Assine

Paulo Câmara visita fábrica da Sputnik V para negociar compra de vacinas

Paulo Câmara visita fábrica da Sputnik V para negociar compra de vacinas

Publicado em 03/03/2021 por Revista algomais às 5:00
Governador também participou de videoconferência com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, para discutir apoio no combate à pandemia, e criticou vetos do presidente à MP das Vacinas. Fotos: Divulgação/SEI

Paulo Câmara esteve ontem (2) no Distrito Federal para se reunir com a direção da fábrica da União Química, que é a responsável no Brasil por produzir o imunizante russo Sputnik V. Além de conhecer as instalações da empresa, o governador pernambucano, ao lado de outros governadores do País, participou de reunião com o CEO da União Química, Fernando Marques. Também estiveram presentes o diretor de Negócios Internacionais, Rogério Rosso, e o embaixador da Rússia no Brasil, Sergey Akopov. Diante do apagão de vacinas no Brasil, a expectativa dessa negociação é de de realizar a compra direta, caso o governo federal não tenha condições de atender os Estados na distribuição do imunizante.

“A documentação da Sputnik V foi entregue à Anvisa e, havendo autorização, já deveremos ter, a partir do mês de abril, a fabricação desse imunizante no Brasil. Isso vai nos ajudar a acelerar o processo de vacinação da nossa população, juntamente com a produção dos laboratórios Butantan e Fiocruz, para termos mais opções de vacinas. Até porque, a quantidade de vacinas, hoje, ainda está bem aquém do necessário para garantirmos uma cobertura satisfatória para a população brasileira”, afirmou Paulo Câmara.

Nas pesquisas científicas já publicadas sobre o imunizante russo, a Sputnik V possui um nível de eficácia acima de 90%. Na América Latina, por exemplo, o imunizante é utilizado na Argentina. Sendo aprovado no Brasil, a promessa da fabricante é de entregar de imediato 10 milhões de doses e de fabricar até o final do ano 150 milhões. Para isso aguarda a aprovação da Anvisa.

Se a conversa com a fabricante russa foi um passo importante para garantir a aceleração da aquisição do imunizante, a má notícia de ontem foi o veto do presidente Jair Bolsonaro a trechos da Medida Provisória das Vacinas que dificultam as compras de forma direta pelos Estados. Um dos vetos de Bolsonaro, por exemplo, foi ao dispositivo que dava prazo de cinco dias para a Anvisa aprovar o uso emergencial de vacinas.

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »