Uma princesa negra

Nestes dias em que o preconceito racial insiste em contrariar a razão, convêm alguns esclarecimentos. Para começar, diga-se que as etnias – ou raças, se você preferir – possuem características que as diferem graças a fatores como a adaptação aos diversos ambientes onde os agrupamentos humanos viviam.
Já que os negros são os mais atingidos pela discriminação, pergunta-se: você sabia que a etimologia da palavra África significa algo como ensolarado…? É na luz solar que se pode entender o porquê da pele escura. A pele branca é característica dos que vivem em ambientes onde o sol é menos intenso, não significando, pois, que ser branco implique alguma vantagem. Acontece que a pele clara faculta sintetizar a vitamina D com menos claridade, enquanto as pessoas de pele escura precisam de mais sol para sintetizar a mesma quantidade da vitamina. Se fosse possível transpor todos os brancos para a África e todos os africanos para a Europa, os primeiros sofreriam o efeito decorrente da insolação, enquanto os africanos passariam a ter avitaminose D e suas consequências.
Basicamente, então, está explanada a única função da pele clara. É apenas uma adaptação evolutiva, não havendo nenhum motivo para alguém se sentir superior pelo simples fato de ser alvo e ter os olhos azuis. Ademais, como é sabido, viemos de homens primitivos, negros, que migraram da África para a Ásia e a Europa. Então, a conclusão é lógica, praticamente não existe a decantada raça pura. Aliás, a ideia do arianismo, glorificada por um maníaco racista, resultou na Segunda Guerra Mundial com seus 85 milhões de mortos.
Por que, então, o racismo? – você, com razão, há de perguntar.
Desde a Antiguidade, os povos guerreavam e os perdedores, não importava a cor da pele, se tornavam cativos do vencedor. O preconceito era chauvinista e não racial, independentemente da cor dos indivíduos. Ocorre que o desenvolvimento europeu trouxe conquistas territoriais e culturais. Os louros de olhos azuis impunham aos vencidos cultura, religião e tudo o mais, restando para os que não se submetiam a morte que, por sua vez, realimentava o racismo nos vencedores e nos submetidos. Com o Renascimento ocorreu o domínio europeu em todo o mundo, alegando ser uma raça superior, destinada por Deus e pela história a comandar o mundo e dominar as raças que não eram europeias, portanto inferiores.
Assim, quando os conquistadores portugueses chegaram à África, cristalizou-se a ideia da superioridade racial. Logo se intensificou o comércio de escravos que, naquela época, era aceito como uma forma de aumentar o número de trabalhadores numa sociedade. Daí resultaram fatos de que nem Deus duvida. Um deles foi a tese de que, assim como os índios, escravos não eram seres humanos, e que, como animais, não tinham alma, sendo justificada por Deus, pois, a sua exploração para o trabalho e os suplícios a que se submetiam.
Daí ao entendimento de que os negros eram uma raça inferior, não houve demora. A discriminação passava a ter base racial. Em sua ignorância, os conquistadores não sabiam que brancos, amarelos, índios, negros, tinham todos os mesmos ancestrais.
Foi nesse cenário de obtusidade que se destacou uma admirável mulher negra que viria a ser mãe de Ganga Zumba e avó materna de Zumbi dos Palmares. Seu nome, Aqualtune Ezgondidu Mahamud, uma princesa do Congo, que liderara, em 1665, dez mil homens na Batalha de Mbwila, havida entre o Congo e Portugal. Derrotada, ela foi escravizada e trazida para o Brasil.
Muito bonita, tão logo chegou ao porto do Recife Aqualtune foi vendida como escrava reprodutora a um fazendeiro especializado em gado que, ao saber da sua origem nobre, a entregou à escória dos homens da fazenda.
Engravidada, ela foi revendida para o engenho de Porto Calvo, onde ouviu falar de um tal Reino dos Palmares, criado por negros que, desde o primeiro momento da escravidão no Brasil, haviam fugido para o interior e criado centros de resistência. Em torno de 1606, um grupo de escravos conseguira se estabelecer nas montanhas de Pernambuco, e ali, na região conhecida como Palmares, formara um mocambo.
O ideal de liberdade logo tomou forma. Surgiu na princesa negra a vontade de fugir e se juntar ao povo de Palmares. Assim fez. Com um grupo de escravos, destruiu a casa–grande e, em seguida, realizou uma bem-sucedida fuga para Palmares. Ao longo do caminho, mais escravos foram se somando ao grupo, registrando-se que com ela chegaram ao destino cerca de 200 escravos.

Logo sua origem real teria sido reconhecida, e ela passou a liderar o reino. Foi ali que ela fundou o Quilombo dos Palmares, e deu à luz a dois filhos, ambos viriam a ser valorosos guerreiros, que também entraram para a história: Ganga Zumba e Ganga Zona, conhecidos pela sua coragem e liderança. Aqualtune também teve uma filha, Sabina, que mais tarde teve um menino chamado Zumbi, que anos depois ficaria famoso como Zumbi dos Palmares, reconhecido como um dos maiores líderes negros da história.

Ganga Zumba e Ganga Zona se tornaram chefes de dois dos mais importantes mocambos de Palmares, um dos principais quilombos do período escravocrata, enquanto ela passou a governar um território quilombola onde as tradições africanas eram mantidas e cada mocambo organizava-se de acordo com suas próprias regras. Ali, os ex-escravos organizavam um Estado Negro abrangendo povoados distintos confederados sob a direção suprema de um chefe, mas em 1677 a aldeia de Aqualtune, que já era idosa, foi queimada pelas expedições coloniais.
Não se sabe a data de morte da princesa negra, mas os quilombolas permaneceram lutando até serem finalmente derrotados, em novembro de 1695, pelo bandeirante Domingos Jorge Velho.
De qualquer forma, seu final da vida é controverso. Uns registram que ela teria morrido queimada na vila onde vivia com outros idosos da comunidade, enquanto outros asseveram que, como ocorrera em Porto Calvo, ela teria conseguido fugir. Houve também quem afirmasse que ela simplesmente morrera de doenças da velhice.
Há uma lenda segundo a qual os deuses da África teriam tornado a guerreira imortal, um espírito ancestral que conduziu seus guerreiros até a queda definitiva do Quilombo dos Palmares.
Seja qual seja a versão, o fato é que ela é lembrada em Pernambuco, e merecidamente cantada em verso, em prosa e, avalia-se, até no título de uma música de Jorge Ben Jor, chamada Zumbi.
Aqualtune foi um misto de princesa e guerreira, um dos maiores símbolos de resistência e luta pela liberdade negra, mãe de um dos maiores líderes pela luta da liberdade negra, e avó de talvez o maior dos líderes da luta contra a escravidão.
Lamentavelmente, contudo, mesmo diante de tão eloquente exemplo de dignidade, ainda há os que de forma irracional reavivam, sempre que podem, o racismo. Aquatune, heroína do século 17, entrou para a história e 350 anos depois nela permanece ocupando um lugar de honra.
E os racistas de ontem e de hoje, onde estão?

*Por Marcelo Alcoforado

Deixe seu comentário

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon