Em duas semanas, dois anos – Revista Algomais – a revista de Pernambuco

Em duas semanas, dois anos

O que impele um empresário bem-sucedido a reduzir deliberadamente a importância dos seus negócios e deixar o Brasil para viver em outro país? A insegurança? A corrupção? A impunidade?

Não responda agora. Antes, considere que nestes dias em que o progresso tornou o mundo pequeno, é corriqueiro deixar para trás os parentes, os amigos, a pátria, abandonar tudo, enfim. Nos anos 1700, entretanto, era uma desmedida ousadia.
Havia muito tempo, Antônio Gonçalves da Cruz Cabugá planejava seguir o caminho do mundo, e até já se desfizera da maior parte dos seus bens, inclusive o sobrado onde morava. Com a chegada do dia 6 de março de 1817, porém, ele adiou a partida por duas semanas, tempo em que assumiu a presidência do Erário, cargo equivalente, hoje, ao de ministro da Fazenda, para realizar, em curtíssimo prazo, históricas intervenções na economia pernambucana. Assim foi feito.

Ele estabeleceu ampla liberdade de comércio com todas as nações; isentou de taxas os produtos de primeira necessidade; democratizou o sistema de concessão de alvarás, instrumento com que os portugueses mantinham os brasileiros fora do mundo dos negócios; revogou os impostos sobre pequenas lojas, embarcações e canoas; e passou a comprar alimentos e revendê-los à população, a preço de custo. Foi um golpe contundente no monopólio dos mascates lusos, que compravam em grosso, estocavam, esperavam a fome crescer e depois revendiam aos retalheiros, hoje por cinco, amanhã por 10, depois por 15…

Foram medidas de grande impacto, tomadas em apenas duas semanas, após o que ele embarcou para os Estados Unidos na condição de primeiro embaixador do Brasil junto a uma nação estrangeira. Do seu trabalho naquele país dependia o futuro do regime democrático que se buscava implantar no Brasil, a partir de Pernambuco, a capitania mais próspera do País, conquanto suas classes populares vivessem quase na miséria.

Pensando bem, como gigantesca exportadora de açúcar e algodão, a capitania pernambucana, líder econômica regional, poderia progredir ainda mais, se os produtores agrícolas não fossem compelidos a um embate constante com os monopólios comerciais, os juros escorchantes e a enorme carga tributária imposta pelo governo de D. João.

Nos Estados Unidos, a missão do diplomata pernambucano era obter do governo o reconhecimento da República brasileira e advogar por ela junto à Inglaterra, oferecendo em troca 20 anos de isenção de impostos para os produtos norte-americanos. Outra busca urgente era adquirir navios de guerra, armas e instrutores para equipar e treinar as tropas pernambucanas. Ele cumpriu fielmente todos os encargos. Adquiriu 10 mil fuzis e trouxe como instrutores militares franceses exilados na América do Norte após a derrota de Napoleão em Waterloo.

Mas não ficou só nisso.

Também fez um bom trabalho junto à imprensa. Quando algumas vozes anônimas tentaram negar o valor do movimento pernambucano, nos jornais de lá, alegando tratar-se de rebeldia de uma região isolada, diferentemente da América Espanhola, que se levantara de norte a sul, a resposta foi rápida e certeira: Boston, com uma população ainda menor que a do Recife, também começara a revolução norte-americana solitária… Ademais, o próprio Thomas Jefferson, um dos fundadores dos Estados Unidos, chegou a escrever ao francês Lafayette, herói das revoluções norte-americana e francesa, sugerindo que Lisboa perdera uma grande província, e não seria de admirar se todo o Brasil se levantasse e mandasse a família real de volta para Portugal. Quanto à segunda parte, acertou em cheio. A República foi proclamada.

Mulato, pouco mais de 40 anos, rico, solteiro, farrista, aplicado praticante dos prazeres da vida, ele era abominado pelos portugueses e ferrenho defensor dos ideais franceses calcados em liberdade, igualdade e fraternidade.

Um dos mais importantes vultos da Revolução de 1817, Cruz Cabugá continua presente em nosso cotidiano. Na memória de cada pernambucano e na avenida que tem seu nome ligando Recife e Olinda.

*Por Marcelo Alcoforado

Deixe seu comentário
anúncio 5 passos para im ... ltura Data Driven na sua empresa

+ Recentes

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon