Assine

“A sociedade precisa rever os seus valores em relação a descanso e sono.”

“A sociedade precisa rever os seus valores em relação a descanso e sono.”

Publicado em 18/10/2021 por Revista algomais às 20:27
O fisiologista Cláudio Barnabé afirma que uma noite bem dormida é essencial para evitar doenças e liberar toxinas do organismo e critica a desvalorização do repouso na contemporaneidade.

Trabalhe, enquanto eles dormem”. O mantra preconizado por blogueiros e cards nas redes sociais pode levar muita gente a ter sérios problemas de saúde. Existem nada menos de 34 doenças catalogadas que têm relação com a poucas horas de sono, como hipertensão arterial, obesidade e a ocorrência de testículos menores que causam infertilidade. Nesta conversa com Cláudia Santos, o fisiologista clínico, hebiatra e especialista em saúde do sono, Cláudio Barnabé, derruba o mito de que dormir é perda de tempo. “Hoje, o sono não é mais considerado um estado de inércia total, mas é um estado de semiconsciência com funções fisiológicas específicas, inclusive a remoção de toxinas, como as células beta-amiloides, que são uma das indutoras da doença de Alzheimer”.

Barnabé, que é professor da UPE (Universidade de Pernambuco) e chefe do departamento de qualidade de vida e saúde da Fundação CAS da PMPE (Polícia Militar de Pernambuco), também alerta que indivíduos submetidos à privação de sono têm menos captação de conhecimento cognitivo, menor retenção de informações aprendidas durante o dia e tomam más decisões. Ou seja, ao contrário do que recomenda a máxima dos influencers, para trabalhar bem é preciso dormir bem. Confira a entrevista.

Como a pandemia afetou o sono das pessoas?

A pandemia nos deixou no estado de alerta. Todas as pessoas foram afetadas de alguma forma. Os casos de depressão, de ansiedade aumentaram por causa das notícias sobre a letalidade desse vírus e de tudo que aconteceu. Os noticiários anunciavam cada vez mais mortes, mais restrição, mais lockdown, as pessoas foram afastadas dos seus entes queridos. O medo foi a principal causa que afetou o sono das pessoas. A situação provocou uma ação neurológica na amígdala neuronal, que é uma parte do cérebro que nos prepara para a luta ou a fuga, deixando nosso sistema nervoso autônomo simpático em alerta, secretando hormônios de estresse como catecolaminas, adrenalina, noradrenalina, cortisol, que são contrarreguladores do sono. Isso impediu as pessoas de trabalharem o sistema nervoso parassimpático que é aquele que nos “desliga” de toda essa ação de luta ou fuga, que nos deixa em estado de bem-estar, de torpor, de relaxamento suficiente para pegarmos no sono.

As pessoas permaneceram menos tempo expostas ao sol. A luz solar durante o dia aumenta de forma natural a produção de melatonina no período noturno, que é o hormônio que induz o sono à noite. Também se praticou menos exercício físico. Um dos substratos energéticos da atividade física é uma substância chamada adenosina, um estimulador da melatonina.

Por que dormir bem é tão importante?

Antigamente se achava que dormir era só uma questão de perda de tempo. Hoje a ciência é pródiga em mostrar influências nas mais variadas esferas do sono na saúde do ser humano. Existem mais de 34 doenças catalogadas que têm relação com noites mal dormidas, como hipertensão pulmonar, hipertensão arterial, distúrbio temporomandibular, bruxismo, morte súbita, obesidade, diabetes. Hoje, o sono não é mais considerado um estado de inércia total, mas é um estado de semiconsciência com funções fisiológicas específicas, inclusive a remoção de toxinas, como as células beta-amiloides que são uma das indutoras da doença de Alzheimer, por exemplo.

A National Sleep Foundation recomenda que pessoas de 18 a 60 anos tenham um sono de sete a nove horas. O ser humano foi feito para dormir no período noturno. Os hominídeos são indivíduos diurnos e o melhor sono é aquele da noite, principalmente na chamada temperatura nadir, que é a menor temperatura do corpo que vai acontecer por volta das 3 a 5 horas da manhã. O sono é dividido em quatro partes, N1, N2, N3 (que abrangem o sono não REM) e o sono REM, uma sigla em inglês para movimento rápido dos olhos. Esse ciclo é repetido de quatro a seis vezes por noite. Essas são as fases de sono mais profundo e o indivíduo vai ter os sonhos oníricos na fase de sono REM. São aqueles sonhos nos quais, por exemplo, sonhamos que voamos ou que uma sereia anda no meio da rua. É exatamente nessa fase quando temos maior retenção de conhecimento, maior captação cognitiva, maior remoção de toxinas e de recuperação do cansaço. Pessoas que dizem que dormem, mas não descansam, acordam muito cansadas, são pessoas que num eletroencefalograma noturno de sono, chamado polissonografia (exame específico para determinar distúrbios do sono), encontramos uma má arquitetura de sono. Às vezes a pessoa dorme, mas ela tem uma latência muito grande para entrar em sono REM, ou seja, o tempo que ela dormiu até entrar no sono mais profundo.

Um estudo de Matt Walker, considerado um dos “pais do sono” no mundo, mostrou que homens que dormem apenas cinco horas por noite têm testículos significativamente menores do que quem dorme sete horas ou mais. E aqueles que têm, com frequência, apenas quatro a cinco horas de sono, apresentam um nível de testosterona de alguém 10 vezes mais velho, o que traz implicações na reprodução. Outra coisa importante: esses blogueiros, esses vendedores de sucesso, que recomendam “produza enquanto eles dormem”, isso é de uma idiotice sem precedentes.

Alimentação pode ajudar a ter um bom sono?

Sim, existem alimentos, principalmente bebidas que são excitatórias, como chá preto, refrigerantes à base de cola, guaraná, café. Alimentos proteicos, por exemplo, que secretam o aminoácido triptofano, presente no leite, tem uma maior ação sobre a melatonina na indução do sono. Alimentos ultraprocessados, cheios de nitrito, nitrato, glutamato, são mais excitatórios do sistema nervoso central, promovem disbiose, um desequilíbrio entre as bactérias do bem e do mal no intestino, provocando um extravasamento de toxinas que ultrapassa a barreira hematoencefálica, lá no cérebro, causando mais excitação, irritabilidade e consequentemente, insônia.

O sono é muitas vezes malvisto na contemporaneidade que exige alta produtividade dos profissionais. O senhor acredita ser necessária uma mudança no modo de vida da sociedade contemporânea?

Indubitavelmente. Existem vários estudos na literatura nessa direção. Um deles, cito recorrentemente, mostra que indivíduos submetidos à privação de sono têm menos captação de conhecimento cognitivo, menor retenção de informações aprendidas durante o dia e tomam más decisões. Uma pesquisa feita com empresários de cinco países de grandes economias do mundo – Canadá, Japão Estados Unidos, Alemanha e Cingapura – mostrou, numa simulação, que eles teriam perdido US$ 60 bilhões em tomadas de decisão, depois de passarem algumas noites de restrição de sono. A sociedade precisa rever os seus valores em relação a descanso e sono. Estamos massacrando nossos adolescentes que têm aula em período integral, cursinho à noite e dormem seis horas, porque precisam acordar cedo no outro dia para estar na escola novamente. Isso é massacrante, diminui a captação de conhecimento.

LEIA A ENTREVISTA COMPLETA NA EDIÇÃO 187.3 DA REVISTA ALGOMAIS: assine.algomais.com

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »