Luta contra a Aids chega a 30 anos

Em alusão ao Dia Mundial de Luta Contra Aids (1º de dezembro) e aos 30 anos de acompanhamento de aids pediátrico no IMIP, a Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS) realiza a Campanha Alegria no Hospital-Dia, para arrecadação de revistas em quadrinhos, livros infanto-juvenis, jogos de tabuleiro e eletrônicos e brinquedos para doação ao Hospital-Dia Pediátrico do IMIP. O coordenador do mestrado de Educação Para o Ensino na Área de Saúde e coordenador adjunto do curso de Medicina da FPS, Edvaldo Souza, foi quem realizou no IMIP o diagnóstico do primeiro caso infantil de aids em 1987, sendo também o primeiro caso registrado no Norte e Nordeste do Brasil, se tornando posteriormente referência nacional para assistência e treinamento de profissionais de saúde de todo o país.

A campanha tem postos de arrecadação na própria Fundação Alice Figueira no IMIP (Rua dos Coelhos, 300, Boa Vista) e também nos diretórios acadêmicos da Faculdade Pernambucana de Saúde (Avenida Mascarenhas de Morais, 4861, Imbiribeira). Caso a arrecadação seja mais do que o necessário, as doações serão compartilhadas com outras instituições públicas que atendam o mesmo público.

Primeiro Diagnóstico

O imunologista Edvaldo Souza conta que, com base em observações e conhecimento, foi possível fazer o diagnóstico de uma então doença nova. Infelizmente, o primeiro caso veio a falecer já na faixa etária de adulto jovem por abandono do tratamento associado a preconceito e desenvolveu problemas de saúde aos quais não resistiu. “Mesmo com o passar dos anos, o que mata alguém de AIDS ainda é o preconceito sofrido e, por causa disso, o paciente decide abandonar o tratamento”.

PRIMEIROS DIAGNÓSTICOS DE AIDS

 

ADULTO

CRIANÇA

MUNDO

1881

1983

BRASIL

1983

1985

PERNAMBUCO

1985

1987*

PRIMEIROS DIAGNÓSTICOS DE AIDS

ADULTO
CRIANÇA
MUNDO
1881
1983
BRASIL
1983
1985
PERNAMBUCO
1985
1987*

* Diagnóstico pelo imunologista Edvaldo Souza, no IMIP.

Numa linha do tempo após o diagnóstico, é possível entender e acompanhar a evolução dos diagnósticos e tratamentos:

1988 – O IMIP se tornou centro de referência nacional para cuidados com a AIDS – o Ministério da Saúde elegeu cinco hospitais referência em todo o país;
1992 – O AZT comprimidos começou a ser usado e o IMIP manipulou e ofertou sob forma de xarope para suas crianças;
1994 – Iniciada a terapia dupla (duas drogas simultâneas);
1994 – Liberados os resultados iniciais da transmissão vertical – de mãe para filho;
1996 – Criado o serviço de imunologia clínica e hospital-dia no IMIP, com seis leitos e incorporado o atendimento da família infectada pelo HIV;
1996 – Iniciou-se a terapia combinada, o famoso “coquetel” de medicamentos;
2001 – Foi implantado o Projeto Nacional Nascer Maternidades – treinando profissionais para atendimento à gestante portadora de HIV, ao recém-nascido, reduzindo a percentuais mínimos a transmissão do HIV da mãe para seu filho;
2003 – Foi ampliado o serviço multiprofissional SAE (Serviço de Assistência Especializada) e o Hospital-Dia passou a oferecer 16 leitos, sendo 8 para adultos e 8 para crianças.

Todos esses cuidados possibilitaram que, com o passar dos anos, as crianças infectadas se tornaram adolescentes e adultos com qualidade de vida e totalmente inseridos na sociedade. Edvaldo destaca que a aids não é mais uma doença letal, mas que é preciso tratamento e acompanhamento a longo prazo. E o que causa de morte ainda é o abandono de tratamento.

Até hoje, foram atendidos cerca de 616 pacientes infanto-juvenis no IMIP. E se antes a expectativa de vida era de dois anos após. O diagnóstico de aids, congênito era de 20 anos, atualmente só depende da adesão correta ao tratamento com as drogas disponíveis em esquemas mais simples e com menos efeitos adversos.

“Hoje é percebido o aumento de jovens infectados, homens e mulheres, não por falta de informação nem acesso à informação, mas sim pela falta de cuidado e de prevenção. O consumo de drogas e álcool torna as pessoas mais vulneráveis”, explica Edvaldo.

Dia Mundial de Luta Contra a Aids

Transformar o 1º de dezembro em Dia Mundial de Luta Contra a Aids foi uma decisão da Assembleia Mundial de Saúde, em outubro de 1987, com apoio da Organização das Nações Unidas – ONU. A data serve para reforçar a solidariedade, a tolerância, a compaixão e a compreensão com as pessoas infectadas pelo HIV/AIDS. A escolha dessa data seguiu critérios próprios das Nações Unidas. No Brasil, a data passou a ser adotada, a partir de 1988, por uma portaria assinada pelo Ministro da Saúde.

Deixe seu comentário

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon