Começa hoje (10) a Fenearte 2021, com homenagem ao Movimento Armorial

Da Adepe

Pernambuco recebe, a partir de hoje (10), 21ª edição da Feira Nacional de Negócios do Artesanato, a Fenearte, que segue até o dia 19 de dezembro, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda. Com o tema “É Festa no Reino da Arte”, o evento homenageia o Movimento Armorial, iniciativa artístico-cultural idealizada pelo escritor e dramaturgo Ariano Suassuna, que teve como propósito criar uma arte erudita por meio dos elementos e riqueza da nossa cultura popular. Este ano, também celebrado o cinquentenário do romance “A Pedra do Reino”, de autoria de Ariano, lançado em 1971, um dos ícones estéticos do Movimento.

Nascido na década de 70, o Movimento Armorial surgiu com o objetivo de valorizar as artes populares nordestinas e sua ancestralidade ibérica. Idealizada por Ariano Suassuna, a manifestação ganhou força e foi grande inspiração em diversas expressões artísticas, como literatura, música, dança, teatro, artes plásticas, arquitetura, cinema, entre outras linguagens. O movimento 100% brasileiro e nordestino mostrou a força da nossa arte, buscando as perspectivas do sertão e apresentando a riqueza dos nossos valores culturais e artísticos.

Ariano Suassuna conceitua a Estética Armorial como “a criação alheia de uma heráldica nordestina, mais especificamente sertaneja”. Com base nessa pesquisa, a cenografia da Fenearte, projetada por Carlos Augusto Lira, é valorizada com a utilização de figuras iconográficas, símbolos e elementos ligados à estética armorial. O resultado é uma rica linguagem visual, que promete encher os olhos dos visitantes.

Contribuindo para a retomada da economia criativa em Pernambuco, a Feira será realizada ao longo de dez dias e receberá cerca de cinco mil expositores, distribuídos em 700 espaços, em uma área de 30 mil m². Com investimento de R$7 milhões, o evento vai gerar cerca de 2,5 mil postos de trabalho temporário e tem uma expectativa de movimentação financeira de R$40 milhões. A Fenearte espera atrair mais de 200 mil visitantes e é oportunidade de negócios, informação, conhecimento e muita diversão.

A cada edição, o evento busca se oxigenar, se aproximando de novos públicos, abrindo espaço para novas atrações. Entre as novidades deste ano estão a Praça de alimentação repaginada e a Cozinha Fenearte, com aulas de chefs renomados; ampliação da acessibilidade; oficinas inéditas; programação artística inteiramente focada na cultura pernambucana; e a plataforma Fenearte, com bastante conteúdo desenvolvido ao longo do evento e vitrine de produtos.

NOVIDADES DA 21 ª EDIÇÃO

PROTOCOLO – Para garantir a segurança e a saúde dos expositores, visitantes e da organização, a Fenearte seguirá um protocolo específico determinado pelo Governo de Pernambuco por meio de sua Secretaria de Saúde, além das regras de convivência já pré-estabelecidas pelo Comitê Estadual de Enfrentamento à Covid-19. O acesso ao evento será mediante apresentação do esquema vacinal completo. O uso da máscara será obrigatório a todos que acessarem o evento. Também haverá ponto de vacinação e de testagem rápida na área externa. Além de máquina sanitizante, 90 totens de álcool em gel estarão disponíveis no percurso da feira e máscaras serão distribuídas para os expositores.

PLATAFORMA FENEARTE – Acompanhando as principais movimentações e inovações do cenário atual, a Feira estreia uma plataforma online através do seu site (www.fenearte.pe.gov.br). Nela, o público terá acesso a informações completas, entre elas dados sobre os mestres artesãos de Pernambuco, desfiles, programação cultural, palestras, tutoriais de práticas artesanais, além de uma vitrine virtual de produtos. O conteúdo da Feira ficará disponível o ano todo. A ideia é que a partir de então o evento ganhe uma espécie de memória digital.

ALAMEDA DOS MESTRES – Muitos são os protagonistas da Fenearte, mas quem dá as boas-vindas aos visitantes são os 64 artistas pernambucanos reunidos na Alameda dos Mestres, com destaque para os estreantes Luiza dos Tatus e Lourenço. O emblemático local apresenta trabalhos elaborados nas mais variadas técnicas e tipologias desses ilustres símbolos de resistência e afirmação da nossa identidade, mantenedores de histórias que perpetuam o conhecimento do ofício por gerações. Na Alameda, o público poderá vivenciar uma experiência imersiva na expressão da singularidade da cultura material pernambucana, que se concentra em suas raízes e em seu poder transformador.

Luiza dos Tatus – Vinda de Belo Jardim, no Sítio Rodrigues, Luiza é uma das muitas artesãs que fez da arte de moldar o barro uma extensão da sua vida e de todas as suas experiências. Conectando sua arte a toda a natureza, e principalmente ao reino animal, ficou conhecida como Luiza dos Tatus pela produção desses animais. No entanto, Luiza tem uma produção diversa, e faz vários tipos de peças, todas moldadas e tingidas em diferentes cores de barro.

Lourenço – Filho de pescador e oriundo de Goiana, Lourenço Pereira Luna começou a trabalhar com a fibra de cana brava aos 9 anos de idade, quando auxiliava o pai nas armadilhas para peixes e lagostas. Após a morte do pai, buscando o sustento para a família, começou a produção de cestas feitas em palha. O artesão tinha 23 anos quando fez a sua primeira peça em fibra, rústica e sem acabamento. Mostrou a toda a família que hoje trabalham juntos com a mesma matéria prima e produzem mais de cem produtos diferentes, entre cestas, luminárias, boleiras, jarros, sousplats e roupeiros.

LOJA MODA AUTORAL DE PERNAMBUCO – MAPE – Outra novidade desta edição será um espaço dedicado à Loja da Moda Autoral de Pernambuco – Mape, iniciativa de comercialização colaborativa que foi inaugurada em julho deste ano em uma área integrada ao Centro de Artesanato de Pernambuco, no Marco Zero. Na Feira, a Mape reforçará o seu conceito apresentando marcas e criativos pernambucanos, cujos trabalhos são elaborados e produzidos com a utilização de saberes e recursos locais.

PASSARELA FENEARTE – No tradicional espaço de moda da Feira, localizado no mezanino do pavilhão do Centro de Convenções, estudantes de moda e estilistas locais desfilam suas coleções. A estreia é no sábado (11), às 18h, com a caprichosa apresentação da Loja de Moda Autoral de Pernambuco – Mape, com execução de trilha sonora ao vivo. Ao todo serão 15 desfiles, entre 11 e 18 de dezembro. “Convidamos todos os cursos superiores de moda do estado, porque queremos que os alunos aprendam a pensar na concepção de um desfile, a ver o elemento artesanal como parte da moda e a trabalhar em grupo”, explica Andrea Tom, coordenadora da Passarela.

OFICINAS – Com o objetivo de fortalecer os saberes e preservar a tradição, contribuindo para que importantes manifestações não se percam, será oferecida uma robusta programação de oficinas: Artesanato em Palha, Brinquedo Tradicional, Estandarte, Instrumento Musical, Mamulengo, Máscara e Adereços, Modelagem em Cerâmica, Reciclado, Renda Renascença, Xilogravura e Linhas (Pingouim). Todas gratuitas, as aulas terão 10 alunos no máximo e serão realizadas no mezanino, todos os dias, das 13h às 21h, mesmo local das inscrições.

Grade ampliada – Ao todo, serão 138 turmas, que tiveram sua grade ampliada para poder atender com segurança o mesmo número de inscritos das edições passadas. Serão ministradas por Mestre Lourenço (palha); Mestre Nado (cerâmica e instrumentos musicais); e pelos artesãos: Pablo Borges, Cleybson Barros, Micaella Alcântara, Valter Antônio, Flávio Davy, Antônio Joaquim, Laila Ramona, Luiza Maria, Silvana Medeiros, Flávia Regina, Marines Teresa, Edjane Maria, Jorge Wanderley, Gabriela Carvalho, Dilhermando Alves, Marines Silva, Luis Antonio e João Bosco.

SALÕES DE ARTE POPULAR ANA HOLANDA E ARTE POPULAR RELIGIOSA / GALERIA DOS RECICLADOS – A programação da Fenearte extrapola o pavilhão do Centro de Convenções e, logo na entrada do evento, traz o 16 º Salão de Arte Popular Ana Holanda, o 5º Salão de Arte Popular Religiosa e a 14ª Galeria dos Reciclados. As mostras trazem obras selecionadas desses concursos promovidos pela Fenearte, que têm abrangência nacional e tiveram inscrições de diversas partes do País. São mostras reunindo 178 trabalhos que se comunicam apesar das linguagens e temáticas distintas, expostas numa área bem destacada próxima às bilheterias.

Premiação – Uma comissão julgadora formada por artistas, colecionadores, estudiosos e formadores de opinião selecionaram três ganhadores de cada salão, cada um, representando uma categoria (madeira, cerâmica e outros), será premiado com a quantia de R$ 8,6 mil. Durante a Feira, haverá ainda uma votação do Prêmio Aclamação que vai eleger a melhor peça de cada exibição, por meio do voto popular. Esse ano o voto poderá ser realizado no local e na plataforma online da feira.

Curadoria – O arquiteto e colecionador Carlos Augusto Lira é o curador do 16º Salão de Arte Popular. Para o 5º Salão de Arte Popular Religiosa, Frei Rinaldo Pereira, gestor do Museu de Arte Sacra de Pernambuco (Maspe) selecionou peças que traduzem a pluralidade de representações religiosas. O designer Ticiano Arraes assina a curadoria da 15ª Galeria de Reciclados com criações que contribuem para uma reflexão sobre a sustentabilidade.

ESPAÇO JANETE COSTA – Uma das características mais marcantes da arquiteta pernambucana Janete Costa, falecida em 2008, era valorizar a cultura regional. Em seus projetos, o popular e movimentos de vanguarda sempre caminharam de mãos dadas. Foi apaixonada pela cultura e pela diversidade brasileira e preocupou-se em disseminar

a cultura popular pelo País e pelo mundo. Acreditava na arquitetura como forma de promover uma transformação sociocultural e exaltava o artesanato brasileiro colocando-o em destaque nos seus projetos.

Inspirado neste potente legado, a Fenearte criou o Espaço Janete Costa que completa 19 anos nesta edição. Idealizado pelas arquitetas Bete Paes e Roberta Borsoi, o local busca valorizar o diálogo entre artesanato e design e o seu uso na decoração promovendo novos olhares. Este ano serão montados pequenos ambientes com decoração minimalista com o intuito de valorizar as peças artesanais.

Mostra – Também haverá uma mostra reunindo trabalhos dos designers Fábio Melo e Fernando Ancil e a presença dos mestres artesãos Kulikyrda Stive Mehinaku (bancos indígenas) do Xingu – MT, Espedito Seleiro (mobiliário e calçados em couro) de Nova Olinda- CE e Mestre Paquinha (santeiro em madeira) de Teresina-PI. Todos com espaço expositivo e venda de produtos.

Palestras online – Em função da pandemia, a programação de palestras, que já virou tradição do espaço, será realizada de forma digital, por meio da Plataforma Fenearte.

No dia 14, às 17h, acontecerá presencialmente o lançamento do livro “Janete Costa arquitetura, design e arte popular”, publicado pela Companhia Editora de Pernambuco – CEPE.

Programação do Espaço Janete Costa na Plataforma Fenearte

Exibição de vídeos com palestras
Nina Sargaço (Origem das rendas do NE e a importância de sua conservação)

Regina Galvão (Design X Artesanato)

Carmem Virgínia (Cozinha Ancestral)

João Suassuna (Na Trilha do Mestre Ariano)

Júlia Rebouças (Panorama Sertão e Brennand)

ESTADOS E PAÍSES – Expositores vindos de 25 estados brasileiros e do Distrito Federal irão marcar presença nesta vigésima primeira edição. O Programa do Artesanato Brasileiro (PAB) ocupará a área central do pavilhão com representações de todas as regiões do País. Esse caldeirão criativo faz da Fenearte uma excelente oportunidade para o público conferir a riqueza, a qualidade e a diversidade do artesanato produzido nos quatro cantos do Brasil. O setor internacional, sempre muito concorrido pelo público, contará com 21 países ocupando 40 estandes. Pela primeira vez, a Fenearte acolherá uma representação de migrantes e refugiados internacionais do Senegal e Benin (África); e venezuelanos da etnia Warao (América do Sul), para expor e comercializar a arte de seus territórios de origem.

SEBRAE/PE – Um espaço que ocupa uma área de 540m² para abrigar 40 estandes no Espaço Economia Criativa, para exposição e comercialização de produtos de artesãos originários de municípios atendidos pela instituição no estado, e para a realização da Rodadas de Negócios, que contará com lojistas/compradores de vários estados do Brasil, com expectativa de negócios estimada em R$ 2.8 milhões.

LANÇAMENTO DO LIVRO FENEARTE – Duas décadas da maior Feira de artesanato da América Latina será lançado no dia 11, na mesma ocasião da abertura da exposição de Fred Jordão, que assina as fotos da obra. O livro foi produzido pela Cepe Editora em homenagem à feira e terá distribuição feita pela Adepe. A publicação é uma iniciativa da Companhia Editora de Pernambuco – CEPE e narra a história da Feira, uma política pública de Estado exitosa e longeva, ao tempo que mantém a memória do evento. Escrita pela jornalista Sílvia Bessa, a obra traz uma pesquisa profunda e o relato memorial dos protagonistas da idealização e consolidação da maior Feira de artesanato da América Latina, orgulho de todos os pernambucanos e reconhecida pela preservação e salvaguarda do Patrimônio Cultural.

EXPOSIÇÃO – Mais um destaque deste ano é a exposição “O Caminho do Artesanato de Pernambuco” com fotografias dos mestres artesãos de nosso estado, assinadas por Fred Jordão. A mostra reúne 85 fotografias de artistas populares em seus ateliês e oficinas, além de imagens com detalhes de peças e paisagens. O projeto expográfico, elaborado por Carla Gama e Mariana Sampaio, foi pensado para criar um ambiente lúdico permitindo que o visitante possa interagir com o espaço. Enfrentar

PRAÇAS DE DESCANSO – Em parceria com o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) seção Pernambuco e as faculdades de arquitetura do Estado, foram selecionados grupos de alunos a partir do 4º período para projetar as 06 praças de descanso da Feira. Utilizando referências do Movimento Armorial nos projetos, participam equipes de estudantes das seguintes instituições: Uninassau 3, Unifavip/Widen, Esuda e Unifg. No decorrer do evento, as praças serão avaliadas por um corpo de, classificadas em 1º, 2º e 3º lugar e receberão troféus.

PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA – O Programa Chapéu de Palha, de políticas públicas como alternativa de apoio para os trabalhadores rurais da cana-de-açúcar e da fruticultura irrigada e pescadores artesanais, participa novamente da Fenearte, com um estande na área externa coordenando a distribuição de 5 mil mudas, sendo 4 mil doadas por Suape e 1 mil fornecidas pela Compesa. Criado em 1988 pelo Governador Miguel Arraes no enfrentamento do problema do desemprego em massa no período de entressafra, o Programa foi institucionalizado em 2007 pelo Governador Eduardo Campos. No Governo Paulo Câmara, o Chapéu de Palha continua sendo prioridade e chega este ano a 15ª edição consecutiva desde a sua reedição.

APLICATIVO – Pelo quarto ano consecutivo, a Fenearte terá um aplicativo exclusivo desenvolvido por alunos da rede pública estadual que já está disponível na Apple Store. A ferramenta foi criada por alunos da Escola Técnica Estadual Ariano Villar Suassuna, em Garanhuns, sob a orientação do professor Gilson Moraes. O aplicativo 21ª Fenearte pode ser baixado em dispositivos móveis (smatphones e tablets compatíveis para Android e iOS) com toda programação e serviços disponíveis no evento.

ARTE INDÍGENA – A arte produzida pelas comunidades indígenas situadas na região Nordeste tem espaço garantido na Fenearte. Nesta edição estarão presentes as seguintes etnias: Fulni-ô, Xukuru, Kambiwá, Pankararu, Atikum, Kapinawá, Pataxó e Kariri-xocó.

APRESENTAÇÕES CULTURAIS E ATIVIDADES INFANTIS – A Fenearte oferecerá uma programação selecionada pela Fundarpe, inteiramente focada na valorização da cultura pernambucana com destaque para apresentações de Patrimônios Vivos de Pernambuco e grupos de várias regiões do Estado. Nesta edição, valoriza o Movimento Armorial e o período natalino apresentando Reisados e Pastoris. Entre as atrações: Salustiano e a Rabeca Encantada, Cavalo Marinho Boi Pintado do Mestre Grimário, Mestre Zeca do Rolete, Coco de Mulheres, Tribo Indígena Carijós Caboclinhos, Maracatu Estrela Brilhante de Igarassu, Coco Raízes de Arcoverde, Coco de Fulô, Mestre Galo Preto. O Bloco da Saudade encerrará a programação cultural. E a diversão também não vai faltar para a garotada com as atividades recreativas guiadas pela Escolinha de Arte do Recife.

NOVA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO – Com novo ambiente, a Praça de Alimentação passou por uma repaginada. O espaço está mais humanizado, aconchegante e acolhedor, ganhou inovação no mobiliário, além de abrigar uma a Cozinha Show e um novo palco mais inclusivo.

COZINHA FENEARTE – Na nova praça de alimentação, uma grande atração será a Cozinha Fenearte com apresentações diárias de chefs pernambucanos compartilhando suas técnicas e receitas com o público. A experiência será completa e os pratos serão finalizados com o serviço em mesas postas utilizando peças utilitárias artesanais garimpadas na própria Fenearte. Em parceria com a coordenação do evento, o Chef César Santos participa da curadoria.

SERVIÇO 21ª FENEARTE

De 10 (sexta-feira) a 19 (domingo) de dezembro de 2021 Centro de Convenções de Pernambuco Das 14h às 22h: de segunda a sexta-feira

Das 10h às 22h: sábado e domingo

Valores dos ingressos de segunda a quinta: R$ 10 (inteira) R$ 5 (meia)

Valores dos ingressos sexta, sábado e domingo: R$ 12 (inteira) R$ 6 (meia)

Deixe seu comentário

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon