Um passeio pelo estilo da Art Déco no Recife

Um passeio pelo estilo da Art Déco no Recife

Publicado em 02/09/2019 por Revista algomais às 14:18

Neste domingo (1), o grupo Caminhadas Domingueiras, que é conduzido pelo consultor e arquiteto Francisco Cunha, fez um passeio pela cidade do Recife para observar os prédios que tiveram a influência do estilo arquitetônico da Art Déco. Essa escola teve sua manifestação espalhada pelas artes visuais, arquitetura, design de interiores, cinema, moda, entre outros. Internacionalmente esse movimento ocorreu de forma mais forte entre 1925 e 1939. Na arquitetura brasileira, muitos edifícios foram erguidos ou projetados sob a influência da Art Déco durante a ditadura de Getúlio Vargas.

No Recife, a região mais emblemática que foi planejada sob a influência desse estilo arquitetônico é na Avenida Guararapes. A imponência dos prédios, o design destacando a verticalização, uso de formas geométricas e a simplicidade das fachadas (como um contraponto aos estilos anteriores mais rebuscados) são algumas das características dessa escola na arquitetura. Na caminhada Francisco Cunha lembrou da referência dos navios antigos. Muitos desses prédios, de fato, trazem a lembrança da imagem de grandes embarcações do passado.

O nome “Art Déco” é originado do termo francês “Arts Décoratifs” que tem como significado Artes Decorativas.

A caminhada partiu do Marco Zero do Recife e com poucos metros do passeio, ainda na Av. Alfredo Lisboa, o grupo se deparou com o prédio da Receita Federal.

Ainda no Bairro do Recife foi possível identificar edificações na Rua do Bom Jesus e na Avenida Rio Branco com as características da Art Déco.
.

O prédio azul, central, faz um contraste com os estilos mais rebuscados dos edifícios vizinhos na Rua do Bom Jesus.

.

Prédio da Praticagem da Barra também na Rua do Bom Jesus.

.

Agência bancária na Avenida Rio Branco.

.

Seguindo pelas ruas do Bairro de Santo Antônio, os destaques foram para o atual prédio da OAB-PE, antigo Jornal do Commercio e para toda a Avenida Guararapes, que tem, por exemplo, o prédio dos Correios. Fizemos ainda uma parada na Praça do Sebo, que fica “no quintal” dos vários prédios.

Prédio da OAB-PE.

.

Vista dos prédios a partir da Praça do Sebo.

Avenida Guararapes

Ainda no Bairro de Santo Antônio, passamos pela antiga Confeitaria Glória, que foi o lugar onde João Pessoa foi assassinado. O crime foi fundamental para a Revolução de 30, que levou Vargas ao poder. Foi durante o período do Estado Novo, a partir de 37, que o ex-presidente incentivou o uso da influência Art Déco na arquitetura. A confeitaria era vizinha do Cinema Art Palácio,  fundado na década de 40, que tem uma característica mais moderna, mas também recebeu influências do Art Decó.
.

Antiga Confeitaria da Glória

.

Antigo Cinema Art Palácio

.
Entrando pela Boa Vista, a recepção da Art Déco veio pelo Cinema São Luiz. “O cinema São Luiz, pertencente ao grupo de Luiz Severiano Ribeiro, foi inaugurado no térreo do Edficio Duarte Coelho, no dia 7 de setembro de 1952, com modernas e luxuosas instalações”, afirmou Lúcia Gaspar, da Fundaj, no artigo Cinemas Antigos do Recife. Na Avenida Conde da Boa Vista pudemos observar outras edificações com os traços típicos desse período.
.

Cinema São Luiz.

Pela Boa Vista passamos ainda pela Escola de Engenharia, na Rua do Hospício, pelo Hospital do Exército no bairro e pelo Santuário Nossa Senhora de Fátima.

Escola de Engenharia

.

.

Catedral Nossa Senhora de Fátima

.

Já na Encruzilhada, o grupo das  Caminhadas Domingueiras passou pela Escola Técnica Professor Agamenon Magalhães até chegar no mercado, que foi o ponto final do passeio.

Na descrição da sua história, a escola afirma que “Em 1946, a ETEPAM estava passando por uma mudança de estrutura passando a funcionar nas instalações atuais. A escola foi apelidada de ‘’menina dos olhos do governo’’ devido aos constantes investimentos do governo na infraestrutura da instituição”.

Etepam.

Já o Mercado da Encruzilhada, que funciona desde 1824, passou a estrutura atual em 1950, durante o governo de Barbosa Lima Sobrinho.

 

 

Os “Vestígios do Art Déco na cidade do Recife (1919-1961): abordagem arqueológica de um estilo arquitetônico” foi inclusive o tema da tese de doutorado de Stela Gláucia Barthel, em 2015. No resumo do seu trabalho ela conta que “Foi elaborada uma Base de Dados que identificou seiscentos e oitenta e três edifícios (…). Eles se encontram em quarenta bairros, distribuídos por todas as regiões da cidade. São obras de arquitetos, engenheiros, projetistas e de pessoas que nunca estudaram Arquitetura. Pertencem a todas as classes sociais. Foram construídos entre 1919 e 1961”.

Nas conclusões, a autora apontou que “Uma das constatações desta pesquisa é a de que no Recife o tempo do Art Déco se
estendeu mais do que no restante do Brasil. A data mais recente é 1961, quando no resto do país isto vai até o início dos anos 50 (…). Entretanto a data mais antiga é 1919 e isto mostra que aqui o estilo chegou rapidamente, porque no mundo ele é datado no período entre guerras (1918-1939). Isto pode ter explicações pela posição que a cidade ocupa nas rotas marítimas ou aéreas, no contato com estrangeiros, que vieram trabalhar ou passear, na circulação de revistas e jornais trazidos por eles. Os bairros centrais, como o da Boa Vista e o de São José, apresentam exemplares desde 1919 e foram os pioneiros com a construção de edifícios mistos. Em todas as outras áreas da cidade há construções desde os anos 20. (…) A maioria dos autores estudados coloca como o auge do estilo no Brasil os anos 30, mas no Recife a maior parte das construções é dos anos 40. Ou seja, conviveu ainda com o Ecletismo tardio e com o Modernismo”.

Você pode acessar esse estudo no link: https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/14975/1/tese.pdf

Confira abaixo um vídeo que fizemos da Caminhada Domingueira do Estilo Art Déco. Em breve mais informações sobre o próximo passeio pelos estilos arquitetônicos do Recife.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »