Assine

Fiocruz pesquisa uso das práticas integrativas na pandemia

Fiocruz pesquisa uso das práticas integrativas na pandemia

Publicado em 07/12/2020 por Algomais às 13:07

Qual o impacto da pandemia de Covid-19 e do isolamento social provocado por ela na rotina do brasileiro? Há pessoas que recorreram à homeopatia, meditação, yoga ou a outra prática integrativa e complementar em saúde para aliviar o estresse ou fortalecer o cuidado com o corpo? Para esclarecer esse cenário está em curso a pesquisa nacional Uso de Práticas Integrativas e Complementares no Contexto da Covid-19 (PICCovid). O estudo, considerado o mais amplo já desenvolvido no País sobre a temática, é uma iniciativa do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict), da Fundação Oswaldo Cruz, em parceria com o Observatório Nacional de Saberes e Práticas Tradicionais, Integrativas e Complementares em Saúde (ObservaPICS/Fiocruz) e a Faculdade de Medicina de Petrópolis, ligada ao Centro Universitário Arthur Sá Earp Neto (Unifase).

Aplicada de forma on-line em todo território brasileiro, a pesquisa PICCovid pretende avaliar o uso das práticas integrativas (PICS) nos últimos meses, desde que o novo coronavírus começou a ser transmitido no país. O questionário pode ser acessado por computador, tablet ou celular, a partir do link http://bit.ly/PICCovid. Iniciada na última semana de agosto, a escuta já alcançou mais de 11 mil pessoas nas cinco regiões. No Brasil, são 29 PICS reconhecidas pelo Ministério da Saúde, aplicadas principalmente na Atenção Primária, nas unidades municipais. Recursos preventivos e terapêuticos, acupuntura, meditação, yoga, homeopatia, musicoterapia, plantas medicinais, reiki, entre outras, auxiliam, no SUS, na promoção da saúde, associadas a tratamentos convencionais.

 

O uso das terapias integrativas e complementares é orientado, na rede pública de saúde, geralmente para situações de estresse, para restabelecer o bem-estar físico e emocional, sem substituição aos protocolos definidos pela comunidade cientifica para tratamento da Covid-19. “Queremos identificar como tem sido o uso dessas terapias diante de sintomas da Covid-19, ou se a utilização está associada ao tratamento de doença crônica, ou como forma de autocuidado. As PICS têm ótimos resultados na saúde mental, para sintomas como ansiedade, insônia e estresse intenso, bastante comuns durante o isolamento”, descreve Cristiano Siqueira Boccolini, pesquisador em saúde pública do Laboratório de Informação em Saúde (LIS/Icict), coordenador da pesquisa.

Para a pesquisadora da Fiocruz Pernambuco Islândia Carvalho, coordenadora executiva do ObservaPICS, o estudo vai esclarecer diferentes questões: “As respostas vão esclarecer como as pessoas adotam as práticas, se fazem sob alguma orientação. Os resultados devem auxiliar na implantação de políticas públicas”. Além de Cristiano Boccolini e de Islândia Carvalho, participam do estudo as pesquisadoras Patrícia Boccolini, professora da Unifase, e Cristina Rabelais, também do Icict/Fiocruz. “Os resultados da investigação devem fortalecer, com novas informações, a rede de pesquisa multidisciplinar para estudo e uso das PICS, trazendo à luz evidências sobre padrões de utilização das práticas”, observa Patrícia Boccolini.

Mais informações:
Questionário on-line da PICCovid: http://bit.ly/PICCovid
https://www.icict.fiocruz.br/content/covid-19-pesquisa-quer-saber-como-brasileiros-lidam-com-isolamento-social

 

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »