma arma, fazendo das vias exclusividade e propriedade”, comenta. Por causa disso, adotou a bicicleta como meio alternativo de transporte, e hoje ela e o marido levam a filha Luana, de 7 anos, à escola no modal.

“Quando ela começou a estudar, a gente passou a experimentar a bicicleta, porque havia uma confusão na chegada da escola, com vários pais querendo deixar as crianças na porta do colégio, muitos carros, gente irritada…então, a gente quis fugir dessa sensação e começamos a levar Luana de bicicleta para o colégio”, conta. A partir daí, juntamente com outros pais e moradores, surgiu a ideia de criar um projeto de conscientização que levaria ações e atividades para dentro das escolas, a fim de conversar com os pais sobre os benefícios e mitos acerca desse meio de transporte.

“Eu me inspiro bastante em cidades como Portland, nos Estados Unidos, e Amsterdam, na Holanda. Eles só começaram a usar a bicicleta como transporte porque a população forçou e isso acabou se transformando em política pública. A gente tem muito interesse em fortalecer essa concepção entre os moradores de Setúbal, que é o nosso microcosmo. A ideia da gente é conversar com esses pais sobre possíveis ações”, declara Etiane.

Na cidade de Portland, as crianças vão para a escola em comboios; o pai que mora mais distante do colégio inicia o trajeto, e outros pais e crianças se unem ao grupo e andam de bicicletas juntos, aumentando a sensação de segurança. “Eu tenho certeza que ações como essa geram repercussão direta no setor público, aos poucos a gente consegue uma ciclovia, uma estrutura mais adequada a esse meio de transporte. Em Setúbal, por exemplo, seria muito viável, porque é um bairro pequeno, as escolas são poucas e a maior parte dos alunos mora num raio de no máximo 1 km”, propõe a moradora.

Há também aqueles que preferem uma boa caminhada. Silvana Queiroz, mãe de Thomaz (10) e Bernardo (9), decidiu fazer o trajeto até a escola a pé, apresentando as ruas do bairro de Setúbal e para estimular que exerçam desde cedo o papel deles de cidadãos. “Eu e meu marido achamos que levá-los caminhando seria uma oportunidade de dar uma pequena aula de cidadania e aproximá-los do mundo real”, conta Silvana.

Aos poucos as crianças foram se conscientizando e percebendo a importância de serem pedestres ativos, e de que a educação no trânsito é uma preocupação. Silvana sempre fica apreensiva com a possibilidade de atropelamento em razão do grande fluxo de carros no bairro. Percebendo isso, os meninos tomaram uma atitude de conscientização: criaram um cartaz com a frase “respeite o pedestre”, que é mostrado aos motoristas todas as vezes em que atravessam as ruas. “Eles costumam se chatear porque, a maior parte das vezes, são ignorados, mas, eventualmente, alguém percebe e para o carro. E eles se animam”, comenta a mãe.

Abaixo ação do projeto Lindeza, que organiza brincadeiras nas ruas do Recife.

Outra iniciativa é o projeto Lindeza, da arteterapeuta Gabriela Vasconcellos, que leva crianças e adultos a brincar em espaços públicos. O objetivo é resgatar uma infância livre, imaginativa, criativa e estimular nos pequenos a imaginação e a autonomia. “São atividades que incentivam a relação afetiva das pessoas com a cidade, mostrando a importância, do pertencimento ao local onde vivem”, explica.

*Por Laís Arcanjo, da Algomais (redacao@algomais.com)

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »