Gente & Negócios: os rumos da economia e as eleições 2018
Rafael Dantas

Gente & Negócios: os rumos da economia e as eleições 2018

Publicado em 12/06/2018 por Revista algomais às 5:21

Uma pesquisa publicada ontem pelo Datafolha indicou que 45% dos brasileiros acreditam que a vida vai melhorar após o pleito eleitoral do próximo mês de outubro. Curiosamente, o mesmo instituto identificou a indecisão dos brasileiros sobre em quem votar. Apesar de otimistas, no cenário sem Lula e Joaquim Barbosa, os votos “brancos, nulos e indecisos” somam 34%. Pior que a falta de tamanha indefinição sobre os presidenciáveis é a perspectiva de termos uma nova eleição sem o debate dos temas estratégicos para o País. E para Pernambuco. A chance de cairmos num processo eleitoral em que se discute apenas corrupção e não os rumos que nortearão esses novos mandatos é enorme.

Para Pernambuco, a pesquisa Empresas & Empresários se propôs a apontar alguns temas estratégicos que poderão se firmar nos debates entre os candidatos ao Palácio do Campo das Princesas. (Se você deseja ler a primeira reportagem sobre esse os principais temas relacionados à logística, acesse esse link). Para a campanha nacional… qualquer perspectiva apenas após a Copa do Mundo.


Marcos Baptista, presidente de Suape, fala sobre pretensão de novos investimentos para o porto e sobre lições após greve dos caminhoneiros

Greve que paralisou o País deixou importantes lições para o Porto de Suape na opinião do presidente Marcos Baptista. Ele comenta também sobre os futuros investimentos do complexo que estão se encaminhando para serem realizados.

Marcos Baptista é o presidente do Complexo Portuário Industrial de Suape. Foto: Danielle Coutinho

Quais as lições o movimento de paralisação dos caminhoneiros deixou para Suape?

Depois da paralisação dos caminhoneiros, nos reunimos com diretores para fazer uma avaliação dos aprendizados. Algumas questões importantes foram identificadas. De forma geral, esse episódio apresentou para o público a importância estratégica de Suape como um porto concentrador, fundamental para a distribuição de combustíveis no Nordeste. A paralisação também sinalizou que temos que lutar por algumas melhorias para distribuição dessa carga.

Que melhorias vocês pretendem realizar?
Uma delas saiu dessa reunião de avaliação e que vamos encaminhar da melhor maneira possível. Aeroportos como o de Guarulhos possuem dutovias para transportar o querosene de aviação direto aos aeroportos. Esse combustível não vai de caminhão. Vamos sugerir a Infraero e ao Ministério dos Transportes que esse projeto seja desenvolvido em Suape também. Estamos numa posição que não é tão longe do aeroporto e isso pode ser realizado.

Outra questão, mais urgente ainda, é a retomada das obras da Transnordestina. O modal ferroviário também fará que diminua um pouco a dependência dos caminhões e da logística pelas rodovias. Esse é um projeto pronto e desenhado. Falta uma parte a ser concluída, tem viabilidade, mas está parado. É um absurdo que isso não avance. Os portos de uma forma geral precisam de uma via ferroviária para se desenvolver num patamar bem maior. Embora Suape já tenha um crescimento muito expressivo.

A retomada da autonomia segue sendo uma demanda urgente para Suape?

É importante lembrar que a gestão do porto é estadual, que faz a gestão financeira e administrativa do Complexo Industrial. O que não temos hoje é autonomia para realizar licitações de novas áreas ou mesmo a prorrogação de contratos. Isso ficou centralizado em Brasília desde 2013. Não só em relação a Suape, mas de todos os portos delegados. Claro que Suape, como o mais eficiente, não merecia ser jogado nessa vala comum.

Temos algumas demandas mais urgentes e especificas importantes em quatro áreas. A primeira é o segundo terminal de contêineres,  previsto para ter o lançamento de edital de licitação no último trimestre do ano, com investimento privado previso de R$ 1 bilhão. O segundo é o terminal de veículos, que terá investimentos para ter melhorias na operação e deverá passar para iniciativa privada até o final desse ano. Ambos estão incluídos no Programa de Parceiras de Investimentos (PPI) do Governo Federal. A agrovia solicitou uma diversificação das suas cargas (além de açúcar, deverá operar no futuro outros granéis vegetais, como malte, cevada e milho). Para isso, receberá um investimento de R$ 40 milhões. Por fim, o parque de tancagem também passará por ampliação. Todos estão em andamento. Evidentemente que se essas decisões se estivessem em nossa gestão estariam andando mais rápido. Mas para nós não importa se será feita estadualmente ou pelo governo federal. Mas é fundamental que os investimentos sejam feitos.


Encontro da Indústria conta com novas empresas na edição 2018

Maurício Laranjeira, gerente de Desenvolvimento Empresarial da FIEPE. Foto: Renata Victor

O Encontro da Indústria está na sua segunda edição e terá a participação de novas empresas como a Paleteria DonDiego, Sorvetes Milet e Fruta Pluss, que estão pela primeira vez no evento. Com a proposta de incentivar os negócios no ramo industrial, a Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE) é a realizadora do Encontro, que acontecerá entre os dias 19 e 21 de junho deste ano, no Shopping RioMar.

A expectativa é que 2,5 mil pessoas passem por lá e confiram a exposição de produtos de 75 empresas, que contarão com o engajamento de 40 indústrias e 18 sindicatos participantes. No ano passado foram gerados R$ 100 mil em negócios. A ideia dos organizadores é ultrapassar o resultado de 2017 nesta edição. “Gerar novos negócios, sobretudo no setor industrial, pode ter uma repercussão direta e positiva no Produto Interno Bruto (PIB) do Estado, que chega a ter 20% das suas riquezas geradas pelas indústrias”, afirma Maurício Laranjeira, gerente de Desenvolvimento Empresarial da FIEPE .


Dupla Comunicação chega ao Agreste

Rosangela Araújo e Claudio Rodrigues são os novos sócios regionais da agência, responsáveis pela unidade em Caruaru. Foto: Renand Zovka

A agência pernambucana Dupla inaugurou neste mês uma unidade de negócios em Caruaru. Os diretores Michele Cruz e Antonio Tiné agora contam com Rosangela Araújo e Claudio Rodrigues como sócios regionais, à frente da nova unidade. A proposta da empresa é que, a partir do Agreste, onde já atende Sesc e Sebrae, a Dupla possa atuar de maneira mais próxima e customizada, oferecendo serviços integrados e estratégicos nas mais diversas plataformas.

Rosangela Araújo é coordenadora do curso de jornalismo da Unifavip Wyden e trabalhou por 15 anos na TV Asa Branca, afiliada da Rede Globo em Caruaru. Claudio Rodrigues é jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Trabalhou durante 15 anos na TV Asa Branca, afiliada Rede Globo em Caruaru, como produtor, editor, chefe de redação e gerente de jornalismo.

Além da novidade no Agreste, a agência já dispõe de profissionais em Serra Talhada e Petrolina e firma parcerias com outras empresas de comunicação em todos os estados do Nordeste e em várias regiões do País. “Estamos sempre atentos a oportunidades para o nosso negócio. Estar no Agreste fisicamente nos possibilitará ampliar ainda mais o nosso mercado, além de conseguirmos realizar a comunicação dirigida para os nossos clientes de maneira muito mais eficaz. Vamos oferecer ainda todos os nossos produtos para a Região, além de realizar outros específicos para atender o mercado”, pontua Michele Cruz.

Tiné e Michele são sócios e fundadores da Dupla. Foto: Rodrigo Lobo

A Dupla Comunicação, que está no mercado desde 2008, tem 24 clientes fixos. A empresa conta com uma equipe de 31 profissionais multidisciplinares para atender os mais diversos tipos de negócios e solicitações. Entre as marcas atendidas estão Natura, Itaipava, Sebrae, Sesc, Senac, Moura Dubeux, Shopping Recife, UniFG, Hospital Santa Joana Recife. “A nossa meta é continuar ampliando os serviços e crescer 10% este ano, oferecendo soluções de comunicação de maneira personalizada para nossos clientes”, completa Antonio Tiné.


Safetec: tecnologia em nuvem que gera resultados

Antonio Lapa é o CEO da empresa

Com sua matriz no Porto Digital, a Safetec expande sua atuação no mercado e passa a atuar nos estados do Ceará e de Minas Gerais. Para esse plano de crescimento a empresa fez o investimento de R$ 1,5 milhões. Com mais de 10 anos no mercado de soluções corporativas em nuvem, a empresa atua no segmento de tecnologias de colaboração e comunicação, tendo como uma das principais missões gerar Retorno de Valor para negócios. Há três anos consecutivos no seleto ranking de Pequenas e Médias Empresas que mais crescem no Brasil (Deloitte/Exame), a expectativa da pernambucana é chegar ao fim de 2018 com um crescimento de 30%. A Safetec, que é parceira premier Google Cloud no Norte e Nordeste, e há pouco tempo foi certificada pelo Google for Education.

No Ceará, a Safetec já atende a clientes como a Federação das Indústrias do Estado do Ceará, Corpvs Segurança e o Grupo Majela. Em Minas Gerais, ela é responsável por atender a Prefeitura de Belo Horizonte, um dos maiores contratos da Google na América Latina. Ao realizar um estudo de potencial de mercado, a economia mineira se apresenta como a segunda maior do país. Enquanto a economia do estado do Ceará se mostrou como uma de maior crescimento no Norte e Nordeste, tendo um crescimento de PIB quase o dobro da média nacional em 2017. “Sem dúvida, isto foi um fator decisivo para apostarmos nesses locais. E sem contar que a própria Google tem interesse em expandir suas atividades nessas regiões”, comenta o diretor comercial, Filipe Amaral.

“O futuro já chegou. É um caminho sem volta. Mais do que uma tendência passageira, a transformação digital e o novo mundo da colaboração em tempo real está revolucionando os negócios, o trabalho em equipe e o processo de tomada de decisões nas empresas. Nossa missão é libertar as organizações e profissionais da velha maneira de trabalhar, oferecendo uma nova experiência através da tecnologia”, defende o CEO da empresa, Antonio Lapa.


Projetual busca oportunidades de negócios no Nordeste

Rafael Freire, diretor executivo da Projetual

A pernambucana Projetual Soluções Integradas, que tem o empresário e economista Múcio Novaes entre seus sócios investidores, através da sua parceria com grandes fundos internacionais e nacionais está gerenciando o montante de R$1,2 bilhão para investimento em empreendimentos no Nordeste. Segundo Rafael Freire, diretor executivo da Projetual, a empresa está buscando novos negócios, principalmente nos segmentos de saúde, centros comerciais e hotelaria, para aporte financeiro e desenvolvimento do projeto. “Temos, por exemplo, uma parceria com um fundo específico para investimentos no Nordeste com captação de R$ 300 milhões, e outro investimento recém-captado de R$320 milhões para aporte exclusivo em shoppings centers”, completa. O diretor afirma ainda que há uma movimentação crescente na procura pelo serviço de consultoria em desenvolvimento imobiliário. Só neste primeiro semestre, a Projetual já firmou 10 novos contratos de projetos para negociar no mercado.


VEJA TAMBÉM

Gente & Negócios é a nova coluna do site da Algomais

Para continuar lendo:
Tenha acesso a 5 textos
gratuitos todo mês
Cadastre-se gratuitamente »
Aproveite todo conteúdo da Revista Algomais sem limites
Assine »