Estabilidade na confiança empresarial em Pernambuco contrasta com queda nacional – Revista Algomais – a revista de Pernambuco
Gente & Negócios

Gente & Negócios

Rafael Dantas

Estabilidade na confiança empresarial em Pernambuco contrasta com queda nacional

O Índice de Confiança dos Empresários do Comércio (Icec/CNC), divulgado pela Fecomércio Pernambuco, manteve-se estável no estado no mês de novembro, contrariando a tendência de queda no Brasil. Enquanto o mercado de trabalho no estado teve uma influência negativa, reflexo do terceiro trimestre, o avanço nos investimentos das empresas contribuiu positivamente para a estabilidade.

ONDE ESTÃO OS OTIMISTAS

O cenário otimista acontece principalmente no setor de bens não duráveis, segundo dados da Fecomércio Pernambuco. De acordo com a pesquisa, 49,7% dos comerciantes desse segmento expressaram otimismo, indicando uma melhoria nas condições atuais do setor. Os dados revelam que gestores de empresas menores, com até 50 funcionários, estão otimistas em relação à contratação de colaboradores nos próximos meses, com 74,5% planejando aumentar o quadro de empregados. No setor de semiduráveis, como vestuário, calçados e perfumes, 86,2% dos empresários acreditam que haverá um aumento nas contratações, impulsionado pelo incremento de mão de obra temporária devido às festas de fim de ano.

SETOR DE BENS DURÁVEIS ESTÁ PESSIMISTA

Entretanto, o Icec/CNC indica que os grupos que comercializam bens duráveis mostram pessimismo em relação às condições econômicas do Brasil. Empresários desse segmento apontaram que as condições econômicas do país pioraram, alinhando-se à percepção dos consumidores, sendo que a maioria (50,8%) considera um mau momento para adquirir bens duráveis.

Rafael Lima, economista da Fecomércio-PE

“A estabilidade do Icec/CNC em Pernambuco indica que a confiança dos empresários do setor comercial permanece em processo de estabilização. Na região, seis em cada dez empresários observam uma deterioração na atividade econômica nacional, refletindo as incertezas macroeconômicas como risco fiscal e elevado endividamento. Em contrapartida, o otimismo no segmento de semiduráveis - como vestuário e calçados -, em novembro ainda é impactado pelas sazonalidades de Natal e Ano Novo”.
Deixe seu comentário

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon