Assine

10 fotos e uma viagem pela ferrovia em Pernambuco nos séculos 19 e 20

10 fotos e uma viagem pela ferrovia em Pernambuco nos séculos 19 e 20

Publicado em 29/07/2021 por Revista algomais às 12:46

Pernambuco vive um momento de grande discussão em torno da construção da ferrovia Transnordestina, desde que o ministro Tarcísio Freitas anunciou que o ramal para Suape não seria mais realizado, com a preferência do Governo Federal e da conessionária pelo Porto de Pecém no Ceará. No meio desse debate econômico e político, a coluna Pernambuco Antigamente traz uma série de fotos da primeira ferrovia do Estado, que foi a segunda do País, um projeto dos tempos de Dom Pedro II, que teve inclusive a visita do imperador mais longevo do Brasil por aqui.

Coletamos fotos de Augusto Stahl, do Instituto Moreira Salles e da Villa Digital, na Fundaj, além de imagens de outros fotógrafos na Biblioteca Nacional, na Villa Digital e na Enciclopédia Itaú Cultural.

 Locomotiva nº 1 da Recife and São Francisco Railway Company

.

Estrada de Ferro do Recife ao São Francisco, em construção, data ente 1858 e 1860 (Biblioteca Nacional)

.

Estrada de ferro do Recife ao São Francisco, na cidade do Cabo, em 1958 (Villa Digital)

.

Primeira Locomotiva de Pernambuco, na E. F. Recife & S. Francisco Railway, em 1958 (Itaú Cultural)

.

Estação Ferroviária S. Great Western, imagem de F. Du Bocage, na Villa Digital

.

Estação Recife, foto de Eugenio Nascimento, na Villa Digital. Acervo Josebias Bandeira

.

Estação Ferroviária Central de Pernambuco, em 1916 (Acervo Josebias Bandeira, Villa Digital)

.

Estação Entroncamento, em 1910 (Villa Digital, Galeira Elegante, Acervo Josebias Bandeira)

.
Ponte ferroviária no Recife, em 1900 (Acervo Manoel Tondella, na Villa Digital da Fundaj)

.

Encerramos com um mapa de como era a rede ferroviária no Nordeste, com o traçado do ano de 1984. Impressiona o fato da linha chegar até Salgueiro, no sertão pernambucano. Algumas das antigas estações se tornaram centros culturais, como em Garanhuns, outras estão abandonadas ou foram destruídas pelo tempo sem conservação.

.

*Por Rafael Dantas, repórter da Revista Algomais (rafael@algomais.com)

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »