Assine

A Covid-19 internacionalizou o trabalho em conhecimento. E agora?

A Covid-19 internacionalizou o trabalho em conhecimento. E agora?

Publicado em 30/09/2020 por Revista algomais às 5:22
Foto: Tom Cabral/Algomais

*Por Silvio Meira

Em 1971, quando vim morar no Recife, meu pai veio trabalhar num escritório na Rua Marquês de Olinda (um dia eu ainda consigo comprar o prédio onde estava sediada a empresa que era líder no mercado de algodão no País). Mas, ao desistir de competir globalmente, o negócio deixou de ser competitivo no Brasil e acabou fechando. Resultado: desemprego de todos os funcionários no Nordeste, com muitos migrando para as novas zonas do algodão no Cerrado.

Postal antigo da Rua Marques de Olinda (Fundaj, Acervo Josebias Bandeira)

.
Em 1972, a Ilha do Recife abrigava a sede de cinco bancos, quatro regionais e um banco regional/nacional. Nenhum desses cinco bancos decidiu competir nacionalmente. Pelo menos um deles poderia ter feito isso. Nenhum nem tentou. Estavam contentes em serem pequenos bancos e isso os levou a uma inviabilidade de modelo de negócios e à venda, à falência ou ao fechamento de todos. Resultado: perda total de capacidade de decisão local para investimentos; perda total das competências fin+tech para o espaço econômico local; migração em massa para São Paulo e fora do Brasil e – ainda bem! – um bom número de competências em empresas e organizações que hoje fazem parte do Porto Digital.
.

Bairro do Recife, que abriga o pólo tecnológico do Porto Digital.

.
A destruição criativa do setor financeiro do Recife – que tinha tido até uma Bolsa de Valores, criada em 1967 – talvez tenha sido uma das fundações para a criação do que hoje é o Porto Digital, por muitas vias.
.

Edifício da Bolsa de Valores, onde hoje funciona a Caixa Cultural Recife.

.
Em 2020, a Covid-19 nacionalizou o mercado de trabalho em software e globalizou o mercado de trabalho de conhecimento para quem fala inglês. A deslocalização e a dessincronização de boa parte do trabalho em conhecimento foi acelerada (na minha opinião) de 5 a 10 anos. Ao globalizar o trabalho, a pandemia globalizou, inequivocamente, as empresas porque, na economia do conhecimento, as empresas não competem por clientes mas por trabalhadores. A verdadeira disputa global por colaboradores começou agora.

“Na economia do conhecimento, as empresas não competem por clientes mas por trabalhadores. A verdadeira disputa global por colaboradores começou agora.”

Qual é o desafio das empresas de software (e de conhecimento), no mundo inteiro? Escrito de forma muito simples e, consequentemente, incompleta, é criar e evoluir um ambiente cultural digital de classe mundial, capaz de manter o capital humano que ainda tem e atrair o capital humano que precisar, quando precisar, seja lá de onde for, para ir, física ou digitalmente, para onde elas estiverem. No nosso caso, no Recife, para o Porto Digital.
.

Prédio do Núcleo de Gestão do Porto Digital, no Recife.

.
Sem nem entrar em detalhes de como se chega lá e no subproblema (sim, é só um subproblema) de salários, a sobrevivência de negócios de conhecimento, na economia do conhecimento, em qualquer lugar do mundo, vai depender de cultura. Em quase todos os negócios e em todos os lugares, cultura depende de lugar. De espaço físico. De contexto. Da casa, do bar, da praça e do Carnaval; a rua, o restaurante e o festival, como o Rec’n’Play.

Nós não somos digitais. Não tomamos café de bits. Churrasco não é um download e o dá-o-loud (nome do bloco carnavalesco fundado por colaboradores do CESAR) é Carnaval de gente, frevo, suor e cerveja. Podemos ser – nos nossos negócios – processadores simbólicos. Mas isso somos os “nós-como-fim”, que é ameaçado por robôs e, talvez, conquistado pra trabalhar remoto, pra uma empresa que pouco importa onde fica, porque nos paga mais pra ficar longe, em casa e, não, criar os problemas contextuais (como de relações de trabalho) lá onde a empresa está, fisicamente, porque em algum lugar há de.

Por um tempo, acho que vai ser muito massa pra todo mundo que participar. Mas… depois de um tempo, para os “nós-como-meio”, quase todo mundo vai sacar que esse é, em parte, um processo desumanizante. E isso não tem nada a ver com as relações de trabalho, está relacionado ao status de cada pessoa como cidadão de primeira classe (que tem todos os direitos e deveres), seja lá onde estiver.

“Mas será que o futuro do trabalho (de conhecimento, em especial) é puramente digital? Não sabemos. Talvez seja. Eu acho que não será.”

Mas será que o futuro do trabalho (de conhecimento, em especial) é puramente digital? Não sabemos. Talvez seja. Eu acho que não será. Não completamente. Mas, seja como for, só há um caminho para as empresas sobreviverem que é serem tão boas para atrair pessoas quanto as melhores empresas do mundo atraem para elas, seja digital ou fisicamente ou no modo figital, o físico, estendido pelo digital, articulado pelo e no social, em tempo quase real.

Três exemplos? A Amazon já está tentando criar o melhor ambiente de trabalho físico possível. Google está construindo um novo megacampus físico que, em si, é uma atração para o trabalhador. Paris está montando a maior rede de incubadoras em grandes cidades do mundo e um campus físico (Paris-Saclay, https://econ.st/2DVxkGy), com nove mil professores, pra ser “o MIT” da Europa… Tudo físico. Local. Prédios, gente, bares, labs, ruas, bikes, empresas, escolas, de classe global, como no Porto Digital.
.

Escritório da Google – Foto: Divulgação

.
O campus de tecnologia do Recife – e do Nordeste – é o Porto Digital. Nosso maior problema de sobrevivência, desde sempre e para sempre, é atrair talentos para trabalharem nas empresas do Porto, começando a fazer isso desde o ensino fundamental, no Recife e região, e criando as condições para que as pessoas possam trabalhar nas empresas daqui, aqui e para o mundo.

Isso vai exigir que as empresas locais aumentem dramaticamente sua competitividade? Disso eu não tenho dúvida. A Covid-19 nos pôs, a todos, no mesmo campo de competição por talento, que passou a ser o mundo. E eu vi o mundo e ele começava no Recife. Para ser mais exato, no Marco Zero. Tá escrito lá no Marco, no chão. E é um quadro de Cícero Dias. Lindo, por sinal!

*Silvio Meira é Presidente do Conselho de Administração do Porto Digital.

.


LEIA TAMBÉM

O futuro é pra quem tem capacidade de aprender

José Carlos Cavalcanti: “Porto Digital tem perspectiva de crescer mesmo com pandemia”

 

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »