Dia das Mães atípicas: porque elas precisam ser lembradas e apoiadas?

*Por Christianne Müller

O Dia das Mães, mais do que uma data festiva ou do calendário de promoções do comércio, deveria ser um momento de reflexão sobre os desafios da maternidade no mundo contemporâneo. E, por esse viés, as mães atípicas precisam ser lembradas com atenção especial, já que a responsabilidade que elas têm é muito maior, assim como as condições de saúde física mental a que estão expostas são bem mais preocupantes.

O termo atípico ganhou força a partir da série Atypical, lançada em 2017 pela Netflix e que teve a última temporada exibida esse ano. A comédia dramática gira em torno da transição do protagonista de 18 anos, Sam Gardner, para o início da vida adulta.

Poderia ser apenas mais uma produção teen sobre amadurecimento, descobertas e o primeiro amor, não fosse um detalhe que garante a singularidade e carga dramática do enredo: Sam tem traços de autismo.

Nesse contexto, a mãe do personagem principal, Elsa Gardner, ocupa um papel central, diante das dificuldades do filho em arrumar uma namorada, da múltipla jornada (dentro e fora de casa) e de uma crise conjugal com o pai de Sam. Qualquer semelhança com a vida real não é mera coincidência.

O que é mãe atípica?

Eles já foram chamados de deficientes, pessoas com deficiência e especiais. Recentemente, o termo atípico se popularizou como um guarda-chuva que abriga pessoas com deficiência física, déficit no desenvolvimento cognitivo, transtorno do espectro autista (TEA) e transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), entre outras condições.

Por extensão, as mães desses indivíduos passaram a ser conhecidas como atípicas. Como se Elsa Gardner tivesse saído do streaming, essas mulheres são de carne e osso e enfrentam, em maior ou menor grau, problemas semelhantes aos da personagem interpretada por Jennifer Jason Leigh.

Significados

A denominação popularizada pela Netflix traz toda uma implicação semântica e de saúde mental. Não apenas pela situação “diferente” dessas mulheres em relação às mães consideradas típicas, mas pelo adicional de atribuições, dificuldades e pressão em casa, no trabalho, na família e na vida social como um todo que a maternidade atípica traz. Uma sobrecarga que muitas vezes acaba levando essas mães a um quadro de estresse extremo classificado como burnout parental, semelhante ao transtorno relacionado ao trabalho.

Choque de realidade

Assim como na série, a visão romantizada da paternidade e maternidade é desconstruída pela realidade de se ter um filho fora dos padrões “normais”. E não é fácil lidar com uma criança com problemas motores, seletividade alimentar, crises, atraso de fala, tendência ao isolamento, desfralde tardio, hiperatividade e outras características diferenciadas. Nem com um adolescente, quase adulto, com dificuldades sérias de adaptação à vida social.

Esse choque entre o mundo ideal e real muitas vezes têm um desfecho negativo para a família e particularmente para a mulher: o pai se ausenta de forma sistemática de suas responsabilidades ou simplesmente vai embora.

Em situações como essa, fica para a mãe o peso de administrar o diagnóstico, as idas e vindas a médicos e psicólogos, a luta por assistência na saúde pública ou pela cobertura do plano de saúde, a briga por uma escola que acolha o menino ou menina e garanta as condições de aprendizado e a pressão no trabalho.

Impactos

A experiência clínica diária atendendo a mães que se enquadram nesse perfil mostra os efeitos que se pode esperar desse quadro altamente insalubre: insegurança, medo, exaustão, impotência, solidão, sentimento de rejeição, autoestima em baixa e estresse, entre outros, evoluindo, no limite, para ansiedade generalizada, síndrome do pânico, depressão ou burnout. É nesse ponto que a realidade supera de longe a ficção.

Tudo isso se agrava diante do fato de que vivemos em uma sociedade capacitista, na qual se atribui valor a quem é totalmente funcional e filhos atípicos estão fora dessa classificação.

Não basta ser pai

O apoio do parceiro ou parceira é fundamental para a mãe atípica e, como diz o clichê, não basta ser pai ou padrasto, tem que participar e contribuir para que a mulher se sinta amparada, compreendida e assistida.

Muitas relações conjugais sofrem desgastes exatamente porque, depois do nascimento de um filho atípico, o casal perde muito da privacidade, dos programas a dois, dos momentos de intimidade e isso faz com que ambos parem de exercitar a conjugalidade.

Para quebrar esse ciclo, é essencial a maturidade do companheiro ou companheira para a distribuição de responsabilidades em relação à criança ou adolescente que apresenta uma condição diferenciada e também para o enfrentamento das situações desafiadoras que esse diagnóstico traz e que serão permanentes, numa intensidade variável de caso a caso.

Essas atribuições não podem ficar concentradas na mãe, como muitas vezes acontece, gerando um impacto que afeta o bem-estar físico e psíquico da mulher e sua realização pessoal e desequilibra totalmente a relação do casal.

Redes solidárias

A articulação de redes de apoio às mães atípicas é uma alternativa que tem se multiplicado em todo o mundo, com excelentes resultados. São comunidades que atuam em diversas frentes. Entre elas, o compartilhamento de contatos de médicos, terapeutas e outros especialistas; criação de minicooperativas; agendamento de encontros para troca de experiências e organização de atividades voluntárias de suporte às participantes, a exemplo de compras no supermercado e trabalhos domésticos.

Vale lembrar que mães de filhos típicos podem e, se tiverem disponibilidade e interesse, devem se integrar a essas redes solidárias, doando um tempo extremamente valioso para quem tem crianças ou adolescentes atípicos em casa.

Esses grupos, nesse formato ampliado, também podem dar uma grande contribuição para a socialização de pessoas com algum tipo de deficiência ou transtorno. Um exemplo: mães de filhos típicos podem convidar os coleguinhas de escola atípicos e suas famílias para as festas de aniversário, ajudando a quebrar o isolamento que muitas vezes acompanha condições como o TEA e TDAH.

Autocuidado é essencial

Além dos parceiros, parceiras e da sociedade, é preciso que as próprias mães atípicas estejam conscientes quanto a suas necessidades especiais e aproveitem esse Dia das Mães para reflexão sobre suas vidas. Canalizar todas as energias para o filho ou a família não vai solucionar os problemas. Pelo contrário, tem um grande potencial de ampliá-los.

Algumas medidas importantes que fazem parte da preservação da saúde física e mental de uma mãe fora dos “padrões” são ter uma folga e sair totalmente da rotina (incluindo familiar) a cada 15 dias, buscar assistência de um psicólogo e se integrar às redes de apoio. Lembre-se que você também precisa de atenção, cuidado, afeto, desenvolvimento pessoal, vida social e descanso.

*Christianne Müller é psicóloga, na linha da fenomenologia existencial. Tem seu trabalho voltado para a condição humana em suas mais diversas manifestações, como psicopatologias, doenças psicossomáticas, transtornos do neurodesenvolvimento e dificuldades emocionais de casais e famílias.

Deixe seu comentário

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon